A Nave dos Loucos | Ana Cristina Leonardo

nave dos loucosA Europa anda atarantada. Como na “Viagem ao Centro da Terra” de Verne, a temperatura aumenta e bússola está completamente enlouquecida. Os ventos sopram fora de controle. De norte a sul, de este a oeste, as opiniões saltitam entre a compaixão e a repulsa, o medo e o remorso. Viktor Orbán, o húngaro musculado com lugar em Bruxelas, não tem dúvidas. “Estão a invadir-nos. Não estão apenas a bater à porta, estão a deitar a porta abaixo. A Hungria e toda a Europa estão em perigo.” A estas palavras, Giovanni Drago, o herói de “O Deserto dos Tártaros”, esse maravilhoso romance de Dino Buzzati, teria decerto despertado da sua letargia, o inimigo finalmente chegado à Fortaleza. Algo de semelhante se diga para Aldo, o jovem aristocrata de Orsenna que parte para o mar das Sirtes, destacado para a fronteira que separa Orsenna do Farguestão, Estados rivais marcados por uma guerra surda de três séculos que ele irá de novo despertar, segundo se conta nesse livro parente da obra de Buzzati, “A Costa das Sirtes”, de Julien Gracq. E poder-se-ia acrescentar Ivo Andrié, o Nobel bósnio que nos faz regressar ao século XVI, aos Balcãs, aí onde o grão-vizir Mehmet – Paxá decide erigir uma ponte sobre o rio Drina que liga até hoje as duas margens, ponto de partida do épico do mesmo nome (“A Ponte Sobre o Drina”).

 

O que não falta é literatura! Naturalmente, não será isso que resolve – ou porventura ajuda – o drama dos refugiados de agora. Mas se a História se repete, e disse-se que a segunda vez como farsa, não há como não vislumbrar ironia histórica no sentido da travessia do Mediterrâneo por milhares de pessoas em fuga, e isto apesar das mortes trágicas. Encurralada entre os seus princípios universalistas, laicos e democráticos e a realidade do confronto com valores inegavelmente retrógrados (e quem disser o contrário que atire a primeira pedra), vacilando entre o dever de acolhimento, o mea culpa e a obrigação de defesa de padrões civilizacionais (até há pouco dados por adquiridos), a Europa mergulha na História que, no mínimo precipitadamente, muitos tinham ousado dar por terminada. Lê-se em “A Ponte Sobre o rio Drina”: “Um homem de espírito puro e de olhos abertos que então vivesse poderia testemunhar como é que se dá esse milagre e como uma sociedade inteira se podia transformar num único dia. Em poucos minutos a tradição secular da cidade foi devastada. “

Está tudo na literatura.

 

Ana Cristina Leonardo, Jornal Expresso Revista de 26-09-2015

Foto: Nave dos Loucos, Pieter van der Heyden, selecionada por Vítor Coelho da Silva

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.