PINCHA DE MINDE | António Galopim de Carvalho

agp - 200Texto que nos foi simpaticamente enviado pelo Sr. Prof. Dr. António Galopim de Carvalho. Muito obrigado Professor.

Um depósito que, pelas suas características muito particulares, tem merecido a atenção de geógrafos e geólogos é o localmente conhecido por “pincha”, em Minde, no Maciço Calcário Estremenho.
Trata-se de uma cascalheira muito bem sedimentada, contida na classe dimensional compreendida entre 64 e 8 milímetros, exclusivamente constituída por clastos (fragmentos) de calcário do Jurássico médio (175 a 154 milhões de anos), muito achatados e de aspecto subarredondado. A matriz, ou seja, o material entre os clastos é uma areia argilosa, vermelha e em muito pequena quantidade, deixando vazios grande parte dos espaços entre os ditos clastos. Esta matriz tem origem nas camadas sedimentares areno-argilosas do Cretácico inferior (136 a 96 milhões de anos) que ali existiu, cobrindo o Jurássico, e já em grande parte erodidas. O arredondamento das arestas destes clastos é, sobretudo, devido a dissolução pelas águas da chuva carregadas de dióxido de carbono que penetram no terreno, processo que também explica a terra rossa (argila de cor vermelha) integrada na matriz. Com imbricação acentuada, indicadora do sentido das correntes que os transportaram, estes clastos achatados resultaram de um processo de fracturação pelo frio (crioclastia) em regime de tipo periglaciário (periférico dos glaciares que se fizeram sentir em Portugal, nomeadamente nas serras do Gerês e da Estrela) durante o Würm (idade do Gelo, entre 115 000 e 12 000 anos). Primeiro, estes clastos atapetaram as vertentes, deslizaram depois para o fundo do polje, ou seja, a grande depressão que ainda hoje marca a paisagem local, e foram remobilizados pelas águas do lago que aí se formou no período pluvial que se seguiu em virtude da melhoria do clima pós-glaciário.
O termo “pincha” parece estar relacionado com o jogo da “pincha” (botão), talvez pelo aspecto achatado destes clastos.

pincha01 - 545

pincha02 - 545

“Bem-vindo” em japonês

CML 600

Muitos parabéns à Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa, representada numa exposição a decorrer no Japão com o seu trabalho em calçada artística portuguesa. A oportunidade surgiu durante a visita às instalações da Escola de Midori Nakamura, japonesa a viver em Lisboa e a trabalhar na área do azulejo. O trabalho foi desenvolvido pelo formando Vítor Graça e inicialmente o pedido consistia em fornecer documentação escrita e fotografias de calçada. Porém, assumiu os contornos de um trabalho inédito e único até à data.

Viva Lisboa!

Retirado do Facebook, mural do Dr. Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa

A Terra | Um Geoide

A Terra, antes chamada de redonda, hoje em dia é classificada como geoide. Ela nos parece redondinha quando a gente coloca os fluidos como oceano, nuvens e atmosfera.Uma imagem da terra geoide sem esses fluidos nos facilita o entendimento do tectonismo de placas.

O geoide é uma superfície equipotencial, isto é, onde o campo gravitacional é constante. Neste gif, as cores representam uma medida da variação da posição dessa superfície, que é influenciada pelos processos de convecção do manto.

terra

Internacionalização da Amazônia | CRISTÓVAM BUARQUE, Brasil

Amazona_rainforest

Durante debate em uma universidade, nos Estados Unidos,o ex-governador do DF, ex-ministro da educação e atual senador CRISTÓVAM BUARQUE, foi questionado
sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia.

O jovem americano introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um Humanista e não de um brasileiro.

Esta foi a resposta do Sr.Cristóvam Buarque:

“De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso.

“Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a humanidade.

“Se a Amazônia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou
diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço.”

“Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado.

Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país.

Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

“Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França.
Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural Amazônico, seja manipulado e instruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito tempo, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado.

“Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua historia do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.

“Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA.

Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maiores do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.

“Defendo a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir à escola.
Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como património que merece cuidados do mundo inteiro.

” Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa!

4 kms – distância entre a Rússia e os Estados Unidos da América

As remotas ilhas Diomedes, no estreito de Bering, são separadas por uma faixa de água que fica congelada durante boa parte do ano, permitindo a passagem a pé entre elas. A Grande Diomedes, ou Ratmanov, é o ponto mais oriental da Rússia, e a Diomedes Menor, ou Pequena Diomedes, é o território mais a oeste dos Estados Unidos. Como, durante a Guerra Fria, os nativos das ilhas não podiam circular entre elas, a área ficou conhecida como “Cortina de Gelo”.

Após o final da Segunda Guerra Mundial, todos os nativos da ilha russa de Grande Diomedes foram transferidos para o continente, e somente na Pequena Diomedes se manteve um minúsculo povoado, que até hoje permanece e, com suas poucas dezenas de habitantes, é considerado um dos locais mais isolados do planeta.

No estreito de Bering, a oeste, a Grande Diomedes, ou Ratmanov; a leste, a Diomedes Menor. Entre Rússia e Estados Unidos, apenas 4 quilômetros

No estreito de Bering, a oeste, a Grande Diomedes, ou Ratmanov; a leste, a Diomedes Menor. Entre Rússia e Estados Unidos, apenas 4 quilômetros

O que torna as Diomedes ainda mais interessantes é que exatamente entre as duas ilhas passa a Linha Internacional de Mudança de Data, criando uma diferença de fusos horários de nada menos de 24 horas, numa distância de 4 quilômetros. Na Grande Diomedes é o dia seguinte à data da Diomedes Menor.

Existe há anos um projeto de construção de uma ponte intercontinental que passaria pelas duas ilhas e ligaria o Alasca ao Extremo Oriente russo.