Your Story: The Cabin

sethsnap

Todd and I visited his aunt at her cabin in the heart of Hocking Hills this past Memorial Day.  I snapped these pictures and thought you’d write a lovely story for me.

Your Story is a SethSnap series in which you get to decide the story behind the photos.  You can write a story, a poem or even just one word.  You decide.  To see previous Your Story posts click on “Story Time” on the right.

DSC_0210 copy

View original post

The Economic Depression Is Not Over for Millions of Americans

24/7 Wall St.

NYSE-flagFrom time to time, one polling company or another asks Americans whether they believe the Great Recession has ended. A substantial portion of them say no, and that opinion is correct. Some respondents even say the United States is in a depression.

A widely covered report from the Federal Reserve Bank of St. Louis’s Center for Household Financial Stability states that:

Average household wealth in real terms, contrary to recent headlines, has not fully recovered; indeed, it is only about halfway back to prerecession levels

And, for some groups, the situation is even worse:

While many Americans lost wealth because of the recession, younger, less-educated and/or African-American and Hispanic families lost the most, in percentage terms.

Some of the results of this analysis should have been expected. Other research has shown that real wages among Americans have fallen over the past decade as income has not kept pace with inflation. However…

View original post mais 335 palavras

The Charnel-House

Built and unbuilt works

Untitled.
Image:Il’ia Golosov, competition entry
for the Leningrad Pravda office (1924)

untitled2.

Note:Translation forthcoming of the lecture notes below! “New paths in architecture,” by Il’ia Golosov.

«Новые пути в архитектуре»

.
Лекция, прочитанная И. А. Голосовым в 1922 г. в Московском архитектурном обществе. Приведены лишь отдельные выдержки из этой лекции, касающиеся построения архитектурной формы. ЦГАЛИ СССР, ф. 1979, оп. 1, д. 69. Полный текст ее опубликован в сб. Из истории советской прхитектуры (1917—1925 гг.). Документы и материалы, М., Изд-во Академии наук СССР, 1963, стр. 26—31.

(…] Почему все еще громадное большинство пережевывает жвачку повторения и комбинаций древних форм, имевших смысл в сооружениях древних, но совершенно не подходящих к новым сооружениям, и нам кажется несомненным, что новое вино надо влипать в новые мехи и что современная архитектура должна найти себя на пути правильного отражения идеи сооружения — его души.

Конечно, высказываемая мысль приложима не…

View original post mais 1.679 palavras

Art Brussels @ Quadrado Azul (Porto)

Making Art Happen

31.05 > 31.07.2013

@ Galeria Quadrado Azul (Porto)

A Galeria Quadrado Azul inaugura hoje, no Porto, às 22 horas, uma exposição composta por trabalhos de artistas que participaram na última edição da feira internacional de arte contemporânea Art Brussels, que decorreu em Abril de 2013. A mostra dá a conhecer obras recentes de: Rigo 23, Rossella Biscotti & Kevin van Braak, Kevin van Braak, Hugo Canoilas, Heinz Peter Knes, Paulo Nozolino, Mika Tajima, Francisco Tropa e Willem Weismann.

De Rigo 23 (Portugal, 1966) pode ser visto “Chiapas”, tela artesanal bordada em Chiapas e resultante da colaboração com as comunidades Zapatistas do sul do México que lutam pela autonomia e pela defesa dos direitos dos povos indígenas. Este trabalho revela uma das linhas de força da prática do artista: o activismo pela defesa dos direitos humanos e pelo direito à diferença das comunidades minoritárias. 

View original post mais 642 palavras

PABLO NERUDA E FERNANDO PESSOA CELEBRAM WALT WHITMAN

A Viagem dos Argonautas

                    

No dia 31 de Maio de 1819, nasceu Walt Whitman, o poeta que cantou a América do Norte com a emoção e o génio lírico com que outro grande poeta, Pablo Neruda, no século seguinte, cantaria a América Latina.

E Pablo Neruda cantaria também Walt Whitman

YO no recuerdoImagem1

 a qué edad,

 ni dónde,

 si en el gran Sur mojado

o en la costa

temible, bajo el breve

grito de las gaviotas,

toqué una mano y era

la mano de Walt Whitman:

pisé la tierra

con los pies desnudos,

anduve sobre el pasto,

sobre el firme rocío

de Walt Whitman. 

Agora os primeiros versos de uma Saudação a Walt Whitman, de Álvaro de Campos.

Portugal Infinito, onze de junho de mil novecentos e quinze…
Hé-lá-á-á-á-á-á-á!
De aqui de Portugal, todas as épocas no meu cérebro,
Saúdo-te, Walt, saúdo-te, meu irmão em Universo,
Eu, de…

View original post mais 135 palavras

Eleições antecipadas | Provedor de Justiça

O provedor de Justiça, Alfredo José de Sousa defende, em entrevista à Antena 1, a realização de eleições antecipadas no mesmo dia das eleições autárquicas, considerando que a situação do País está bloqueada e que tudo está nas mãos de Paulo Portas.

naom_514b70bdf276c

http://www.noticiasaominuto.com/politica/78253/provedor-de-justi%C3%A7a-pede-elei%C3%A7%C3%B5es-antecipadas#.Uah7PtLFUZ4 … (FONTE)

Em defesa de Lobo Xavier e Pacheco Pereira | Pedro Silva Pereira

psp “Testemunhei que a Comissão Europeia e o BCE não queriam que Portugal fizesse um pedido de assistência financeira, igual ao grego e ao irlandês, e estavam empenhados na aprovação do PEC IV”.

Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal, ao Público (1-4-2012)

Vítor Gaspar sentiu-se atingido por Lobo Xavier e Pacheco Pereira terem reconhecido, com honestidade, que a verdadeira razão que levou Portugal a ter de pedir ajuda externa foi o assalto ao poder lançado pela direita com a rejeição do PEC IV, que tinha recebido o apoio do BCE e dos nossos parceiros europeus.

A resposta de Gaspar insiste na falsificação da história.

O ministro das Finanças aproveitou a sua ida ao Parlamento para responder aos comentadores da direita na Quadratura do Círculo e contrapor que o Governo socialista devia ter pedido ajuda externa mais cedo. Acontece que a historieta de Vítor Gaspar não tem qualquer fundamento na verdade histórica: Lobo Xavier e Pacheco Pereira é que têm razão.

Em primeiro lugar, Gaspar passa ao lado do argumento principal de Lobo Xavier e Pacheco Pereira, que se refere à própria necessidade do pedido de ajuda: se havia uma garantia formal (escrita) de apoio do BCE e da Comissão Europeia ao PEC IV, a aprovação desse PEC podia ter evitado o pedido de ajuda externa, garantindo junto dos mercados financeiros uma protecção do BCE análoga à que é dada a outros países poupados a um resgate. Podemos todos especular sobre o que teria acontecido se essa solução tivesse sido adoptada, o que não podemos é adulterar a história: a alternativa ao resgate existia, tinha apoio europeu e foi rejeitada. Como confirmou Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal, ao Público (1-4-2012): “Testemunhei que a Comissão Europeia e o BCE não queriam que Portugal fizesse um pedido de assistência financeira, igual ao grego e ao irlandês, e estavam empenhados na aprovação do PEC IV”.

Sendo estes os factos, a conclusão de Lobo Xavier e Pacheco Pereira está certa: o pedido de ajuda externa não era uma inevitabilidade, foi, isso sim, uma escolha das lideranças do PSD e do CDS que, na ânsia de chegarem ao poder, optaram por rejeitar o PEC IV e desprezar o apoio europeu, mesmo sabendo as consequências dramáticas que isso iria ter junto dos mercados financeiros.

Em qualquer caso, Vítor Gaspar também não tem razão quanto ao ‘timing’ do pedido de ajuda. Comecemos por recordar as datas: o “chumbo” do PEC IV foi anunciado por Passos Coelho na noite de 11 de Março de 2011. A partir daí, tudo se passou rapidamente: a votação no Parlamento teve lugar a 23 de Março (provocando a imediata demissão do Governo) e o pedido de ajuda foi apresentado menos de 15 dias depois, a 6 de Abril. Tudo em menos de um mês.
Quem queira sustentar que o pedido de ajuda externa devia ter sido formulado antes da crise política, isto é, antes de Março, tem de recordar o que o próprio PSD dizia no mês de Fevereiro. E o que dizia Eduardo Catroga era isto: “Não defendo, nas actuais condições de acesso, o recurso ao FEEF em parceria com o FMI, porque as experiências da Grécia e da Irlanda correram muito mal” (v. Diário Económico, 21-2-2012). O próprio Passos Coelho também era contra: “Portugal só deve encarar uma solução externa quando as condições forem racionalmente vantajosas. Portugal não tem uma dívida sustentável mas o tipo de financiamento do FMI ou do FEEF também não o é”. E acrescentou um argumento bombástico: “Se Portugal recorresse ao tipo de ajuda da Irlanda ou da Grécia, dentro de dois ou três anos não estaríamos em condições de cumprir” (Lusa, 10-2-2011).

Estes factos históricos chegam e sobram para provar que Vítor Gaspar não tem razão: nem o pedido de ajuda externa foi apresentado “demasiado tarde”, nem era sequer inevitável dado que a Europa apoiava outra solução. Mas as declarações de Passos Coelho, feitas um mês antes do “chumbo” do PEC IV, mostram que o líder do PSD provocou uma crise política com plena consciência das graves consequências para o País de um pedido de ajuda externa naquelas circunstâncias. Como ele próprio disse, com um tipo de ajuda como o concedido à Irlanda ou à Grécia, “dentro de dois ou três anos não estaríamos em condições de cumprir”. Mas isso era no tempo em que Vítor Gaspar não era ministro das Finanças e Passos Coelho ainda acertava nas previsões.

Pedro Silva Pereira, Jurista

MENSAGEM ENVIADA AO ENCONTRO DA AULA MAGNA | José Pacheco Pereira in “Abrupto”

Caro Presidente Mário Soares,

Não podendo estar presente nesta iniciativa, apoio o seu objectivo de contribuir para  combater a “inevitabilidade” do empobrecimento em que nos querem colocar, matando a política e as suas escolhas, sem as quais não há democracia. Gostaria no entanto de, por seu intermédio, expressar com mais detalhe a minha posição.

A ideia de que para alguém do PSD, para um social-democrata, lhe caem os parentes na lama por estar aqui, só tem sentido para quem esqueceu, contrariando o que sempre explicitamente, insisto,  explicitamente, Sá Carneiro disse: que os sociais democratas em Portugal não são a “direita”. E esqueceu também o que ele sempre repetiu: de que acima do partido e das suas circunstancias, está Portugal.

Não. Os parentes caem na lama é por outras coisas, é por outras companhias, é por outras cumplicidades, é por se renegar o sentido programático, constitutivo de um partido que tem a dignidade humana, o valor do trabalho e a justiça social inscritos na sua génese, a partir de fontes como a doutrina social da Igreja, a tradição reformista da social-democracia europeia e o liberalismo político de homens como Herculano e Garrett. Os que o esquecem, esses é que são as más companhias que arrastam os parentes para a lama da vergonha e da injustiça.

Não me preocupam muito as classificações de direita ou de esquerda, nem sequer os problemas internos de “unidade” que a esquerda possa ter. Não é por isso que apoio esta iniciativa. O acantonamento de grupos, facções ou partidos, debaixo desta ou daquela velha bandeira, não contribui por si só para nos ajudar a sair desta situação. Há gente num e noutro espectro político, preocupada com as mesmas coisas, indignada pelas mesmas injustiças, incomodada pelas desigualdades de sacrifícios, com a mesma cidadania activa e o mesmo sentido de decência que é o que mais falta nos dias de hoje.

A política, a política em nome da cidadania, do bom governo, e da melhoria social, é que é decisiva. O que está a acontecer em Portugal é a conjugação da herança de uma  governação desleixada e aventureira, arrogante e despesista, que nos conduziu às portas da bancarrota, com a exploração dos efeitos dessa política para implementar um programa de engenharia cultural, social e política, que faz dos portugueses ratos de laboratório de meia dúzia de ideias feitas que passam por ser ideologia. Tudo isto associado a um desprezo por Portugal e pelos portugueses de carne e osso, que existem e que não encaixam nos paradigmas de “modernidade” lampeira, feita de muita ignorância e incompetência a que acresce um sentimento de impunidade feito de carreiras políticas intra-partidárias, conhecendo todos os favores, trocas, submissões, conspirações e intrigas de que se faz uma carreira profissionalizada num partido político em que tudo se combina e em que tudo assenta no poder interno e no controlo do aparelho partidário.

Durante dois anos, o actual governo usou a oportunidade do memorando para ajustar contas com o passado,  como se, desde que acabou o ouro do Brasil, a pátria estivesse à espera dos seus novos salvadores que, em nome do “ajustamento” do défice e da dívida, iriam punir os portugueses pelos seus maus hábitos de terem direitos, salários, empregos, pensões e, acima de tudo, de terem melhorado a sua condição de vida nos últimos anos, à custa do seu trabalho e do seu esforço. O “ajustamento” é apenas o empobrecimento, feito na desigualdade, atingindo somente “os de baixo”, poupando a elite político-financeira,  atirando milhares para o desemprego entendido como um dano colateral não só inevitável como bem vindo para corrigir o mercado de trabalho, “flexibilizar” a mão de obra, baixar os salários. Para um social-democrata poucas coisas mais ofensivas existem do que esta desvalorização da dignidade do trabalho, tratado como uma culpa e um custo não como uma condição, um direito e um valor.

Vieram para punir os portugueses por aquilo que consideram ser o mau hábito de viver “acima das suas posses”, numa arrogância política que agravou consideravelmente a crise que tinham herdado e que deu cabo da vida de centenas de milhares de pessoas, que estão, em 2013, muitas a meio da sua vida, outras no fim, outras no princípio, sem presente e sem futuro.

Para o conseguir desenvolveram um discurso de divisão dos portugueses que é um verdadeiro discurso de guerra civil, inaceitável em democracia, cujos efeitos de envenenamento das relações entre os portugueses permanecerão muito para além desta fátua experiência governativa. Numa altura em que o empobrecimento favorece a inveja e o isolamento social, em que muitos portugueses tem vergonha da vida que estão a ter, em que a perda de sentido colectivo e patriótico leva ao salve-se quem puder, em que se colocam novos contra velhos, empregados contra desempregados, trabalhadores do sector privado contra os funcionários públicos, contribuintes da segurança social contra os reformados e pensionistas, pobres contra remediados, .permitir esta divisão é um crime contra Portugal como comunidade, para a nossa Pátria. Este discurso deixará marcas profundas e estragos que demorarão muito tempo a recompor.

O sentido que dou à minha participação neste encontro é o de apelar à recusa  completa de qualquer complacência com este discurso de guerra civil, agindo sem sectarismos, sem tibiezas e sem meias tintas, para que não se rompa a solidariedade  com os portugueses que sofrem, que estão a perder quase tudo, para que a democracia, tão fragilizada pela nossa perda de soberania e pela ruptura entre governantes e governados, não corra riscos maiores.

Precisamos de ajudar a restaurar na vida pública, um sentido de decência que nos una e mobilize. Na verdade, não é preciso ir muito longe na escolha de termos, nem complicar os programas, nem intenções. Os portugueses sabem muito bem o que isso significa. A decência basta.

José Pacheco Pereira in Abrupto

http://abrupto.blogspot.pt/2013/05/mensagem-enviada-ao-encontro-da-aula.html … (FONTE)

Crónica do Rei-Poeta Al-Mu’Tamid | Ana Cristina Silva

acs

Sinopse

Al-Mu’ Tamid nasceu em Beja, em 1040. Nessa época, a poesia e a cultura floresciam nas cortes árabes, mas após a queda de Córdova, o Sul de Espanha fragmentara-se em inúmeras taifas que se digladiavam entre si ao sabor das aspirações de poder e de prestígio. Herdeiro de uma das mais poderosas dinastias então reinantes que governava Sevilha, Al-Mu’ Tamid era um homem de índole benévola, amante de tertúlias, e um dos mais notáveis poetas do al-Andaluz. Nesta crónica ficcionada, escrita já no exílio pelo Rei-Poeta, Ana Cristina Silva, para além dos acontecimentos trágicos que marcaram o seu reinado, leva-nos a imaginar como terá sido, intimamente, o homem que teve de encarnar a personagem que ficou para a história.
Crónica do Rei-Poeta Al-Mu’Tamid de Ana Cristina Silva
Ana Cristina Silva é docente universitária no ISPA-IU. Doutorada em Psicologia da Educação, especializou-se na área da aprendizagem da leitura e da escrita, desenvolvendo investigação neste domínio com obra científica publicada em Portugal e no estrangeiro. Publicou até ao momento sete romances, Mariana, todas as Cartas (2002), A Mulher Transparente (2003), Bela (2005), À Meia Luz(2006), As Fogueiras da Inquisição (2008), A Dama Negra da Ilha dos Escravos (2009) e Crónica do Rei-Poeta Al- Um’Tamid (2010).

Goldman Sachs Stocks to Buy in Defense and Warfare

24/7 Wall St.

Apache Block III Ceremony and First FlightGoldman Sachs Group Inc. (NYSE: GS) is known rather well for making sector-moving research calls that create ripples due to the vast amounts of money that can flow in and out of sectors when they make bold predictions. The firm has now decided that defense stocks are attractive, and the firm issued a new list of stocks to buy that deal in defense and warfare. This is a call that will appeal to value investors and income or dividend investors alike.

Lockheed Martin Corp. (NYSE: LMT) was covered on this morning’s top analyst upgrades and stocks to buy because this stock was moved up to the prized Conviction Buy List. The firm’s price target is now $127, for about 20% in implied upside. Be advised that the consensus price target is $100.60 as of now, and that is about $7 lower than the current share price…

View original post mais 141 palavras

Dupa dealuri (2012) de Cristian Mungiu

À pala de Walsh

Em declarações sobre o seu último filme Dupa dealuri (Para Lá das Colinas, 2012), Cristian Mungiu diz, indignado, que durante o período em que o estava a realizar abriram 300 novas igrejas na Roménia e que, ao todo, no país existem cerca de 5000, enquanto que escolas são apenas 500. Esta “numerologia” torna evidente a intenção crítica do cineasta ao adaptar o romance da escritora Tatiana Niculescu Bran sobre um caso real de exorcismo trágico numa comunidade cristã ortodoxa.

Parece claro que tudo isto carrega aqui um peso de responsabilidade de denúncia que, não só entronca genericamente na veia desconstrutiva de toda a herança comunista com que o novo cinema romeno se afirmou, como mais concretamente na própria gravitas que colou ao seu universo. Nesse sentido, o filme que lhe valeu a Palma de Ouro, 4 luni, 3 saptamâni si 2 zile (Quatro Meses, Três Semanas e Dois Dias, 2007)…

View original post mais 594 palavras

“Os países lusófonos têm que cooperar”

marceloO ministro-conselheiro da delegação do Brasil na UNESCO, Marcelo Dantas, considerou hoje que “o futuro da língua portuguesa no plano internacional está ligado ao que vai acontecer com o Brasil, Angola e Moçambique nos próximos 10 ou 20 anos”.

“O dinamismo que se está a notar no continente africano injeta um entusiasmo em relação à língua portuguesa”, disse Marcelo Dantas à agência Lusa à margem do congresso sobre “A língua portuguesa no mundo” que terminou ontem, em Paris.

O representante brasileiro defendeu que para uma língua se afirmar internacionalmente tem que ter alguns aspectos, tais como um grande número de falantes dispersos geograficamente por vários países, uma relevância cultural e uma relevância econômica. “A língua portuguesa preenche esses requisitos”, afirmou.

Mas o interesse suscitado pelo português por motivos econômicos por si só não promove a língua, “tem que haver uma política intensa de promoção da língua, os países lusófonos têm…

View original post mais 333 palavras

Seven Annoying Things People Say to Pianists

The Bookshelf of Emily J.

I was talking to one of my friends recently about the problems with being a pianist.  She plays the piano like I do, and we are often asked to accompany people at our church when they sing or play another instrument.  We came to the conclusion that it really is a thankless job, even though we enjoy doing it.

This conversation prompted me to think of seven of the annoying things people commonly say to pianists.

1. “I wish I could play as well as you do.”

Well, you can.  You just need to start practicing.  Begin taking lessons, and then practice for an hour or more a day for at least ten years.  Then you’ll be as “good” as me.

2. “I’m just not blessed with that talent.”

Neither am I.  See my response to comment number 1.

3.  “Can you accompany me tomorrow?  The music has four sharps…

View original post mais 411 palavras

ASSALTO CHINÊS ARRASA PENTÁGONO in “Inteligência Económica”

Um desastre total! Como revela o Washington Post, Pequim roubou tudo o que havia para roubar de segredos nos mais secretos recantos do Pentágono. As unidades militares chinesas de hackers assaltaram, nos últimos anos, o Pentágono como nunca acontecera e ficaram na posse dos planos das armas mais secretas dos EUA: todo o programa do F-35, o caça de nova geração e o mais caro da história, mas também a nova versão do F-18 Super Hornet, o helicóptero UH-60, o transporte híbrido V-22 Osprey (a meio caminho entre o avião e o héli), os futuros navios de defesa de costa da US Navy, uns revolucionários trimarans, as tecnologias e planos de defesa anti-míssil (Patriot e Aegis), os radares mais avançados… enfim, todos os sitemas de armas vitais, resultado de décadas de investimento em pesquisa e desenvolvimento e nque constituem o coração da supremacia americana. Para além do acesso às tecnologias, este roubo significa também que Pequim pode sabotar os sistemas de armas americanos ou, dito de outro modo, “so just like in the movie Independence Day, in theory Chinese hackers could use electronic warfare to give F-35 weapons systems a cold, make them sick, and essentially inoperable… Attacks would be expected to include denial of service, data corruption, supply chain corruption, traitorous insiders, kinetic and related non-kinetic attacks at all altitudes from underwater to space. U.S. guns, missiles, and bombs may not fire, or may be directed against our own troops”. Um desastre total que durou uma década: “entre 1999 e 2009, as portas estiveram abertas para a espionagem chinesa”.

Ler mais:

http://inteligenciaeconomica.com.pt/?p=17897&utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=

Feed%3A+inteligenciaeconomica+%28Intelig%C3%AAncia+Econ%C3%B3mica%29 … (FONTE)

bcc-h-1516021-jpg_1400802

UM REI NA MANGA DE HITLER – um romance de José Goulão

A Viagem dos Argonautas

livro&livros1

Apresentamos hoje um livro de um argonauta – um romance de José Goulão que no nosso blogue assegura uma coluna de política nacional e internacional – “Mundo Cão”. O romance Um Rei na Manga de Hitler, editado pela Gradiva, é uma obra apaixonante, onde a grande experiência jornalística de José Goulão é investida na criação de uma complexa e muito bem urdida trama ficcional.  O livro deste nosso companheeiro de viagem é posto hoje à venda. Oferecemos uma sinopse.

Verão de 1940. A Inglaterra resistia ao fogo cerrado da aviação nazi. Portugal vivia a chamada neutralidadeImagem1 salazarista, através da qual a elite da ditadura tirava proveito da tragédia alheia.

Na vivenda de um banqueiro português, em Cascais, Hitler tinha debaixo de olho o seu «Pétain inglês», o ex-rei Eduardo VIII de Inglaterra, então Duque de Windsor. Este debatia-se num dilema: seguir o caminho da traição, que o faria regressar ao trono ao serviço…

View original post mais 440 palavras

Sena da Silva

Caixa Negra

sena6

sena7

sena8

sena1

A CMLisboa promove, na Cordoaria Nacional, uma exposição antológica do trabalho de Sena da Silva, um mais importantes nomes da fotografia portuguesa contemporanea.

sena9

Do catálogo, retiro :

Sena da Silva – Uma Antologia Fotográfica

A obra de um dos maiores fotógrafos portugueses da segunda metade do século XX, em exposição na Galeria Torreão Nascente da Cordoaria Nacional.

Foi um homem de múltiplos talentos e interesses profissionais e, felizmente para nós, de espirito inquieto e concretizador. É o autor da frase-manifesto ‘Portugal precisa de design!’, na qual se sumariza a sua luta pelas vantagens que aplicação desta disciplina poderia criar na sociedade portuguesa e que viria a culminar com a criação do Centro Português de Design, cuja direção ocupou de 1989 até 1994. Foi também arquiteto, artista plástico, professor, pedagogo e um dos autores mais relevantes da fotografia portuguesa da segunda metade do século XX, ainda que tardiamente divulgado e reconhecido…

View original post mais 137 palavras

GIRO DO HORIZONTE – ESTÁ NA HORA – por Pedro de Pezarat Correia

A Viagem dos Argonautas

 10550902_MvCyL[1] Aí temos em toda a sua crueldade, a ambição do tão aclamado Sá Carneiro, única “obra” que terá deixado da sua passagem pela política: um presidente, uma maioria, um governo. De direita, claro, populucha e inculta, reaccionária e beata, mesquinha e vingativa, vaidosa e balofa e até, pasme-se, desajeitada e incompetente. A que se identifica com o que de pior há na herança do fatalismo sebastianista e da reverência inquisitorial da nossa identidade e que trouxe o Portugal democrático de Abril ao estado comatoso em que se encontra.

 É dramático porque é um quadro que resulta de uma escolha livre, condicionada certamente, mas livre dos portugueses. O descrédito que este poder nefasto, tentacular, está a infiltrar na percepção da democracia, é uma ameaça que paira sobre a liberdade, porque cada vez mais as legiões dos desempregados sem retorno, da juventude sem futuro, dos reformados espoliados sem defesa, dos desencantados…

View original post mais 484 palavras