Glass Marcano, la jeune cheffe vénézuélienne qui va dynamiter la musique classique.

Há três meses, a jovem de 24 anos vendia frutas com a mãe em Yaracuy, no centro-oeste da Venezuela. Ela deixou o país pela primeira vez de uma forma bizarra e agora tira selfies com a Torre Eiffel ao fundo.

E também coleciona elogios em francês.

“É uma jovem extremamente talentosa, trabalhadora e inteligente que terá uma grande carreira”, prevê em conversa com a BBC News Mundo Romain Fievet, da orquestra Paris-Mozart, que em conjunto com a Filarmónica da capital francesa organizou o concurso Maestra, para profissionais mulheres.

La Maestra – Concours de cheffes d’orchestre – Finale – ARTE Concert

Elles ne sont plus que trois candidates à encore être en compétition. Face à elles, un jury présidé par Ewa Bogusz-Moore et composé de Marin Alsop, Claire Gibault, Pablo Heras Casado, Sian Edwards, Elizabeth Askren et Maxime Pascal.

Programme : Finale | Délibérations | Cérémonie de remise des prix

Marta Menezes | Pianista | Natural de Minde

CENTRO CULTURAL DE BELÉM | 15 NOVEMBRO 2020, 11H | LUDWIG VAN BEETHOVEN, Sinfonia nº 6, em Fá Maior, op. 68, Pastoral

https://www.martamenezes.com

Vencedora do 1º Prémio no Concurso Beethoven no Royal College of Music, em Londres, e no Concurso Internacional de Piano de Nice Côte D’Azur, Marta Menezes conta ainda com outros prémios em concursos internacionais em Portugal, Espanha e França. Recebeu em 2014 a “Medalha de Prata de Valor e Distinção” pelo seu percurso enquanto pianista, atribuída pelo Instituto Politécnico de Lisboa.

Marta apresenta-se regularmente em concertos a solo, em música de câmara e com orquestra, tendo actuado em diversos países na Europa, nos Estados Unidos, em Cabo Verde e na China. Das temporadas recentes, destacam-se os seus recitais no National Centre for the Performing Arts (Pequim), na Chopin Society of Connecticut (Estados Unidos), em St. Martin-in-the-Fields (Londres), no Festival Internacional IKFEM (Espanha) e no Festival Internacional de Música de Gaia.

Como solista, apresentou-se com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orchestre Régional de Cannes (concurso de piano de Nice), Orquestra IKFEM, Orquestra Sinfónica Juvenil, Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, Orquestra Sinfónica da Escola Superior de Música de Lisboa, Camerata MusArt, entre outras. Trabalhou com maestros como Pedro Neves, Pedro Amaral, Nicolas Simon, Christopher Bochmann, Gareguin Aratiounian e Vasco Azevedo.

Marta tem um papel activo na divulgação da música portuguesa. Fez a encomenda e estreia de várias obras de compositores contemporâneos e desenvolveu vários projectos dedicados a este repertório. Na presente temporada, prepara a apresentação dos 5 Concertos para Piano de Beethoven, com a estreia absoluta de 5 encores aos Concertos, encomendados a compositores da sua geração, no contexto dos 250 anos do nascimento de Beethoven.

Em 2015 editou o seu primeiro CD com obras de Beethoven e Lopes-Graça, com o apoio da Fundação GDA, que recebeu o prémio Global Music Award nos EUA: Silver Medal – Outstanding Achievement nas categorias de classical piano e emerging artist.

Marta tem sido convidada para dar entrevistas e a participar em programas na rádio Antena 2, rádio Super Bock Super Rock, Radio Internacional da China e Rádio Morabeza (Cabo Verde), bem como em televisão, tendo recentemente estado no Jornal da Noite da TVI.

Marta fez os seus estudos na Escola Superior de Música de Lisboa com Miguel Henriques, tendo também trabalhado com Jorge Moyano. Terminou o seu Mestrado com classificação máxima. Em Londres, fez um segundo mestrado no Royal College of Music, com Dmitri Alexeev, que terminou com distinção. Marta é doutorada pela Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, onde trabalhou com Arnaldo Cohen, tendo como tema do seu trabalho final as “Obras para Piano e Orquestra de Compositores Portugueses”.

Fatma Said records “Aatini Al Naya Wa Ghanni” أعطنى الناى وغنى

La soprano égyptienne, formée dans les écoles prestigieuses de musique berlinoises, chante en arabe , en français et espagnol, aussi bien des airs d’opéra, que des chants du patrimoine arabe et européen. Le mariage magique entre l’Orient et l’Occident. Ouarda, fayrouz, Oum keltoum, etc. ont une jeune héritière. Écoutez. [Souad Khodja]

Elīna Garanča | SCHUMANN & BRAHMS

Robert Schumann
Frauenliebe und Leben op. 42

Johannes Brahms
Heimweh II: “O wüsst’ ich doch den Weg zurück” op. 63 no. 8
Liebe und Frühling II: “Ich muss hinaus” op. 3 no. 3
Liebestreu op. 3 no. 1 · Mädchenlied op. 107 no. 5
O kühler Wald op. 72 no. 3 · Verzagen op. 72 no. 4
O liebliche Wangen op. 47 no. 4 · Geheimnis op. 71 no. 3
Wir wandelten op. 96 no. 2 · Alte Liebe op. 72 no. 1
Die Mainacht op. 43 no. 2 · Von ewiger Liebe op. 43 no. 1
Elīna Garanča
Malcolm Martineau November 6, 2020

Alex Taylor | a short piece of Music called ‘Natalia’

I have composed a short piece of Music called ‘Natalia.’ I watched my first ballet in Dec 2018 and have been hooked since. I saw Natalia in ‘Pure Dance’ at Sadlers Wells last October and wrote this with her grace, elegance and beauty in mind. If Natalia sees this and wants to choreograph a dance to it? (day dreaming again) !!

Hope you like it.

250 anos do nascimento de Beethoven: a vitória do sublime | in esquerda.net

Quem conseguir ligar-se à música de Beethoven terá o privilégio de enfrentar algumas das maiores proezas criativas, intelectuais e sensíveis do mundo da música.

Por Guilherme de Alencar Pinto.

Tudo estava previsto para que este fosse o ano de Beethoven. Com a pandemia em andamento, os 250 anos do nascimento do pobre Ludwig vão tendo como principal celebração o som de “Para Elisa”, desafinado, nos camiões de distribuição de gás que cruzam as ruas semi-vazias. Contudo, nada nos impede de aproveitar este quarto de milénio (que se cumpre no final do ano) para resumir o que nos trouxe um dos compositores que mais contribuiu para definir o nosso vínculo com a arte.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) é talvez o compositor mais influente na história da música. A partir do século XX, a música popular alcançou uma massificação inatingível no seu tempo, mas nesta o influenciador era a interpretação, não a composição, e, além disso, a grande segmentação desse setor impediu que uma figura se destacasse, o que era possível na cultura eurocêntrica do século XIX.

Apenas Wagner (1813-1883) pode fazer-lhe mossa, mas é de notar que a idolatria suscitada por este foi sempre potenciada por uma controvérsia ardente, enquanto o caso de Beethoven é mais parecido com o do seu quase contemporâneo Artigas [NT: militar e político sul-americano, herói das independências argentina e uruguaia], ou seja, tornou-se uma figura quase intocável e reivindicada por todos (na famosa controvérsia entre Wagner e Brahms, ambos fundamentavam as suas posições evocando Beethoven).

Continuar a ler

Larry Beckett & Tim Buckley | Song to the Siren

Long afloat on shipless oceans

I did all my best to smile

‘Til your singing eyes and fingers

Drew me loving to your isle

And you sang

Sail to me, sail to me

Let me enfold you

Here I am, here I am

Waiting to hold you

 

Did I dream you dreamed about me ?

Were you hare when I was fox ?

Now my foolish boat is leaning

Broken lovelorn on your rocks

For you sing

‘Touch me not, touch me not

Come back tomorrow

Oh my heart, oh my heart

Shies from the sorrow’

 

I am puzzled as the oyster

I am troubled as the tide

Should I stand amid your breakers ?

Or should I lie with death my bride ?

Hear me sing

‘Swim to me, swim to me

Let me enfold you

Here I am, here I am

Waiting to hold you’