Uma revolução na educação | Arlindo L. Oliveira, Presidente do Instituto Superior Técnico | in Jornal “Público”

arlindo oliveiraDe acordo com uma estimativa muito divulgada, 2/3 dos alunos que agora iniciam a sua formação escolar irão trabalhar em profissões que ainda não existem.

O desenvolvimento da tecnologia, com a primeira e segunda revoluções industriais, criou necessidades de educação que não existiam até então. O rápido crescimento dos sistemas de ensino que acompanhou estas revoluções levou à criação de gerações cada vez mais qualificadas, o que, por seu lado, criou condições para a redistribuição de riqueza que, de outra forma, não existiriam.

Durante os séculos XIX e XX, a educação foi vista como algo que se adquire enquanto se é jovem, sendo o paradigma mais comum a obtenção de um grau, médio ou superior, através da frequência escolar durante um período contínuo e prolongado, antes da entrada no mercado de trabalho. A terceira revolução industrial, com a introdução das tecnologias de comunicação e informação, e o rápido desenvolvimento destas tecnologias, veio colocar em causa este paradigma.

Continuar a ler

Historiadores Sem Fronteiras | Erkki Tuomioja, Historiador e ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros finlandês | in jornal “Expresso”

HISTORIADOR E POLÍTICO Tuomioja é um social-democrata e veterano da política finlandesa. Foi ministro por três vezes, duas delas como chefe da diplomacia do seu país.

A propósito de uma visita a Lisboa para um seminário no ISCTE sobre o seu projeto “Historiadores Sem Fronteiras”, o historiador e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros finlandês Erkki Tuomioja falou com o Expresso sobre o papel da História, a “pós-verdade”, a Rússia de Putin, o momento que a Europa atravessa e a nova América, onde “se podia dizer tudo durante a campanha, mesmo que não tivesse nada que ver com a verdade”. “E não podemos ser demasiado sérios a criticar os americanos, porque temos o mesmo fenómeno em muitos países europeus”.

Nascido numa família de políticos, Erkki Tuomioja desde cedo ocupou diversos cargos públicos como membro do partido social-democrata finlandês. Conhecido ativista antiguerra, o jovem que em tempos participou na ocupação de parte da Universidade de Helsínquia em protesto viria mais tarde a ter a seu cargo a pasta dos Negócios Estrangeiros por duas vezes (2000-2007 e 2011-2015). Foi também ministro do Comércio e tem mais de 30 anos de experiência como deputado, cargo que ainda exerce. Para o próprio, o facto de vestir o fato de historiador além do de político não é um problema, já que “História e política sempre estiveram interligadas”, diz. Por isso mesmo, Tuomioja decidiu criar a rede “Historiadores Sem Fronteiras”, fundada em maio de 2016.

Continuar a ler

Ignacio Morgado Bernal | Razões científicas para ler mais do que lemos

leituraA leitura, além de melhorar a empatia e o entendimento dos demais, é um dos melhores exercícios possíveis para manter em forma o cérebro e as capacidades mentais

O Brasil tem mais leitores a cada ano. Em 2011, eram 50% da população. Em 2015, eram 56%, segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. Contudo, isso também significa que 44% da população não lê. Ainda pior: 30% nunca comprou um livro. Alguns argumentos científicos, em especial da neurociência, podem ajudar a melhorar esses índices.

Continuar a ler

A anti-globalização de Trump | Carlos Matos Gomes

carlosdematosgomesA anti-globalização de Trump. A agressividade é uma das mais vulgares reacções de medo dos animais (incluindo os humanos) às ameaças. Arreganham os dentes, eriçam os pêlos. O slogan de Trump: América primeiro é o reconhecimento da ameaça da globalização que a América impôs. O feitiço voltou-se contra o feiticeiro. O monstro prepara-se para devorar o seu criador. A América está a provar o veneno que obrigou a União Soviética a beber na época de Reagan, fazendo-a esgotar-se em despesas militares. Hoje, são as potências emergentes, em especial a China, e a Alemanha, que mais beneficiam com o mercado global. A América está a perder e defende-se, isola-se e torna-se mais agressiva. Por isso mais perigosa. Os necons do laissez faire laisser passer andam todos a pintar o cabelo de loiro e acarretar tijolos para os muros do antigo mercado livre.
A América impôs a globalização enquanto a liderou e se aproveitou dela. Era uma coisa boa. Agora, que foi ultrapassada, é uma coisa má. O problema é que, tal como as armas nucleares ou a pólvora, não pode ser desinventada… caiu no domínio público e não adianta querer parar o rio agitando os braços ou construindo ridículos muros…
Sintoma da decadência da América e desta via suicida do isolacionismo de Trump é este só ter como aliada os restos de uma potência, a Inglaterra, ainda em estado mais avançado de decomposição. Aguarda-se que, no regresso da viagem de vassalagem, a primeira ministra inglesa anuncie a construção de um muro na fronteira com a Escócia, a pagar pelos escoceses!
A situação é perigosa… estamos no domínio das atitudes irracionais… do coice da mula…

Macyn Taylor | Sweet Home Chicago

Come on
Oh baby don’t you want to go
Come on
Oh baby don’t you want to go
Back to that same old place
Sweet home Chicago
Come on
Baby don’t you want to go
Hidehey
Baby don’t you want to go
Back to that same old place
Oh sweet home Chicago
Well, one and one is two
Six and two is eight
Come on baby don’t ya make me late
Hidehey
Baby don’t you want to go
Back to that same old place
Sweet home Chicago
Come on
Baby don’t you want to go
Back to that same old place
Sweet home Chicago
Six and three is nine
Nine and nine is eighteen
Look there

Dmitri Hvorostovsky | Farewell, Happiness, a folk song a capella

“Farewell, happiness, my life,
I know you go around without me
It means we must part;
I won’t see you any more
Dark little night! Ah, but I can not sleep!
I myself don’t know why
You, dear little girl, …
You alone disturb me,
You alone deprived me of rest.
(refrain; Dark etc)
Remember, remember that May day,
My dear one and I went to swim.
We sat on the sand,
On the yellow, the soft sand.
Dark little night! Ah, but I can not sleep…”

European Parliament to analyze proposal to give robots legal status and responsibilities | Arlindo L. Oliveira in “Digital Minds”

arlindo oliveiraThe committee on legal affairs of the European Parliament has drafted and approved a report that addresses many of the legal, social and financial consequences of the development of robots and artificial intelligence (AI).

The draft report addresses a large number of issues related with the advances of robotics, AI and related technologies, and proposes a number of european regulations to govern the utilization of robots and other advanced AI agents.

The report was approved with a 17-2 vote (and two abstentions) by the parliament’s legal affairs committee.

Among many other issues addressed, the report considers:

  • The question of legal status: “whereas, ultimately, robots’ autonomy raises the question of their nature in the light of the existing legal categories – of whether they should be regarded as natural persons, legal persons, animals or objects – or whether a new category should be created”, advancing with the proposal of “creating a specific legal status for robots, so that at least the most sophisticated autonomous robots could be established as having the status of electronic persons with specific rights and obligations…”
  • The impact of robotics and AI on employment and social security, and concludes that “consideration should be given to the possible need to
    introduce corporate reporting requirements on the extent and proportion of the contribution of robotics and AI to the economic results of a company for the purpose of taxation and social security contributions; takes the view that in the light of the possible effects on the labour market of robotics and AI a general basic income should be seriously considered, and invites all Member States to do so;”
  • The need for a clear and unambiguous registration system for robots, recommending that “a system of registration of advanced robots should be introduced, and calls on the Commission to establish criteria for the classification of robots with a view to identifying the robots that would need to be registered;”

https://digitalminds2016.wordpress.com/2017/01/21/european-parliament-to-analyze-proposal-to-give-robots-legal-status-and-responsibilities/

História da Oposição à Ditadura 1926-1974 | Irene Flunser Pimentel

ditadura

SINOPSE

Esta é a história da oposição ao regime ditatorial que marcou metade do século XX português. Das várias oposições, dos seus ideais e dos seus conflitos, dos seus feitos e dos seus fracassos. É a história dos homens e das mulheres que resistiram à Ditadura Militar e ao Estado Novo.

Irene Flunser Pimentel licenciou-se em História pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, em 1984. Conclui o mestrado em História Contemporânea (variante Século XX) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese Contributos para a História (ver mais)

Tejo vai ter a 3ª Ponte | Lisboa

ponte-545

Esta obra ligará as localidades de Chelas, na margem Norte, e do Barreiro, na margem Sul do Tejo, e terá um comprimento aproximado de 10 quilómetros. As suas torres terão uma altura de 200 metros, passando a ser uma das estruturas mais altas em Portugal. A ponte será rodoviária e ferroviária. Na parte rodoviária terá três a quatro vias de trânsito em cada sentido, e na ferroviária terá quatro linhas para comboios, duas para norte e duas para sul, onde uma será utilizada por serviços de alta velocidade e a outra, a integrar na Linha do Alentejo, da rede da Refer.O preço da terceira travessia sobre o rio Tejo ronda os 820,3 milhões de euros, e sera financiada pela ONCHIN consorcio de capital Chines na totalidade
O Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, previu, em Janeiro de 2020, que este projecto irá contribuir para o desenvolvimento de Lisboa para Sul, formando uma Cidade-Região, o que irá consolidar a sua capacidade de internacionalização e atractividade perante outras capitais europeias , o autarca acrescentou que o projecto da Terceira Travessia do Tejo irá trazer várias alterações à cidade, especialmente na freguesia do Alto do Seixalinho.

2017 | O ano em que defendemos a nossa posição | DiEM25

diem-25-200Estamos agora a entrar numa fase intensa de expansão do nosso movimento na luta pela democratização da EU.

Os detalhes serão anunciados em breve mas por agora encontra-se aqui um resumo do que planeámos para os próximos três meses:

Janeiro 27-28: O DiEM25 aterra em Londres para finalmente lançar o nosso movimento lá. Os nossos membros no RU encontram-se agora a definir a organização para refletir o futuro pós-Brexit e contribuir para a cimentação da “Internacional Progressista”.

Srećko Horvat, Elif Shafak e Yanis Varoufakis do DiEM25 vão falar na conferência do Guardian sobre o Brexit no dia 27 de Janeiro no Central Hall Westminster. No dia seguinte o nosso movimento vai ter uma reunião aberta das 10:00 às 13:00 no Conway Hall, Londres Central.

Continuar a ler

Oleogarquia | a aliança Trump/Putin explicada | João Camargo in Esquerda.net

joaocamargo_0_1O jogo chama-se Oleogarquia – Oiligarchy em inglês – e pode ser jogado online aqui(link is external). É um jogo de 2008, simples e realista: é-se o presidente de uma empresa petrolífera americana no final da 2ª Guerra Mundial e o objectivo é o mais simples de todos: fazer dinheiro através da exploração de petróleo. Há no início 5 locais para possível prospecção e extracção: o Texas sem qualquer restrição, o Iraque que é um país independente e onde portanto não se pode extrair, o Alasca, zona protegida onde é proibido extrair em terra e no mar, a Venezuela em que, apesar de ser um país independente, é possível extrair em terra e no offshore, e a Nigéria onde, também sendo um país independente, é possível explorar petróleo em terra.

Continuar a ler

O Regime | Raquel Varela

raquel-varelaA colonização é que foi culpada do seu trágico fim. Porque era um modelo de economia assente no trabalho forçado, deslocação de populações e polícia política – a PIDE nas colónias era uma pequena Gestapo, que actuava de facto em ligação directa com o exército colonial, recorrendo, por exemplo, ao assassinato directo de elementos «subversivos».

Hoje a tendência em Portugal e na Europa é de alta concentração da riqueza. Em 1945, a diferença entre um rico e um pobre, ou um trabalhador manual qualificado na Europa, era de 1 para 12. Em 1980, subiu de 1 para 82. E hoje é de 1 para 530. A União Europeia é uma corporação de acumulação de capitais. E a acumulação é incompatível com a manutenção de serviços públicos de qualidade, por causa da queda tendencial da taxa de lucro. A consequência é a destruição do Estado de Bem-Estar Social, um país atrasado, de baixos salários, declínio da qualidade do trabalho, emigração.

O modelo que fundamenta a social-democracia esvaiu-se. E Soares assistiu, ainda em vida, ao fim do seu projecto político.

Mário Soares morreu com honras, merecidas, de funeral de Estado. Era o seu Estado, o seu regime democrático-representativo. De que ele foi não o pai – isso seria uma oligarquia –, mas um dos dirigentes fundamentais. A sua importância como dirigente político foi marcada não pelo que fez como resistente antifascista, preso 12 vezes, ou pela liberalização das leis laborais dos anos 80 ou pela resistência à troika neoliberal pós 2008. Nenhum destes acontecimentos exigia homens excepcionais, recordo.

Continuar a ler

O Bochechas, a descolonização e nós | José Ribeiro e Castro in Jornal “Público”

ribeiro1. O falecimento de Mário Soares era notícia esperada. Sabia-se da fragilidade da sua saúde, desde que, há um ano, desaparecera da televisão — Mário Soares foi figura pública, activa e opiniosa, até ao último dia que lhe apeteceu. Após o recente internamento, esperava-se a qualquer momento. Foi sem surpresa que soubemos e até com algum alívio: o alívio que reservamos aos que estimamos — por se abreviar o sofrimento próprio, dos familiares e amigos mais próximos.

Na voz popular, “morreu o Bochechas”. Peço licença, com a mesma irreverência com que ele sempre lidou com os poderes e os mitos, para usar o cognome por que a generalidade dos portugueses o conheceu. Expressão de bom humor, era sinal de carinho e não de sarcasmo. Também se riu disso. Esse cognome e o sorriso cúmplice abraçam o essencial da razão por que o rodeia na hora da morte uma quase unanimidade. É um eco, novo e refrescado, da quase unanimidade que marcou a reeleição presidencial em 1991. Explica que ele tenha inaugurado, como mais ninguém poderia ter feito, aquela expressão e ideia que, desde então, nunca mais se apagou: “o Presidente de todos os Portugueses”. E é o eco popular da excepcionalidade de estatuto que, progressivamente, lhe foi sendo reconhecida.

Continuar a ler

FLOR DA LIBERDADE | Miguel Torga

mario-soares-d-rSombra dos mortos, maldição dos vivos.
Também nós… Também nós… E o sol recua.
Apenas o teu rosto continua
A sorrir como dantes,
Liberdade!
Liberdade do homem sobre a terra,
Ou debaixo da terra.
Liberdade!
O não inconformado que se diz
A Deus, à tirania, à eternidade.

Miguel Torga

Selecção de Maria Isabel Fidalgo

Finland flirts with basic income | Arlindo L. Oliveira in blog “Digital Minds”

arlindo oliveiraIn an experimental trial started January 1st, 2017, Finland started to attribute a basic social income to 2000 unemployed persons. Unlike a standard unemployment income, this subsidy will still be paid even if the recipients find work.finland

Under this scheme, unemployed Finns, with ages in the 25 to 58 range will receive a guaranteed sum of €560, every month, independently of whether they have or find any other income. This value will replace other existing social benefits. A number of articles, including this one, in the Guardian, provide additional information about the scheme.

The move comes on the wake of a promise made by the centre-right government coalition elected in 2015, to run a basic income pilot project. The objective is to address concerns related with the disappearance of jobs caused by technological changes.

Other countries, cities and regions are running tentative experiments in basic income, including the Netherlands, Canada and the city of Livorno, in Italy. However, many concerns remain about whether this mechanism is the right mechanism to address the challenges brought in by the advances of technology.

Photo by Mikko Paananen, available at WikiMedia Commons.

https://digitalminds2016.wordpress.com/2017/01/07/finland-flirts-with-basic-income/

Poème | Louis Aragon

aragon

 

 

 

 

Connaissez-vous l’île
Au cœur de la ville
Où tout est tranquille
Eternellement


L’ombre souveraine
En silence y traîne
Comme une sirène
Avec son amant


La Seine profonde
Dans ses bras de blonde
Au milieu du monde
L’enserre en rêvant


Enfants fous et tendres
Ou flâneurs de cendres
Venez-y entendre
Comment meurt le vent


La nuit s’y allonge
Tout doucement ronge
Ses ongles ses songes
Tandis que chantant


Un air dans le soir
Est venu s’asseoir
Au fond des mémoires
Pour passer le temps

Louis Aragon

Programme de « la nuit des idées » à Alger

argelUn format de rencontres innovant débarque à Alger en janvier et promet une nuit blanche remplie d’activités culturelles.

« La Nuit des Idées« , c’est le nom de ces rencontres culturelles qui « circulent à travers le monde » et qui feront une halte à Alger du 25 au 27 janvier prochain, à l’initiative de l’Institut français de la ville.

Ouverte à tous les curieux, la Nuit des Idées débutera le 26 janvier à 17h pour se clôre le 27 janvier à 2h du matin, avec à chaque fois et dans chaque lieu, une activité culturelle différente placée sous le thème « un monde commun ».

La cinémathèque algérienne, l’Institut en lui-même, le Centre Diocésain des Glycines sont autant de lieux qui accueilleront la manifestation, et les expositions, conférences et autres projections de prévues pour l’occasion.

Programme de la Nuit des Idées d’Alger

Continuar a ler

O Tempo Histórico d’ O Ano da Morte de Ricardo Reis | Professor Carlos Reis

ricardo-reisPodemos dizer que o tempo histórico d’O Ano da Morte de Ricardo Reis corresponde ao período de entre duas guerras mundiais, a de 1914-18 e a de 1939-45. Nesse tempo histórico o Estado Novo salazarista impõe-se como regime político com evidentes semelhanças com o fascismo italiano e mesmo com o nazismo alemão; ao mesmo tempo, a política do salazarismo apoia, ainda que de maneira discreta, os revoltosos que iniciaram a guerra civil espanhola.
Fala-se de tudo isto n’O Ano da Morte de Ricardo Reis. Através da ficção e de uma sua personagem atenta ao que se passa no mundo, José Saramago confirma que a literatura e o romance podem antecipar aquilo que, mais tarde, é já a história de um tempo ainda próximo de nós. Sendo Ricardo Reis quem é, a sua posição é a de alguém que observa, lê e ouve, parecendo manter-se passivo perante o tempo histórico, como se este o não afetasse. Ganham, assim, sentido duas das epígrafes do romance:
• Uma dela diz: “Sábio é o que se contenta com o espetáculo do mundo”, primeiro verso de uma ode do próprio Ricardo Reis .
• A segunda epígrafe é um prolongamento desta: “Escolher modos de não agir foi sempre a atenção e o escrúpulo da minha vida”, palavras de Bernardo Soares, no Livro do Desassossego.

Continuar a ler

QUAL A MINHA IDEIA SOBRE O MOVIMENTO DOS CAPITÃES? | Aniceto Afonso | In Blog “Fio da História”

anicetoEm 2010, fui convidado a participar numa Jornada de Estudos no ISCTE, sobre o tema “Militares e Sociedade, Marinha e Política”.

Apresentei uma comunicação sobre o Movimento dos Capitães e a forma como eu próprio via o aparecimento e o desempenho desse movimento.

O texto veio depois a ser publicado, pelo que destaco aqui apenas a sua primeira parte, como enquadramento da questão.

A primeira vez que me propus estudar este movimento como fenómeno social, fi-lo com o meu amigo, coronel e sociólogo, Manuel Braz da Costa, sendo o texto publicado na Revista Crítica de Ciências Sociais (CES, Coimbra), nº 15/16/17 de Maio de 1985, acessível on-line. 

Reformulado, este estudo foi depois publicado por Luísa Tiago de Oliveira em “Militares e Política – o 25 de Abril”, 2014.

Aqui fica, com um título um pouco diferente…

Após o 25 de Abril, os participantes do Movimento dos Capitães sabiam bem que o movimento era obra de uns tantos, e não de todos, nem sequer de muitos. A nossa lógica construiu-se em bases bem determinadas, mas nem sempre coincidentes. É certo que não ignorávamos a oposição ao regime, pois a história nos ensinava que ao longo da ditadura muitas vozes de militares se tinham levantado, sempre prontamente dominadas pela acção dos defensores do regime. Mas o que nos uniu, a um certo número de militares do Exército, foi a oposição à guerra, ou à forma de fazer aquela guerra, ou ao desprestígio das Forças Armadas (a que pertencíamos) por causa daquela guerra. Tudo começou com pequenos ou muito pequenos núcleos de oficiais que se atreveram (porque a necessidade era premente) a falar sobre a guerra e sobre o regime a propósito da guerra.

Continuar a ler

Demain, dès l’aube… | Victor Hugo

victor_hugo-exileDemain, dès l’aube, à l’heure où blanchit la campagne,
Je partirai. Vois-tu, je sais que tu m’attends.
J’irai par la forêt, j’irai par la montagne.
Je ne puis demeurer loin de toi plus longtemps.

Je marcherai les yeux fixés sur mes pensées,
Sans rien voir au dehors, sans entendre aucun bruit,
Seul, inconnu, le dos courbé, les mains croisées,
Triste, et le jour pour moi sera comme la nuit.

Je ne regarderai ni l’or du soir qui tombe,
Ni les voiles au loin descendant vers Harfleur,
Et quand j’arriverai, je mettrai sur ta tombe
Un bouquet de houx vert et de bruyère en fleur.

Selecção de Maria Isabel Fidalgo

J.L. Pio Abreu: “Elas não encontram homens que lhes despertem a líbido” | In Revista “Sábado”

quedaNeste livro (A Queda dos Machos), em forma de 20 cartas dirigidas às amigas, o psiquiatra de Coimbra diz que dá voz aos homens, enquanto escreve às mulheres, defendendo-os. No entanto, afirma que não promove o machismo – que, aliás, passou a ser uma “palavra proibida” – mas acha que vivemos tempos de um feminismo exacerbado, em que a tendência de acabar com os géneros é absurda. Em A Queda dos Machos, editado pela Dom Quixote, José Luís Pio Abreu convida a reflectir sobre a actual relação dos homens e das mulheres.

Porque é que decidiu escrever este livro assim, em cartas às suas amigas?
Foi talvez a forma mais directa de escrever e também para amenizar um pouco as constatações que faço. Amenizar no sentido de não dizer mal do feminismo. Este é o modo como eu me dirijo às mulheres e tem a ver com o facto de muitas vezes ter de lhes dizer “cuidado com os homens” porque elas não os entendem, não os conhecem e não os tratam bem.

As mulheres não tratam bem os homens?
Em geral, não. Há uma grande diferença de entendimento – é muito difícil para uma mulher compreender um homem, tal como para um homem compreender uma mulher. É um facto antigo. As relações humanas são muito paradoxais, não são simples e muito menos naturais. E posso dizer que quem está em maiores dificuldades são as gerações mais novas.

Continuar a ler