Wil Prado: estréia tardia, mas auspiciosa | Adelto Gonçalves

                                                           I

Escrito em tom coloquial e próximo ao de um diário íntimo, o romance Sob as Sombras da Agonia (Lisboa, Chiado Editora, 2016) marca a estréia no gênero (tardia, mas auspiciosa) do jornalista, contista, cronista e crítico literário Wil Prado (1952). Saudado com entusiasmo por romancistas experientes e consagrados, como Raduan Nassar (Prêmio Camões de 2016) e João Almino, o livro demorou anos para sair à luz e traz flagrantes influências dos anos 70, época em que o boom da ficção latino-americana conquistou corações e mentes da geração de futuros escritores nascida nos anos 50.

Essa constatação é avalizada pelo jornalista e poeta Salomão Sousa na apresentação que escreveu para este livro de seu antigo colega de redação no Correio do Planalto na Brasília daqueles anos, na qual observa que Sob as Sombras da Agonia não se trata de um romance de formação, “mas de crítica social, descendente de Graciliano Ramos e de Dostoiévski e de outros mestres que lidam com o questionamento da realidade”.

O livro sai a uma época propícia porque denuncia o quanto a alta burguesia é capaz de fazer para manter o seu status, manipulando a vida e o futuro dos “humilhados e ofendidos”, na expressão dostoievskiana, desde a utilização das pessoas humildes como mercadorias até o assalto aos cofres públicos para utilizar para fins inconfessáveis recursos provenientes dos impostos pagos pela população e que deveriam ser aplicados na construção de hospitais, escolas, rodovias e outras obras de infraestrutura (sem superfaturamento).

Em outras palavras: o romance de Wil Prado, ao retratar o cotidiano de uma casa de cômodos alugados a trabalhadores e outsiders de ambos os sexos, resgata um (sub)mundo que só cresce no Brasil de hoje, em que as ideias revolucionárias, depois de manipuladas por pelegos e aproveitadores das aspirações populares, acabaram desacreditadas a ponto de os novos profetas do apocalipse já anunciarem o fim da luta de classes. Ao que parece, a luta final será entre aqueles (poucos) que têm boa formação moral e aqueles (muitos) que não têm.

II

Arlindo, funcionário modesto de um cartório de uma cidade nordestina, solteiro, dado a anseios literários que o levam a colaborar eventualmente com o jornal local (provavelmente, sem receber nada, a troco apenas da glória efêmera proporcionada pela letra impressa), sonha escrever um grande romance e vai anotando numa espécie de diário o que ouve e vê nas proximidades da pensão em que vive.

Com isso, o leitor começa a conhecer algumas personagens, como o mascate Targino, que, em meio à venda de uma e outra bugiganga, faz a chamada doutrinação ideológica, distribuindo panfletos incendiários, Filomena, a Nega Filó, cozinheira da pensão, Justina, a mulata despudorada que atrai os homens ao passar com suas partes exuberantes, a prostituta bondosa Maria das Dores, a mulata Rosalinda e suas “carnes frescas” e a missionária Madalena, que traz para a ficção brasileira um tipo de protagonista pouco comum até hoje, como observou com perspicácia Salomão Sousa no prefácio.

Ou seja, com Madalena, Wil Prado põe a andar na ficção nacional um tipo que a cada dia mais se vê na sociedade brasileira, a da mulher evangélica, de boa fé, que pratica a glossolalia, ou seja, exercita o dom de falar línguas estranhas em meio ao fervor religioso, em substituição às antigas benzedeiras e mães (e pais) de santo que povoaram a literatura de Jorge Amado (1912-2001), especialmente. E Wil Prado o faz sem destilar pregação religiosa nem avançar qualquer juízo moral.

A heroína do livro, porém, não é esta missionária religiosa, mas Lavínia, moça pobre, que alimenta o sonho de virar estrela de telenovela ou de teatro, pouco culta, mas que, de repente, passa a alimentar ideias extravagantes, como a de emancipação feminina, igualdade de direitos e “toda essa cantilena que arrumara não sei com quem”, como observa Arlindo, espécie de alter ego do autor.

Já o bandido da trama é Marconi Gadelha, filho do dono do cartório que emprega Arlindo, um tipo bon vivant, que passava temporadas no Rio de Janeiro, mas que sempre voltava bem bronzeado para usufruir o ócio na pequena cidade e gastava seu tempo iludindo as moças pobres com falsas promessas em troca de favores sexuais, que, invariavelmente, acabavam em abortos financiados pela própria “figura asquerosa”, na definição de Arlindo.

Mas não pára por aqui a variada fauna de personagens populares de Wil Prado. Para conhecê-la, porém, e descobrir um Brasil profundo que ainda está presente nesta sociedade da segunda década do século XXI só mesmo a leitura atenta deste romance, que, com certeza, será prazerosa.

III

De Sob as Sombras da Agonia, o escritor Raduan Nassar diz que o romance o tocou, sobretudo, “pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho”, acrescentando que a obra arrola no geral gente do povo, “ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusive o perfil do próprio narrador, tolerante e compreensivo, mesmo se crítico não só do que está aí, mas consigo mesmo em suas idas e vindas”. Nassar reconhece a “força do romance, marcado dramaticamente por virulentos apelos e frustrações da carne”.

Já o diplomata João Almino, eleito recentemente para a Academia Brasileira de Letras, romancista com obras que retratam a dura vida dos excluídos que vivem em Brasília, observa que o romance de Wil Prado agarra o leitor desde as primeiras linhas e segue até o final “num crescendo com o voyeurismo do personagem narrador”. E destaca “um bem concebido resumo de suas memórias de Justina, Lavínia e tantos outros personagens ou situações nas últimas duas páginas”. Nascido no Rio Grande do Norte, Almino reconhece no romance a vivência no Nordeste do autor e a influência das leituras que fez em sua vida.

IV

Wil Prado, nascido em Teresina (Piauí), terceiro filho de uma família de seis membros, passou os seus primeiros anos numa casa simples, mas ampla, com terraço e quintal. Moleque que vivia na rua, acostumou-se a andar em meio à roda de violeiros e cantadores de feira, à beira do rio Parnaíba e próximo ao Mercado Velho, cenários que ficaram em sua memória e que marcam boa parte das narrativas curtas que escreveu.

Aos dez anos de idade, acompanhou a família em sua mudança para o Rio de Janeiro, mais especificamente para a praia de Copacabana, mas, um ano depois, seus pais, funcionários públicos, seriam transferidos para Brasília, então uma cidade ainda em formação. Na nova capital do País, estudou em colégios públicos, mas, segundo diz, nunca passou de aluno medíocre, “avesso a regras e métodos”.

Aos 21 anos, conseguiu o seu primeiro emprego, no departamento de artes do jornal Diário de Brasília. Como resultado do convívio com a redação, logo viraria repórter, sem fazer o curso de Jornalismo. Começou, sim, o curso de Letras, em 1976, na Universidade de Brasília (UnB), mas não o concluiu. Da universidade, lembra-se da oportunidade que teve de ler em sua biblioteca os clássicos brasileiros, de Graciliano Ramos (1892-1953) a José Lins do Rego (1901-1957), de Érico Veríssimo (1905-1975) a Jorge Amado. Segundo o escritor, a literatura praticada por esses autores, solidária com os desvalidos da terra, influenciaria definitivamente a sua opção pelos excluídos.

No jornal Correio do Planalto, como repórter policial, conheceria os dramas da periferia de Brasília, desde aquele tempo violenta e carente, em contraposição aos bem situados no poder, que costumam viver à custa das tetas públicas. Na editoria de Polícia, iria conviver com o poeta e jornalista Salomão Sousa, que assina a apresentação deste livro, com quem dividia sonhos literários. Quando o Correio do Planalto fechou as portas, virou  free lancer, colaborador de revistas como a extinta Visão.

Em 1979, tornou-se funcionário público, passando a trabalhar no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mas continuaria a publicar contos e resenhas de livros em jornais e revistas de todo o País. Fascinado pela palavra, reconhece influências de Miguel de Cervantes (1547-1616), Gustave Flaubert (1821-1880), Émile Zola (1840-1902), Fiódor Dostoivéski (1821-1881), Eça de Queiroz (1845-1900), Louis-Ferdinand Céline (1894-1961), John Steinbeck (1902-1968) e Ernest Hemingway (1899-1961).

________________________

Sob as Sombras da Agonia, de Wil Prado. Lisboa: Chiado Editora, 250 págs., R$ 30,00,  2016. E-mail: geral@chiadoeditora.com Site: http://www.chiadoeditora.com

_______________________________

(*) Adelto Gonçalves, jornalista, mestre em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana e doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP), é autor de Os Vira-latas da Madrugada (Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 1981; Taubaté, Letra Selvagem, 2015), Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002), Bocage – o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003), Tomás Antônio Gonzaga (Academia Brasileira de Letras/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2012), e Direito e Justiça em Terras d´El-Rei na São Paulo Colonial (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2015), entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s