Carlos Matos Gomes | A Catalunha: a técnica do golpe de estado e as arengas antes da batalha

As peripécias a propósito das chamas do incêndio de fervor nacionalista que percorre a Catalunha (mais Barcelona e menos Catalunha), é um espectáculo de fogo de artifício.

Acender a fogueira nacionalista e atirar-lhe petróleo como estão a fazer os líderes da rebelião de Barcelona constituem técnicas clássicas de golpe de estado, técnicas de conquista do poder por parte de um grupo organizado para o tomar. Curzio Malaparte demostrou que o assalto ao poder, que é do que se trata em Barcelona, não tem que ser necessariamente violento, muitas vezes basta um grupo de tipos determinados e sem escrúpulos apoderar-se de certas instituições para as confrontar com o aparelho do Estado, uns demagogos excitarem as massas com os temas que sempre as mobilizam: a liberdade em primeiro lugar. Palavra estandarte de todos os chefes populistas, condimentada com uns excitantes também eficazes de história: Patriotismo e Traição qb! Demagogia e populismo com todas as letras, a que podem juntar-se doses maiores ou menores de provocação e agitação.

O nacionalismo catalão e a atual urticária independentista é muito fácil de explicar: Após o fim da ditadura franquista e do desmantelamento do seu aparelho repressivo, um grupo de senhoritos locais, depois de bem seguro e certo da ausência de perigos materiais e físicos (são de pouca coragem e muito desplante), aproveitou a cómoda situação para se chegar ao poder içando a bandeira do nacionalismo catalão, o que incluiu até a tomada do poder no Barcelona clube de futebol, as manobras que levaram os jogos olímpicos a Barcelona, a imposição de um esquecido dialeto local como língua nacional, entre outras.

Para esse grupo, nacionalismo catalão e independência da Catalunha significa apenas o assalto ao poder e através dele a conquista da maior parcela possível da riqueza da região. Esse grupo entende que, sem perigo nem incómodos, pode acumular riqueza de forma parasitária e na completa impunidade que as imunidades políticas conferem.

É evidente que nenhum grupo de predadores económicos apresenta em público e às claras as suas intenções. Há que conquistar e arrastar as massas. Os argumentos do grupo que quer tomar o poder em Barcelona é um manual clássico de demagogia.

O manual clássico da demagogia é grego, como quase tudo o que é essencial na nossa civilização. Constitui a colecção “Arengas antes da batalha”, que o filósofo grego Onansander, autor de “Estratégia”, reuniu e que inclui discursos Tucídides, de Péricles, de Demóstenes, de Brásidas. O historiador inglês Anthony Burgess estudou-os e concluiu que essas arengas seguem um esquema padrão que inclui uma recordação dos antepassados (recurso à História como justificador da ação presente, com um apelo a que os contemporâneos não desonrem a sua memória); uma comparação de forças em presença e uma chamada vibrante ao patriotismo; a promessa da grande recompensa que espera os vencedores; a garantia de que os presságios são favoráveis; que a morte é gloriosa para os vencedores; que a derrota é uma desgraça; a afirmação de que já venceram estes inimigos antes; que a guerra é justa porque o inimigo é iníquo; que os nossos chefes e os nossos deuses são superiores aos do inimigo.

Esta é a arenga típica de qualquer demagogo, onde se incluem os grandes dirigentes que ao longo da história da humanidade mandaram os seus jovens morrer nas guerras para sua glória e riqueza. Dos dirigentes nacionalistas de Barcelona aos treinadores de futebol de qualquer campeonato todos fazem os mesmos apelos. Este discurso é ainda o que está na base dos grandes sermões de excitação da fé contra a razão, de que o pregador cristão Paulo de Tarso (São Paulo) é um dos melhores exemplos de demagogia e fanatismo. Na carta aos Coríntios fala da ida à guerra com a certeza da vitória, em ir à guerra ao serviço do senhor, na graça de não só acreditar na vitória, mas de sofrer por ela.

A prova de que a demagogia é eficaz pode ser encontrada na quantidade de crentes nas virtudes da independência da Catalunha, na dos que peregrinam a Fátima, dos que andam pelas ruas com camisolas numeradas nas costas, acompanhadas do nome de um tipo que não conhecem, mas que recebe direitos de imagem por alguém andar com o seu nome estampado no lombo!

As arengas antes da batalha, as cartas de São Paulo, os discursos dos senhoritos da generalitat pertencem ao mundo da demagogia e da manipulação das massas para as colocar ao serviço de um pequeno grupo, de um gangue, ou de um governo. Já deram origem a grandes desgraças…não são nem inocentes, nem desprovidas de riscos.

Num texto escrito noutro local comparei as atitudes dos dirigentes nacionalistas de Barcelona a birras de crianças, que batem o pé e gritam quero, sem cuidarem de prever os efeitos das suas acções, a não ser nas suas contas bancárias.

Alguns apoiantes nacionais do grupo que se prepara para, sem queimar os dedos, tirar as boas castanhas do lume catalão ficaram ofendidos por os ter comparado a infantes sem tino. Entupiram-me o texto com lições de história da Catalunha e descrições de direitos inalienáveis dos povos à autodeterminação; assuntos que nunca pensei confundir com uma golpada. Sim, na Catalunha trata-se apenas de uma golpada de um grupo que quer tomar o poder e locupletar-se com um tesouro. Trata-se da história de um assalto. De mais um.

Carlos Matos Gomes

GomesRetirado do Facebook | Mural de Carlos Matos Gomes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s