Humanismo | Paulo Roberto Falcão – Mário Quintana

Mário Quintana (1906-1994) foi um enormíssimo poeta brasileiro. Entre muitos e muitos outros toca-me o seu poema “Das Utopias”, onde escreveu: “Se as coisas são inatingíveis… ora! Não é motivo para não querê-las…Que tristes os caminhos, se não fora a mágica presença das estrelas!

”Paulo Roberto Falcão (nascido em 1953) foi, por sua vez, uma estrela do futebol brasileiro, depois treinador, comentarista desportivo e jornalista. Foi considerado um dos maiores futebolistas brasileiros de sempre.

Um dia, em 1983, o Hotel Majestic, em Porto Alegre, onde Quintana, já velhinho, residia há muito tempo, colocou-o no olho da rua. A miséria tinha batido à porta do poeta e jornalista e ele não tinha como pagar a sua conta. O porteiro do hotel, porque aos pobres até os outros pobres rebaixam com maldade, atira-lhe um casaco que tinha ficado no quarto, dizendo:- Toma, velho!

O poeta, sem ter para onde ir, sentou-se, pensando na vida, sobre a mala que lhe tinham colocado no passeio A sarjeta aguardava-o.

Paulo Roberto Falcão, o agora técnico de futebol e antiga estrela da seleção do Brasil ouviu na rádio, em direto, algo sobre o acontecido. Pouco depois estacionava o seu carro em frente ao hotel e observava de longe aquela cena absurda, triste. Até que saiu do carro e caminhou até ao poeta, perguntando-lhe:

– Sr. Quintana, o que está acontecendo? Mário Quintana ergue os olhos e enxuga uma lágrima, daquelas que insistem em molhar os olhos dos poetas. Naquela hora quem lhe dera ter ouvido os conselhos da sua mãe, quando era jovem, e ter estudado para engenheiro, médico, farmacêutico… e não ter vivido para a poesia. Ninguém vive da poesia. Quintana explica a Falcão que o dinheiro acabou, que está velho e se encontra desempregado, sem família, sem amigos… sozinho. Que lhe restam apenas a sua dor e aquela mala no meio de uma rua de Porto Alegre, que agora é mais um empecilho que um apoio…

Falcão pega na mala e coloca-a no porta-malas do seu carro, em silêncio. E em silêncio, abre a porta do automóvel a Mário Quintana, convidando-o a entrar.

No silencio da tristeza, duas almas de poeta (poeta não é só aquele que escreve poesia…) atravessam a tarde fria de Porto Alegre.

O carro ruma ao Hotel Royal. Falcão para, descarrega as malas e chama o gerente:- O Sr. Quintana agora é nosso hóspede!

– Por quanto tempo, Sr. Falcão? – quis saber o gerente. O homem do futebol observa o olhar tímido e surpreso do poeta e enquanto o abraça comovido, responde:

– Para sempre…O hotel pertencia ao Falcão. Mário Quintana faleceu em 5 de maio de 1994.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.