Viva a República!

A Revolução de 1820 (24 de agosto), o 31 de Janeiro, o 5 de OUTUBRO e o 25 de Abril são os marcos históricos da liberdade, em Portugal. Foram os momentos que nos redimiram da monarquia absoluta e da dinastia de Bragança; são as datas que honram e dão alento para encarar o futuro e acreditar na determinação e patriotismo portugueses.

Passos Coelho, Portas e Cavaco Silva eliminaram o feriado da data que mudou Portugal, pedra basilar da democracia, ofenderam a cidadania, ultrajaram os heróis da Rotunda e traíram a história, vilania que nem a ditadura ousou.

Comemorar a República é prestar homenagem aos cidadãos que não quiseram continuar vassalos. O 5 de Outubro de 1910 não se limitou a mudar de regime, foi portador de um ideário libertador que as forças conservadoras obstinadamente combateram.

Com a monarquia caíram os privilégios da nobreza, o imenso poderio da Igreja católica e os títulos nobiliárquicos. Ao poder hereditário e vitalício sucedeu o escrutínio do voto; aos registos paroquiais do batismo, o Registo Civil obrigatório; ao direito divino, a vontade popular; à indissolubilidade do matrimónio, o direito ao divórcio; à conivência entre o trono e o altar, a separação da Igreja e do Estado.

Há 110 anos, ao meio-dia, na Câmara Municipal de Lisboa, foi proclamada a República, aclamada pelo povo e vivida com júbilo por milhares de cidadãos. É essa data gloriosa que hoje se evoca, prestando homenagem aos seus heróis.

Cândido dos Reis, Machado dos Santos, Magalhães Lima, António José de Almeida, Teófilo Braga, Basílio Teles, Eusébio Leão, Cupertino Ribeiro, José Relvas, Afonso Costa, e João Chagas, além de Miguel Bombarda, foram os mais destacados desses heróis que prepararam e fizeram a Revolução.

Afonso Costa, uma figura maior da nossa história, honrado e ilustríssimo republicano, mereceu o ódio de estimação das forças mais reacionárias e o vilipêndio da ditadura salazarista. Para ele vai a homenagem de quem respeita os que serviram honradamente a República.

Há quem vire costas à República que lhe permitiu o poder, quem despreze os heróis a quem deve as honrarias e esqueça a dívida. Há quem se remeta ao silêncio para calar um Viva à República e se esconda, com vergonha da ingratidão.

Não esperaram honras nem favores os heróis do 5 de Outubro. Não se governaram os republicanos. Foram exemplo da ética por que lutaram. Morreram pobres e dignos.

Glória aos heróis do 5 de Outubro.

Viva a República!

Carlos Esperança

(Texto antigo, adaptado)