GUERRA DA UCRÂNIA | GENERAL FRANCÊS NA RESERVA CRITICA  UE e FRANÇA | Via Alfredo Barroso

O general JEAN-YVES LAUZIER, antigo comandante das escolas do Exército francês e autor do livro “L’Europe contre l’Europe” (“A Europa contra a Europa”) publicado em 2021, comenta a situação a que chegaram a União Europeia e a França presidida por Emmanuel Macron:

«Não se poderá criticar os Americanos por defenderem, promoverem e agirem a favor dos interesses dos Estados-Unidos da América EUA). Em contrapartida, pode-se e deve-se pedir contas aos responsáveis europeus que não defendem os interesses europeus, e mais ainda aos responsáveis nacionais que nem sequer representam os interesses dos que os elegeram. Como dizia Lord Palmerston, «a Inglaterra não tem amigos: o que ela tem são interesses permanentes», e isto é verdade para todos os Estados.

Está à vista que os interesses franceses não serão defendidos pela União Europeia (UE). Mas seria preciso que ao menos fossem defendidos pelos seus dirigentes políticos eleitos.

Ora, o Presidente Emmanuel Macron, adepto do supranacionalismo, está estruturalmente desprovido de recursos face à adversidade das relações internacionais. Mas na guerra, e a diplomacia é uma forma de guerra, podemos ser surpreendidos, mas nunca estar desprevenidos. É o que distingue o estratego visionário do gestor impotente. Este último prefere, então, refugiar-se no simbólico para dar a si próprio a ilusão de estar a agir, confundindo a agitação com a acção.

«Mas, no que respeita à guerra na Ucrânia, a União Europeia manifesta nesta situação todos os defeitos que bem sublinhou, no seu tempo, o general De Gaulle. A começar pelo “entrismo” de Ursula von der Leyen, que tem vindo a projectar-se como uma espécie de presidente supranacional. Quando o primeiro dos presidentes da Comissão Europeia, Walter Hallstein, manifestou veleidades semelhantes – mas claramente menos intensas – o Presidente De Gaulle recusou-se imediatamente a tomar assento entre os ‘Seis’, obtendo “in fine” a demissão de Hallstein. Nada do que sucede com o Presidente Macron, que deixa que lhe tomem a mão, quer no que respeita ao apoio militar à Ucrânia quer no que respeita à admissão desta no seio da União Europeia.

«Os Russos vão sem dúvida ganhar esta guerra na Ucrânia. E a França, que teve uma relativa ambição inicial de desempenhar um papel de mediador antes de se ter posto na forma, acabou por se encontrar diplomaticamente diminuída. Quando constatamos que o Presidente Zelenski se permite dar lições ao Presidente francês, criticando-o pela sua falta de empenhamento a favor da Ucrânia!… O tropismo supranacional europeu e pró-americano da Presidência de Macron consegue o ‘tour de force’ de desconsiderar a França tanto em relação aos Russos como aos Ucranianos, já sem falar dos Alemães, ao mesmo tempo que enfraquece a economia francesa por causa das sanções relativas ao bloqueio comercial, que prejudicam a França mais do que impedem os Russos de continuar a guerra.


Ao mesmo tempo que, sempre pragmáticos, os EUA continuam a importar o urânio russo.


Para a França, uma das consequências nefastas desta guerra é o reforço da NATO, organização que a versatilidade do Presidente Macron considerava há alguns meses em «morte cerebral», e portanto reforço da tutela dos EUA sobre a Europa.

Uma luz de esperança é ver a União Europeia desagregar-se sob o efeito, quer da crise económica e financeira que está à vista, quer do ressurgimento da defesa dos interesses nacionais que vai ser reclamada aos Governos.

Seja como for, enquanto os responsáveis políticos franceses forem escolhidos entre antigos membros da French-American Foundation (como Macron e vários outros senhores), será difícil a libertação da tutela americana».

Retirado do Facebook | Mural de Carlos Fino

Silas Corrêa Leite: a poesia como libertação da alma | por Adelto Gonçalves

  I
Autor multifacetado, Silas Corrêa Leite (1952) volta às livrarias com novo livro de poemas, Lampejos (Belo Horizonte, Sangre Editorial, 2019), que reúne 25 peças em que o poeta coloca em prática a poesia como libertação da alma. E o faz como uma forma de ter em mãos um mundo mais tranquilo que o mundo de todos os dias, alheando-se dos momentos difíceis por meio da busca do sonho e do desejo.      
                Em outras palavras: a palavra poética seria a ponte por onde a alma do poeta passaria para o futuro, ou seja, para a vida eterna, como se constata no poema que tem por título exatamente “Morte” e no qual ele diz que: Quando a morte vier me buscar / estarei sentado à beira do caminho / Escrevendo meu último poema para o luar cor de prata / com minha lupa de restos de calendários vencidos… / A morte – a mais bela mulher que jamais vi – dirá, / toda vaidosa e pintada para a guerra das estrelas / – Vamos, poeta, se apresse, vamos, é hora… / Eu a olharei, entregue, e a tomarei nos braços / Então a abraçando forte e seguro como uma ilha eterna de / estúdio de luz / E finalmente  assim embarcaremos na canoa furada da noite, / e juntos / Como unha e carne / seremos um só / Como um voo de Ícaro para o céu de todas as honras…
Com imagens triviais, Silas Corrêa Leite explora temas como o mar e o tempo, a vida e a morte, a alma e o corpo, o “eu” poético e o amor em todos os níveis, inclusive o amor filial e o maternal e o paternal, com versos bem lapidados, às vezes até enveredando pelo barroco, para concluir com explosões épicas, pois, se algo sabe fazer com quase perfeição, é a maneira habilidosa com que manipula as palavras. 
Leia-se, por exemplo, este poema que leva por título “Saudade”: Mãe, às vezes, quando vou dormir ensimesmado / Na fronha de algodão cor de neve / encardida – com lágrimas de saudades de ti / Ainda parece que vejo teu rosto; / parece que no pano a tua voz como uma cantilena terreal / me diz / – Dorme, guri, dorme… / Então eu fecho os olhos chorando escondido da vida / E minha saudosa lembrança de ti / abraça minha angústia noturna no travesseiro / E acaricia com tintas de imenso amor eterno / o desalinho de minha saudade de órfão triste.

Continuar a ler