AS (IN)DEPENDÊNCIAS DA EUROPA | por Carlos Branco, Major-general e Investigador do IPRI-NOVA

26 Outubro 2022

Ao contrário do que afirmam os dirigentes europeus, a transição energética, tecnológica e industrial que a Europa pretende trilhar não vai conduzir à sua autonomia ou independência, mas sim aumentar as suas dependências, agora da China, em vez da Rússia.

Tanto Ursula Von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, como Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, têm-se pronunciado repetidas vezes sobre a autonomia estratégica e a independência energética da União Europeia.

Temos dúvidas como conseguirá a União atingir esses objetivos tão ambiciosos, perante a série de dependências que as tensas relações entre a China e os EUA, a crise da Covid-19 e a guerra na Ucrânia trouxeram à tona de água, não só em matéria de comércio, investimento e cadeias de abastecimentos, como das matérias-primas necessárias à transição energética e tecnológica, que a União pretende implementar.

Um dos aspetos que os oito meses de guerra tornaram evidente é o facto do modelo de desenvolvimento económico europeu assente em matérias-primas baratas, que lhe permitiam obter vantagens competitivas no mercado global, se encontrar esgotado.

Um relatório efetuado no âmbito da Comissão Europeia identificava 137 dependências da União. Dessas, 52% tinham origem na China, e apenas 3% na Rússia. Sem se estabelecer uma relação com a natureza do impacto de cada uma delas, a sua contabilização é um instrumento de análise insuficiente.

Preocupar-nos-emos neste texto apenas com as dependências de maior impacto na tão almejada transição energética e tecnológica. Pensamos nas novas tecnologias altamente exigentes em dados (comunicações móveis de quinta/sexta geração, inteligência artificial, quantum computing, robotização, biotecnologia, veículos sem condutor, aparelhos médicos de alta performance, a designada “internet das coisas” e as indústrias de defesa) que definirão o futuro paradigma tecnológico e industrial.

A transição tecnológica e industrial

O futuro da Europa dependerá do modo como se conseguir posicionar relativamente às indústrias do futuro. Sem poder aceder às matérias-primas baratas, como nos tempos do colonialismo, e ao gás russo barato (e outros produtos), será difícil à Europa implementar um sistema industrial que lhe permita competir com vantagem.

A Europa tem pela frente dois problemas incontornáveis: a transição tecnológica e industrial e o abastecimento das matérias-primas que as viabilizam.

Em matéria de energias renováveis, eletrónica digital e indústrias intensivas em energia, a União está fortemente dependente de matérias-primas de que não dispõe.

A mesma dificuldade coloca-se noutros setores, como na saúde, onde os ingredientes para a produção de medicamentos são provenientes de outras latitudes que não a europeia.

Quando falamos, por exemplo, de energia solar, há que ter em conta que os dez maiores fabricantes mundiais de painéis solares encontram-se quase todos na Ásia. A China domina na sua fabricação (96% em wafers; 77% nas células, Europa 0%; e 70% em módulos, Europa 2%).

Os produtos associados às tecnologias em ascensão – smartphones, tablets, TVs digitais, infraestruturas de comunicações sem fio, hardware de rede e todos os outros bens que usam computadores – necessitam de semicondutores. Neste mercado, não existem a nível mundial fabricantes europeus nos dez primeiros lugares (dados de 2017).

A União está a tentar entrar na primeira liga global de fabricação de semicondutores, tendo estabelecido o ambicioso objetivo de duplicar a sua participação no mercado global até 2030, tendo, no entanto, de efetuar ainda investimentos colossais para o conseguir.

Embora a Europa disponha de pontos fortes nalguns elos da cadeia de valor dos semicondutores, está muito atrás da Ásia, sobretudo quando se trata dos chips mais sofisticados. Excetuando o caso da Intel na Irlanda, onde existe capacidade para fabricar chips de 14 nanómetros (nm), são poucas as fábricas na Europa com capacidade para fabricar chips com menos de 22 nm. A grande diferença faz-se na tecnologia dos 2 nm, fundamental para sustentar as indústrias tecnologicamente mais exigentes, como aquelas referidas. E aí a União encontra-se consideravelmente atrás dos EUA e da Ásia.

Noutras matérias igualmente cruciais, o atraso europeu é gritante: o maior fornecedor europeu de serviços de Cloud atinge menos de 1% do mercado europeu; a esmagadora maioria das grandes empresas tecnológicas são americanas (Apple, Microsoft, Google/Alphabet, Amazon, Tesla, Intel, Meta/Facebook), não existindo empresas europeias com capacidade para rivalizar; em matéria de cibersegurança, os EUA detêm a liderança. Das 500 empresas globais de cibersegurança, as norte-americanas ocupam cerca de 74,5% do mercado, enquanto as europeias apenas 13,8%.

As matérias-primas e a energia

Para levar a transição energética e industrial por diante, a União vai precisar de certas matérias-primas e de energia que não possui. No primeiro caso releva-se a importância da China e no segundo a da Rússia.

Os países europeus não surgem no topo dos países produtores de algumas das matérias-primas essenciais. Falamos, por exemplo, do tântalo, cobre, terras raras, cobalto, lítio e grafite. Na Europa, apenas o Reino Unido, que não pertence à União, aparece na lista de maior fornecedor de dois produtos (flúor e tungstatos, 14% e 5% da produção mundial, respetivamente) de seis críticos (Iodo, óxido de lítio, dióxido de molibdénio, flúor, tungstatos e fósforo). A China domina a cadeia de valor das terras raras (extração e processamento). A contribuição mundial da União Europeia é de 1%.

O magnésio é outra matéria-prima crítica devido às suas aplicações estratégicas. Também neste caso, os países da União encontram-se fortemente dependentes de fontes exteriores ao espaço europeu. A sua extração está fortemente concentrada na China onde reside 89% da produção mundial. Em 2018, 93% das 184 mil toneladas consumidas na União tiveram origem na China. A lista de dependências não se esgota aqui.

É nos hidrocarbonetos, em particular no gás natural, que o impacto da guerra na Ucrânia é mais imediato e onde as dependências europeias são mais evidentes. O efeito da guerra fez-se sentir nos aumentos dos preços, mas é na indústria que as consequências económicas serão mais dramáticas, uma vez que afetarão a sua competitividade, agravada pela desvalorização do euro.

Se é verdade que a Rússia pode causar danos significativos à Europa, a Europa foi hábil em os ampliar. Não bastava a recusa alemã, num ato de autoflagelação, de colocar o Nord Stream 2 em funcionamento, por pressão de Washington, empenhado em vender o seu próprio gás à Europa, bastante mais caro do que o russo, vê-se agora na incómoda situação de procurar desesperadamente fontes de fornecimento alternativas.

Para contrariar a dependência do gás russo barato, em que assentava o modelo de desenvolvimento económico europeu, e particularmente o alemão, a Europa terá inevitavelmente de se sujeitar a outras dependências, naturalmente mais caras e mais voláteis.

Como se isso não bastasse, são os EUA, a Rússia e a China que dispõem de maior capacidade de refinação de petróleo, sendo os EUA e a Rússia os dois maiores exportadores de diesel, responsáveis por cerca de 22% do comércio mundial. Por outro lado, em matéria de energia nuclear, a Rússia é responsável por cerca de 46% do fornecimento de combustível nuclear a nível mundial.

O equívoco

Ao contrário do que afirmam os dirigentes europeus, a transição energética, tecnológica e industrial que a Europa pretende trilhar não vai conduzir à sua autonomia ou independência, mas sim aumentar as suas dependências, agora da China, em vez da Rússia.

Esses objetivos ficam comprometidos quando se olha apenas para um dos lados do Atlântico, onde se jogam todas as cartas. Por isso, faria sentido que Bruxelas se tivesse empenhado em desenvolver um relacionamento pragmático com Beijing e Moscovo, o que está presentemente longínquo no primeiro caso e impossível no segundo. Encontra-se assim encurralada num jogo de soma nula sem grande margem de manobra

Apesar da comparação sobre o “jardim” e a “floresta” feita por Josep Borrell ser arrogante e sobranceira, ela encerra alguma réstia de lucidez, que os seus pares parecem não ter ainda tido. Pelo andar da carruagem, as “selvas” vão mesmo tomar conta do “jardim”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.