É bonito » Medida Humanista de Alcance Extraordinário | Governo vai “aprovar legislação que protege famílias com crédito à habitação”.

A garantia foi dada pelo primeiro-ministro. Outros deixariam o neo-liberalismo actuar contra as famílias.

O primeiro-ministro afirmou esta quarta-feira que já foram investidos 5,6 mil milhões de euros em apoio às famílias e controlo dos custos da energia, estando para breve legislação para proteção face à alta dos créditos à habitação.

Estas posições sobre a atual conjuntura económica e financeira do país foram transmitidas por António Costa na abertura do debate parlamentar na generalidade da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2023.

“Já investimos 5,6 mil milhões de euros entre medidas de apoio ao rendimento das famílias e medidas de controlo do custo da energia. Por isso, atualizamos o indexante de apoio sociais, o salário mínimo nacional acima da inflação. Por isso, prosseguimos o aumento do complemento solidário para idosos para convergir com o limiar de pobreza”, declarou.

Perante os deputados, o líder do executivo referiu que o seu Governo respondeu à atual trajetória de aumento da inflação com o congelamento do preço dos transportes públicos e limitou em 2% o aumento das rendas de casa.

“Vamos aprovar legislação que protege as famílias com crédito à habitação. Sim, cuidamos de responder às necessidades do presente, do mesmo passo que mantemos, com toda a determinação, o rumo que traçámos para a legislatura”, sustentou.

Em relação à presente proposta orçamental, António Costa disse que as verbas para o Serviço Nacional de Saúde serão reforçadas em 7,8%.

“Vamos instalar os primeiros 108 dos 365 centros tecnológicos especializados que vão modernizar o ensino profissional até 2025; aumentamos o apoio sustentado às artes em 114%; o investimento da lei de programação nas forças de serviços de segurança cresce 33%; a PJ tem o maior reforço de sempre em meios humanos e capacidade pericial para dar combate à criminalidade económica e financeira, em especial à corrupção”, apontou.

Também de acordo com o primeiro-ministro, o orçamento da Defesa é “robustecido, fortalecendo as Forças Armadas e honrando os nossos compromissos internacionais, num contexto marcado pela guerra da Rússia contra a Ucrânia”.

Depois, referiu-se ao acordo de médio prazo, assinado em sede de concertação social pelo seu executivo com os parceiros sociais, salientando que assume como meta para 2026 acelerar para 2% o crescimento da produtividade.

“Esta é uma condição necessária para garantirmos melhores empregos, com melhores salários. Para produzirmos mais e com mais valor acrescentado, estabelecemos como prioridades o investimento nas qualificações e na inovação”, sustentou.

“O financiamento às empresas aumenta 90% do Portugal 2020 para o conjunto das verbas que lhes são destinadas no PRR (Plano de Recuperação e Resiliência e no Portugal 2030, para apoiar a sua modernização e internacionalização, para as apoiar na dupla transição energética e digital. E no acordo firmado com os parceiros sociais reforçámos as medidas de redução seletiva do IRC, que no seu conjunto representam uma descida de impostos sobre as empresas superior à descida transversal de 2 pontos percentuais na taxa de IRC”, assinalou.

Na presente proposta de Orçamento, segundo o líder do executivo, são “melhorados os incentivos fiscais à inovação, ao investimento, à localização no interior e à capitalização do nosso tecido empresarial; é reduzida a carga fiscal das pequenas e médias empresas (PME); e reforçam-se os incentivos aos ganhos de escala, alargando a taxa reduzida das PME a todas as empresas até 500 trabalhadores e assegurando que as empresas que resultem da fusão de PME mantêm a taxa reduzida de IRC”.

“Estes são os incentivos certos para as empresas melhorarem a sua produtividade”, vincou António Costa, referindo-se indiretamente às diferenças entre a via fiscal do Governo e a dos partidos à direita do PS.

“Mas é essencial acompanhar o esforço das empresas com o reforço do investimento público, para melhorar a competitividade e, assim, elevar o peso das exportações no PIB para 53% até 2030”, acrescentou.

SIC Notícias, Lusa 26-10-2022

O inverno vem aí | E vai ser duro | in Expresso Curto de 26/10/2022 | por Raquel Moleiro

Tão felizes que eles estão!

Wall Street Journal
Joe Biden, Nancy Pelosi

E que tal um apelo para acabar com a guerra? O Expresso deveria dirigir-se ao Mentor Principal desta tragédia, o Sr. Joe Biden e seu CMI, que continuam a pensar que os USA são os donos do Mundo. E não são. [vcs]


Quão duro deve ser dizer a um povo, ao seu povo, para não regressar a casa? Quão difícil deve ser para um povo ouvir que um país, o seu país, não tem condições para lhe assegurar a sobrevivência? Iryna Vereshchuk, vice-primeira-ministra ucraniana e chefe de reintegração dos territórios ocupados deixou ontem um pedido aos conterrâneos para se manterem nos países de acolhimento devido à situação energética. “Peço que não voltem, por enquanto. Precisamos de sobreviver ao Inverno. Infelizmente as redes não vão aguentar. Conseguem ver o que a Rússia está a fazer?

A Rússia está a fazer do frio um aliado na guerra. Mísseis russos e drones iranianos destruíram nas últimas semanas um terço do setor energético do país. E por ali energia não significa apenas ter gás ou eletricidade para iluminar as casas ou cozinhar, significa aquecimento. O frio de dois dígitos negativos prepara-se para matar quem não morre nos bombardeamentos (siga aqui todos os desenvolvimentos da guerra).

Só “um plano Marshall” poderá reerguer o país, defende o chanceler Olaf Scholz. Mas isso é a longo prazo, para quando o conflito acabar. Para já, para os ucranianos que se mantêm no país ou que regressaram a casa, confiantes nas vitórias recentes das forças de Zelensky, pediu-se ontem em Berlim, durante a conferência para a reconstrução da Ucrânia, um apoio urgente, financeiro e material, dos estados-membros e empresas europeias ao setor energético. “O que está em jogo é a proteção e o bem-estar de dezenas de milhares de lares, pessoas vulneráveis, crianças e idosos antes deste inverno”, urgiu o comissário da UE para a energia. É verão e as noites já se vivem perto dos zero graus.

Mas nos países de acolhimento – há 5 milhões de refugiados da Ucrânia na UE, 54 mil em Portugal – também é de energia que se fala por estes dias. Não há guerra, há a crise que a guerra provocou. Os ministros europeus que detêm a pasta reuniram-se ontem para debater as melhores formas de enfrentar os preços elevados. Em cima da mesa está o alargamento a toda a UE do mecanismo temporário ibérico que coloca limites ao preço médio do gás na produção da eletricidade.

E como se não bastasse o conflito ucraniano, e as críticas da oposição ao corredor de energia verde entre Portugal, Espanha e França, o ministro do ambiente, Duarte Cordeiro, tem agora também de lidar com as cheias da Nigéria que ameaçam afetar irremediavelmente o fornecimento de gás ao país. A próxima remessa, esperada esta semana em Sines, não vai chegar e a Galp já veio admitir a subida dos preços no início do próximo ano para quem está no mercado regulado.

O Governo desvaloriza o impacto, mas numa realidade nacional tomada pelo aumento generalizado do custo de vida – combustíveis, alimentos, prestações, rendas, casas – qualquer areia pode pesar toneladas no orçamento familiar e afetar ainda mais o (des)controlo financeiro.

Kremlin disposto a negociar guerra na Ucrânia com Papa, o Patriarca da Igreja Ortodoxa e EUA | Enfim, com a Europa e USA aflitos, Vladimir Putin, sorrindo como bom estratega, estende a mão.

A posição de Moscovo surge após o presidente francês, Emmanuel Macron, ter apelado a uma negociação entre os seus homólogos russo, Vladimir Putin, e norte-americano, Joe Biden, o Patriarca da Igreja Ortodoxa e o Papa Francisco.

“Estamos prontos a discutir tudo [a situação na Ucrânia] com os americanos, com os franceses e com o pontífice”, disse Peskov aos jornalistas, citado pela agência de notícias russas TASS.

O responsável russo acrescentou que, se as negociações forem “na direção dos esforços para encontrar possíveis soluções, podem ser vistas de uma forma positiva”. “Repito: a Rússia está aberta a todos os contactos. Mas temos de partir da premissa de que a Ucrânia proibiu a continuação das negociações”, frisou.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objetivo, segundo Vladimir Putin, de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia.


ENTRETANTO:

O Presidente norte-americano, Joe Biden, viu a sua estratégia em relação à guerra na Ucrânia ser hoje questionada numa carta na qual 30 congressistas democratas solicitaram uma abordagem direta à Rússia para buscar um cessar-fogo.

Acarta enviada ao chefe de Estado argumenta que a “destruição” causada por esse conflito desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, deixou a Ucrânia, os Estados Unidos e o resto do mundo “interessados” em impedir que se prolongue.

“Por essa razão, instamos a que acrescente ao apoio militar e económico que os Estados Unidos têm dado à Ucrânia um impulso diplomático proativo e que redobre os esforços para alcançar um marco realista para um cessar-fogo”, enfatiza a missiva encabeçada pela congressista Pramila Jayapal.

Esta é a primeira vez que líderes do seu próprio partido instam publicamente Joe Biden a mudar a sua abordagem.

O grupo quer que o Presidente leve a cabo esforços diplomáticos “intensos” em apoio a um acordo de cessar-fogo negociado, que entre em conversações “diretas” com a Rússia e que explore as possibilidades de um novo pacto de segurança europeu aceitável para todas as partes e que permita uma Ucrânia “independente e soberana”.

Se existir uma maneira de acabar com esse conflito preservando a independência daquele país, “é responsabilidade dos Estados Unidos seguir esse caminho diplomático para apoiar uma solução que seja aceitável para os ucranianos”, dizem os signatários, entre os quais Alexandria Ocasio-Cortez.

A estrutura desejada, segundo os democratas, poderia incluir “incentivos para acabar com as hostilidades, incluindo alguma forma de alívio de sanções, e reunir a comunidade internacional para estabelecer garantias para uma Ucrânia livre e independente que sejam aceitáveis para todas as partes, em particular os ucranianos”.

“A alternativa à diplomacia é uma guerra prolongada”, alertam os congressistas, que lembram que o atual conflito já impulsionou o aumento dos preços da gasolina e dos alimentos no país.

A carta concorda com o Governo de Biden, de que não cabe a Washington pressionar o Executivo ucraniano sobre decisões soberanas.

“Mas, como legisladores responsáveis por gastar dezenas de milhares de milhões de dólares dos contribuintes em assistência militar no conflito, acreditamos que o envolvimento nesta guerra também cria uma responsabilidade para os Estados Unidos explorarem seriamente todas as vias possíveis, incluindo a reaproximação direta com a Rússia”, concluíram.

O ‘Caucus Progressista do Congresso’, presidido por Japayal, lembrou hoje que, de acordo com uma sondagem do final de setembro, 57% dos norte-americanos são a favor de iniciar negociações diplomáticas para acabar com a guerra, mesmo que isso implique que a Ucrânia faça certas concessões.


PERGUNTA INGÉNUA : mas quem é que se atreve a pensar que a Rússia perderá esta guerra e que irá ser extinta? Tanto sábio no mundo inteiro, meu Deus ! A “beberem” as mentiras e baboseiras dos Nojeiros e Milhafres !!!

UCRÂNIA | Emb. Seixas da Costa, in Observador, 15 de Junho de 2022

«A Ucrânia está ainda muito longe de poder vir a ser um membro da UE e, mais do que isso, não é ainda claro que tenha condições para o poder vir a ser um dia. É impopular dizer isto? Talvez, mas eu digo.» – Emb. Seixas da Costa, in Observador, 15 de Junho de 2022.

Há uns tempos, no início deste conflito, chamámos a atenção para a pobreza e atraso extremos da Ucrânia – o país mais pobre da Europa – e para o facto de os indicadores económicos e de desenvolvimento social do país só encontrarem termo de comparação em países africanos. O estranho, ou nem tanto, é que na Ucrânia – outrora o centro da indústria aeroespacial, das tecnologias de computação, da investigação médica de ponta, da indústria de construção naval e metalurgia da era soviética – o tempo tenha parado em 1991 e que aquele país imenso que foi até 1980 a 5ª economia europeia em termos brutos, estar hoje 40 anos atrasado em relação à Europa ocidental. Desde a independência, o país perdeu 6 milhões de habitantes para a emigração, metade dos quais procuraram refúgio na Rússia.

Para lá das três dezenas de capítulos e das 88.000 páginas de cerradas exigências para o cumprimento das condições, o país é o inferno do trabalho infantil, da indústria da pedofilia, das barrigas de aluguer, do tráfico de carne branca, da desistência escolar e das 200.000 crianças deficientes reduzidas a esconsos pútridos ali chamados orfanatos; o Estado mais negligente da Europa, o mais pobre e violento apontado até 2020 por todos os relatórios da UNICEF, da Human Rights Watch, da Organização Internacional do Trabalho e outros centos de agências internacionais e ONG’s.

Continuar a ler