PINCHA DE MINDE | António Galopim de Carvalho

agp - 200Texto que nos foi simpaticamente enviado pelo Sr. Prof. Dr. António Galopim de Carvalho. Muito obrigado Professor.

Um depósito que, pelas suas características muito particulares, tem merecido a atenção de geógrafos e geólogos é o localmente conhecido por “pincha”, em Minde, no Maciço Calcário Estremenho.
Trata-se de uma cascalheira muito bem sedimentada, contida na classe dimensional compreendida entre 64 e 8 milímetros, exclusivamente constituída por clastos (fragmentos) de calcário do Jurássico médio (175 a 154 milhões de anos), muito achatados e de aspecto subarredondado. A matriz, ou seja, o material entre os clastos é uma areia argilosa, vermelha e em muito pequena quantidade, deixando vazios grande parte dos espaços entre os ditos clastos. Esta matriz tem origem nas camadas sedimentares areno-argilosas do Cretácico inferior (136 a 96 milhões de anos) que ali existiu, cobrindo o Jurássico, e já em grande parte erodidas. O arredondamento das arestas destes clastos é, sobretudo, devido a dissolução pelas águas da chuva carregadas de dióxido de carbono que penetram no terreno, processo que também explica a terra rossa (argila de cor vermelha) integrada na matriz. Com imbricação acentuada, indicadora do sentido das correntes que os transportaram, estes clastos achatados resultaram de um processo de fracturação pelo frio (crioclastia) em regime de tipo periglaciário (periférico dos glaciares que se fizeram sentir em Portugal, nomeadamente nas serras do Gerês e da Estrela) durante o Würm (idade do Gelo, entre 115 000 e 12 000 anos). Primeiro, estes clastos atapetaram as vertentes, deslizaram depois para o fundo do polje, ou seja, a grande depressão que ainda hoje marca a paisagem local, e foram remobilizados pelas águas do lago que aí se formou no período pluvial que se seguiu em virtude da melhoria do clima pós-glaciário.
O termo “pincha” parece estar relacionado com o jogo da “pincha” (botão), talvez pelo aspecto achatado destes clastos.

pincha01 - 545

pincha02 - 545

ARGÉLIA | Francisco Seixas da Costa

argel fsc - 250Tenho um “fraco” pela Argélia, devo confessar. Pela sua cultura – de Camus a Kateb Yacine, embora não conheça muito mais -, pelo percurso complexo desse território atípico, que chegou a fazer parte das Comunidades Europeias (com efeitos até 1968, é verdade!), atravessado por uma das mais sangrentas guerras de libertação de que há memória. Mantenho presente a heroicidade dessa luta pela independência, bem como o papel desempenhado pelo país no contexto internacional que se lhe seguiu e, muito em especial, a sua contribuição para a manutenção da esperança da liberdade em Portugal, nos anos 60 e 70.

Da mesma maneira que entendo muito lamentável que os países africanos saídos do colonialismo português nunca tenham feito uma homenagem a quantos, por cá, arriscaram a liberdade e a vida para apoiar a sua luta (e estranhamente nunca ouvi ninguém falar disto), acho muito triste que a democracia portuguesa nunca tenha feito uma homenagem pública ao país que acolheu a FPLN e Humberto Delgado, nesses tempos difíceis em que a instauração da ditadura militar retirou ao Brasil o estatuto de esteio principal para o acolhimento dos lutadores anti-salazaristas. Com Paris, e mais limitadamente com Roma e algumas capitais do “socialismo real” onde se refugiava o PCP, Argel foi, por anos, a principal “capital” da luta pela nossa liberdade.

Continuar a ler