Engenharia Civil | António Silva Cardoso, Rui Faria, Abel Henriques e Bárbara Rangel | Professores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto | In “Público”

mestrado-engenharia-civilA renovação geracional dos Engenheiros Civis tem que ser garantida, pelo que pode ser preocupante a quebra a que se assistiu no número de candidatos a cursar Engenharia Civil.

O campo de atuação da Engenharia Civil é muito amplo e diversificado. Quando, caminhando pela rua de uma qualquer cidade, olhamos à nossa volta muito do que observamos tem a ver diretamente com a Engenharia Civil (os edifícios, os arruamentos, as infraestruturas de abastecimento de água e de recolha das águas residuais e pluviais, etc.) ou facilmente intuímos que tem a ver (o planeamento das cidades, a organização da circulação de veículos e o seu controlo, etc.). São também resultado da atividade dos engenheiros civis as redes de transportes terrestres (estradas e vias férreas, onde se inclui uma parte importante das pontes e dos túneis), os portos e aeroportos, as obras hidráulicas (barragens, obras de irrigação, navegabilidade de rios, regularização de cursos fluviais, proteção costeira), etc. Por outro lado, a atividade da Engenharia Civil está intimamente ligada ao ambiente e à sustentabilidade (eficiência energética, novos materiais mais duráveis e com menor pegada de carbono, gestão e valorização de resíduos, economia circular, etc.). Enfim, a complexidade dos processos de conceção e de concretização de estruturas físicas em regra exige uma visão tendencialmente global e integrada, que os engenheiros civis vão desenvolvendo no desempenho das suas atividades, o que os torna, muitas vezes, capazes de assumir cargos de gestão e de direção de elevada responsabilidade.

Continuar a ler