COMO SE SAIRIA A NATO EM CONFRONTO DIRETO COM A RÚSSIA? | por Robert Hunter /American Thinker

Em 24 de fevereiro, o presidente Vladimir Putin da Rússia ordenou a invasão da Ucrânia. As forças russas atacaram em várias frentes, apenas para encontrar resistência feroz. Em resposta, o exército russo mudou de marcha. Agora está avançando lenta e metodicamente, executando uma guerra de atrito contra o exército ucraniano. As perspectivas para a Ucrânia são sombrias. A Rússia parece certa de alcançar a vitória, embora com pesadas perdas e danos maciços à infraestrutura e à população da Ucrânia.

Enquanto isso, o Ocidente não ficou ocioso. A Rússia é agora o país mais sancionado do mundo. Tropas ucranianas estão treinando nas instalações da OTAN na Alemanha. Os Estados Unidos transmitem regularmente informações aos militares ucranianos. Há rumores persistentes de conselheiros da OTAN operando com tropas ucranianas em combate. O governo Biden também forneceu bilhões de dólares em assistência militar, culminando em um pacote de ajuda de US$ 40 bilhões.

Mesmo assim, é improvável que o apoio da OTAN impeça uma vitória russa.

Como resultado, há uma pressão crescente para uma intervenção liderada pelos americanos. Numerosos funcionários eleitos, acadêmicos e ex-oficiais militares em todo o mundo ocidental pediram a imposição de uma zona de exclusão aérea ou o envio de tropas para a Ucrânia. O início das hostilidades entre a Rússia e a OTAN é agora uma possibilidade real.

Há apenas um problema com esta proposta. Uma intervenção bem-sucedida da OTAN na Ucrânia é uma impossibilidade militar. A guerra resultaria em danos catastróficos à infraestrutura da OTAN em toda a Europa e na morte de milhares de soldados aliados. Washington rapidamente enfrentaria a tentação de usar armas nucleares para restaurar a situação a seu favor.

Embora essa leitura da situação militar possa parecer apocalíptica, ela é apoiada pelos fatos no terreno. O equilíbrio de forças na Europa Oriental favorece esmagadoramente o Kremlin, apesar de meses de combates na Ucrânia. As tropas terrestres da OTAN não estão posicionadas para intervir. Embora em teoria existam cerca de 100.000 soldados americanos na Europa, eles estão espalhados por 19 países, de Portugal à Lituânia. Uma grande fração é composta por pára-quedistas levemente armados, pessoal de apoio ou infantaria motorizada que pouco podiam fazer diante do enorme exército russo. De qualquer forma, levaria meses para reposicioná-los para a guerra. No papel, nossos aliados da OTAN possuem milhares de tropas, tanques e artilharia, mas seu profissionalismo em muitos casos é questionável. Além disso, o treio conjunto em larga escala necessário não ocorre há décadas. Oficiais da OTAN comandando enormes formações de tropas aliadas seriam forçados a improvisar seus procedimentos operacionais – uma receita para o desastre em qualquer circunstância, muito mais em um conflito entre grandes potências.

Levaria anos para construir o arsenal da OTAN até o ponto em que pudesse desafiar com sucesso a Rússia em seu próprio terreno. Mesmo assim, a vitória não seria garantida.

É duvidoso que a OTAN possa alcançar a superioridade aérea sobre a Europa Oriental. O registro de combate das antigas defesas aéreas da era soviética contra mísseis de cruzeiro ocidentais na Síria tem sido impressionante. Mais recentemente, o sistema de defesa aérea S400 foi empregado com sucesso na Ucrânia para destruir aeronaves a distâncias superiores a 100 milhas. O S550 de primeira linha da Rússia destruiu com sucesso alvos a distâncias de até 300 milhas em testes e é supostamente capaz de interceptar mísseis balísticos intercontinentais.

A Rússia, portanto, possui a capacidade de interditar o espaço aéreo em uma vasta faixa da Europa Oriental. Qualquer campanha aérea sobre a Ucrânia se transformaria em um banho de sangue para os pilotos aliados. Na falta de superioridade aérea, a OTAN seria forçada a alcançar a vitória contra o Exército russo em combate terrestre. Isso envolveria o envio de dezenas de milhares de soldados para um moedor de carne em que as probabilidades favorecem o Kremlin. É incerto o desempenho das tropas aliadas em um ambiente sem superioridade aérea, uma situação que os Estados Unidos não enfrentam desde os primeiros dias da Guerra da Coréia. De qualquer forma, em cada escalão do batalhão para cima, o Exército russo possui total superioridade tática sobre seus equivalentes aliados em ativos militares, de guerra eletrônica a sinais, mecanização e fogos, especialmente obuses e artilharia de rockets.

A superioridade de fogo da Rússia sobre a OTAN é digna de nota. A artilharia desempenha um papel definidor na doutrina militar russa. Cada Battalion Tactical Group (BTG) – unidade básica de manobra do Exército Russo, aproximadamente equivalente a uma brigada de infantaria mecanizada de tamanho reduzido no Exército dos EUA – possui uma bateria de obuses. (Cerca de 80 BTGs estão atualmente lutando na Ucrânia, em comparação com apenas três brigadas americanas permanentemente estacionadas em todo o continente europeu). . Em todos os escalões, a quantidade de artilharia disponível para os comandantes russos excede em muito a disponível para os seus homólogos da OTAN.

Nem a Rússia possui a vantagem apenas em quantidade. A qualidade da artilharia russa em treino, integração com forças terrestres e desempenho de armas também excede amplamente a da OTAN, de acordo com um relatório da RAND de 2017. A artilharia russa em todas as classes supera em muito seus equivalentes americanos, em todas as classes de obuses e artilharia de foguetes. Enquanto isso, o Exército dos Estados Unidos nunca conduziu o tipo de campanha integrada com artilharia de foguetes que o Exército russo está executando com sucesso na Ucrânia. Os ativos de artilharia de foguetes americanos na Europa consistem em algumas baterias que se enquadram em uma divisão que existe puramente no papel. O Exército dos EUA na Europa possui algumas dezenas de sistemas MLRS em comparação com vários milhares no Exército russo. Tampouco há qualquer indicação de que o Pentágono tenha realizado qualquer tipo de preparação para combater a superioridade tática russa em incêndios. Os recursos para fazê-lo simplesmente não existem, colocando as tropas aliadas em séria desvantagem se a guerra rebentar.

A OTAN está cortejando o desastre ao considerar uma intervenção militar sob essas condições, sem falar em aumentar as tensões ao despejar armas e dinheiro em uma causa condenada. Isso não quer dizer que o arsenal da OTAN seja inútil. Só os ucranianos causaram milhares de baixas. No entanto, as autoridades ocidentais devem reconhecer que o inimigo tem direito a voto. A resposta russa às hostilidades será devastadora. Podemos esperar que eles atinjam a infraestrutura da OTAN em todo o mundo – quase certamente incluindo a pátria americana – com seu arsenal de mísseis hipersônicos. A perda de vidas será imensa. Os danos aos ativos militares aliados e aos centros de tomada de decisão levariam anos para serem reparados.

Enquanto isso, mesmo que as brigadas e divisões da OTAN conseguissem chegar às linhas de frente, enfrentariam a real perspectiva de aniquilação às mãos do Exército russo. Simplesmente não sabemos como os governos ocidentais reagiriam à perda de milhares de soldados. A instabilidade política nos Estados Unidos, Alemanha, Grã-Bretanha e Itália, entre muitos outros lugares, não é um bom presságio para a eclosão da guerra. Nessas circunstâncias, a possibilidade de a Casa Branca optar por reverter quaisquer reveses iniciais usando armas nucleares não pode ser descartada.

A Rússia e a OTAN estão à beira de uma armadilha existencial. Uma vitória da OTAN em qualquer tipo de guerra com a Rússia na Europa é improvável sem o recurso a armas nucleares.

A derrota total da aliança nas mãos dos russos é altamente provável.

Os Estados Unidos devem portanto fazer todo o possível para evitar essa possibilidade, negando qualquer intenção de se envolver em hostilidades, desistindo de armar a Ucrânia e encorajando ambos os lados a negociar um acordo de paz.

https://www.americanthinker.com/articles/2022/06/how_would_nato_fare_on_the_battlefield_with_russia.html?fbclid=IwAR28oH1LgDJTfn5HVkabkcBmI0bpE9TG8J8NtFWDBwI1a5ATHnmp-Oc7RfY#.YpyXOnwwvao.facebook

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.