“SE NÃO ACABARMOS COM A GUERRA, A GUERRA ACABARÁ CONOSCO” | H. G. WELLS | Artigo de Alastair Crooke

Em mais uma inadmissível tentativa de CENSURA, o FB não deixa transcrever o link da revista Strategic Culture em que vem este artigo, mas fazendo a tradução, sem o link – como fizemos – é possível levá-lo ao conhecimento dos leitores. Aqui fica, portanto. Leia, antes que o bloqueiem:

“A Europa agora está presa “até às goelas” com amplas sanções económicas à Rússia e incapaz de enfrentar as consequências.

Emmanuel Macron irritou muita gente (assim como Kissinger fez no WEF), quando disse: ‘não devemos humilhar Vladimir Putin’, porque deve haver um acordo negociado.

Esta tem sido a política francesa desde o início desta saga. Mais importante, é a política franco-alemã e, portanto, pode acabar também por tornar-se política da UE.

A qualificação “pode” é importante – como na política da Ucrânia, a UE está mais rancorosamente dividida do que durante a Guerra do Iraque. E em um sistema (o sistema da UE) que insiste estruturalmente no consenso (por mais que ele seja fabricado), quando as feridas são profundas, a consequência é que uma questão pode travar todo o sistema (como ocorreu no período que antecedeu a guerra do Iraque). Ora a verdade é que as fraturas na Europa hoje são mais amplas e mais amargas (ou seja, acerbadas pelas forças do Estado de Direito).

Embora o rótulo “realista” tenha adquirido (nas circunstâncias atuais) a conotação de “apaziguamento”, o que Macron simplesmente está dizendo é que o Ocidente não pode e não irá manter seu atual nível de apoio à Ucrânia indefinidamente.

A política está se intrometendo em todos os estados europeus. Na Alemanha, na França e também na Itália, há um conjunto de opiniões contra a continuação do envolvimento no conflito. Simplesmente, o iminente desastre do comboio económico está se tornando muito aparente e ameaçador.

O difícil caminho de Boris Johnson no recente voto de confiança pode não ter sido explicitamente ligado à Ucrânia, mas as acusações subjacentes às políticas Net Zero de Johnson (vistas pelos eleitores conservadores como socialismo disfarçado), imigração e aumento do custo de vida, no entanto, certamente estão.

Claro que ‘uma andorinha só não faz a primavera’. Mas o dramático colapso do apoio popular a Johnson, resultante de sua beligerância económica em relação à Rússia, está levando a liderança europeia a uma reviravolta. “Estamos vendo pânico na Europa devido à Ucrânia”, observou o presidente Erdogan.

O que é notável é que, apesar de Macron abraçar a “autonomia estratégica europeia” ao pedir um acordo, ele pode estar hoje mais perto de Washington do que os falcões de Londres.

Sim, no início, a palavra ‘acordo’ estava vagamente presente no discurso americano, mas depois seguiu-se um longo hiato em que, por cerca de dois meses e meio, a narrativa tornou-se única: a necessidade de sangrar o nariz de Putin.

Agora, o humor dos EUA – a narrativa – está mudando, aparentemente reconciliado com mais más notícias militares que emanam da Ucrânia (até mesmo o quase neoconservador Edward Luttwak jogou a toalha, dizendo que a Rússia vencerá e que o Donbass deveria ter uma palavra a dizer no seu próprio destino).

A adesão de Johnson à Ucrânia é vista como uma tentativa desesperada de convocar o legado da Guerra das Malvinas de Margaret Thatcher (Thatcher enfrentou inflação crescente e raiva doméstica crescente por sua agenda, mas o conflito vitorioso sobre a Argentina em 1982 ajudou a fortalecê-la para a reeleição) ,

“Falar da crise da Ucrânia proporcionando um ‘momento das Malvinas’ para Johnson – no entanto – é simplesmente uma miragem para conservadores desesperados”, escreveu Steven Fielding, professor de história política da Universidade de Nottingham. Pode revelar-se miragem para Bruxelas também.

Se há algo a ser dito sobre o apelo de Macron a uma solução negociada, é que mesmo um acordo de cessar-fogo limitado – o que provavelmente é o que Macron tem em mente – não seria viável nesta tóxica e polarizada atmosfera ocidental. De bermuda, Macron está ‘por cima dos esquis’. Patos (para misturar metáforas) primeiro precisam de ficar alinhados antes de avançar:

A América precisaria retroceder seu même vicioso de ‘ódio a Putin’. Eles precisariam direcionar as mensagens para uma “viragem” sobre a ‘vitória’ que poderia ser associada a uma conversa com Putin; caso contrário, o próprio ato de conversar com o ‘malvado Putin’ sairá pela culatra em uma enxurrada de acrimónia pública. Macron acabou de experimentar isso mesmo.

Uma certa redefinição já começou (por design ou tédio do leitor). As notícias da Ucrânia dificilmente podem ser classificadas como estando “acima da média” nos mídia dos EUA hoje.

Pesquisas e links de “guerra” do Google caíram de um penhasco. De qualquer forma, o Partido Democrata claramente precisa se concentrar nas questões domésticas – inflação, armas de fogo e aborto – as questões que dominarão as eleições de meio de mandato.

A questão é esta – a UE está claramente fraturada, mas as elites de segurança americanas também.

Talvez um impasse prolongado, uma guerra de atrito, mantendo a Rússia e a Europa Ocidental engajadas uma contra a outra, seja preferível (principalmente por um Biden emocionalmente engajado) a um ‘acordo’;

mas uma guerra longa pode não estar mais disponível (sobretudo se, como sugere Luttwak, a Rússia estiver à beira de vencer).

E Biden, se ele optasse por tentar um “acordo” com a Ucrânia, seria capaz de sustentar – politicamente – algo menos do que um acordo apresentado como uma clara “vitória” dos EUA? Isso é mesmo uma opção agora? Quase certamente não. Moscovo não está de bom humor.

Entretanto. uma oferta de negociações por parte de Biden conteria algum núcleo de valor a ser considerado da perspectiva russa? Quase certamente não. Se não, o que há então para falar?

Moscovo diz estar aberta a negociações com Kyiv. O Kremlin, no entanto, não está procurando uma “saída” (a opinião pública está totalmente contra isso).

Chame-se a isso de ‘conversas, se quisermos, mas uma tradução melhor poderá ser que Moscovo está pronta para aceitar o ‘documento de rendição’ de Zelensky sob a rubrica de ‘conversas’; ora isso não é fácil de vender ao cético eleitorado americano como sendo uma “vitória”.

Em certo sentido, a fórmula “longa guerra de desgaste” traz consigo embutida uma ideia “fracasso” – pois não foi o desgaste militar, mas a guerra financeira que foi configurada como “primeira linha de ataque” do Ocidente.

O “rublo se tornaria escombros” quase que imediatamente, à medida que a guerra económica de amplo espectro desmoronaria estruturalmente a Rússia (derrubando sua vontade de lutar na Ucrânia). Esperava-se que o aviso daí decorrente à China (e outros, como a Índia) fosse severo.

Pelo menos esse era o plano pré-guerra. A ação militar nunca teve a intenção de ser um “levantamento pesado” para esmagar a Rússia, mas sim atuar como o amplificador do descontentamento doméstico à medida que a economia da Rússia desmoronasse sob sanções sem precedentes.

Uma insurgência do Donbas, planejada e preparada ao longo de oito anos, nunca deveria ter um “papel de estrela”, precisamente porque os EUA sempre imaginaram que as forças russas acabariam prevalecendo. No entanto, tornou-se “o único jogo na cidade”.

Mas a guerra financeira, na qual se basearam as esperanças de um rápido colapso russo, não apenas fracassou, como paradoxalmente se virou no sentido oposto para ferir gravemente a Europa.

Isso, e o colapso do ‘esprit de corps’ ucraniano, tornaram-se um albatroz pendurado no pescoço da UE. Não há como fugir das sanções, nem da iminência da implosão militar ucraniana, sem que a Rússia emerja como “vencedor” claro.

É um desastre (por mais que os ‘artistas de spin’ torçam e tentem mudar isso).

Sem surpresa, então, os líderes europeus estão procurando uma saída para os efeitos nocivos das políticas que eles – a UE – adotaram tão rapidamente, sem sequer se preocupar em fazer o trabalho de casa.

Mas o ponto aqui é muito mais grave: mesmo que houvesse conversas mais amplas (digamos) na próxima semana, o Ocidente pode mesmo teoricamente concordar com o que poderia dizer a Putin?

Tem, pelo menos, feito a devida diligência sobre como a Rússia, por sua vez, definiria sua visão para o futuro eurásia? E em caso afirmativo, os negociadores europeus teriam o mandato político para responder, ou as negociações entrariam em colapso porque a Europa não pode responder a nenhum mandato de negociação, além de um estritamente limitado a questões da futura composição da Ucrânia?

A Rússia, de fato, estabeleceu claramente seus objetivos estratégicos. Em dezembro de 2021, a Rússia emitiu dois projetos de tratados para os EUA e a OTAN, que incluíam uma arquitetura de segurança na Europa que garantisse segurança indivisível para todos e uma retirada da OTAN para seus antigos limites orientais de 1997.

Esses documentos sublinham que a Ucrânia é apenas uma pequena parte dos objetivos estratégicos mais amplos da Rússia. Os dois rascunhos foram ignorados em Washington.

A guerra da Ucrânia, em princípio, poderia ser encerrada por meio de um acordo negociado que abordasse as preocupações de segurança mais amplas da Rússia em toda a extensão da Europa, mantendo a independência da Ucrânia – embora com o nordeste, leste e sul ucranianos ligados em alguma configuração à Rússia, ou absorvidos por ela.

Mas há a realidade de que a UE transferiu seu mandato político em relação à Ucrânia para uma OTAN abrangente.

E o objetivo claro desta última é excluir a Rússia do “tabuleiro de xadrez” político mundial como jogador e implodir a economia russa – devolver a Rússia à era Ieltsin, por outras palavras.

Como tal, os objetivos da OTAN não têm espaço para o diálogo.

A “longa guerra” de Moscovo também deve ser entendida corretamente – não se trata apenas de ameaças à segurança que emanam da Ucrânia, mas da ameaça à segurança que emana de uma cultura, autodefinida como uma “civilização” ocidental auocomplacente:

Christopher Dawson em Religion and the Rise of Western Culture, escrito há quase um século, escreve: “Por que a Europa sozinha entre as civilizações do mundo tem sido continuamente abalada e transformada por uma energia de inquietação espiritual que se recusa a se contentar com a lei imutável da tradição social que rege as culturas orientais? É porque o ideal religioso não foi o culto da perfeição atemporal e imutável, mas um espírito que se esforça por incorporar-se à humanidade e mudar o mundo”?

Os líderes europeus que contemplam um “acordo” entendem que, concordando ou não, este último resume a percepção popular russa? E que vencer na Ucrânia é visto como o gatilho catártico necessário para relançar as civilizações russas e outras não ocidentais?

A questão então se torna: a União Europeia tem uma mão a jogar em tal cenário, separada da de Washington? Na verdade não; não tem locus.

A UE não tem locus – pois – como Wolfgang Streeck observou em seu ensaio sobre “A UE depois da Ucrânia”, os estados da Europa Ocidental, aparentemente como uma coisa natural (ou seja, sem reflexão mais profunda), concordaram “deixar Biden decidir em seu nome – o destino da Europa dependerá do destino de Biden: isto é, das decisões, ou não, do governo dos EUA”.

A UE, assim, situa-se efetivamente como uma província atípica, dentro da política doméstica americana.

Algumas elites da UE triunfaram: a Ucrânia fixou a UE inequivocamente como “Atlanticista do Norte”, ponto final. Mas por que a alegria?

É verdade que a guerra na Ucrânia pode (temporariamente) ter neutralizado as várias falhas onde a UE estava desmoronando. Há algum tempo, a Comissão da UE tem envidado esforços para suprir o vazio democrático decorrente da centralização e despolitização de fato da economia política da União, preenchendo a lacuna com uma “política de valores” neoliberal a ser rigorosamente aplicada pela UE – sobre os Estados membros recalcitrantes – através de sanções económicas.

Os direitos de identidade, segundo essa interpretação, serviriam como substituto dos debates sobre economia política, com o cumprimento de valores a serem impostos aos Estados-membros por meio de sanções económicas (Estado de Direito).

Não é difícil ver como a Ucrânia pode ter se solidarizado com a determinação de Ursula von der Leyen de fazer valer os valores da UE, não apenas em pessoas como Orbán, mas como uma ferramenta para erradicar sentimentos pró-Rússia remanescentes em uma UE facciosa e firmemente plantar O Atlântico Norte como valor primordial da UE. Sancionar a Rússia e suas noções tradicionalistas estava em perfeita harmonia com sancionar os estados do Leste Europeu também por seu tradicionalismo social.

No entanto, isso teve um custo – o custo de catapultar os Estados Unidos para uma posição de hegemonia renovada sobre a Europa Ocidental. Isso forçou a Europa a continuar com sanções económicas abrangentes, de fato incapacitantes, contra a Rússia, o que, como efeito colateral, reforça a posição de domínio dos EUA como fornecedor de energia e matérias-primas para a Europa.

Isso descarta completamente as ideias de Macron de que a UE precisa de uma “soberania estratégica europeia” que possa mitigar as preocupações legítimas de segurança da Rússia. A Europa agora está presa “até à goelas” com amplas sanções económicas à Rússia e incapaz de enfrentar as consequências.

Não há literalmente “nenhuma maneira” de que a inflação estrutural resultante ou a contração económica possam, ou serão, contidas.

A UE abdicou dos meios para pôr fim à guerra. Apenas compartilhar uma mesa enquanto Zelensky assina o documento de rendição.

Não haverá nenhuma tentativa séria nos EUA antes de novembro, mesmo para tentar conter a inflação. A consequência dessa rendição da UE ao Comando dos EUA é que, também em relação à inflação, a UE dependerá das mudanças indiretas da política eleitoral dos EUA.

É tão possível que Biden ordene uma nova emissão de ‘cheques stimmie’ para mitigar os efeitos da inflação nos bolsos americanos (assim acelerando ainda mais a inflação), como é provável que ele permita o Quantitative Tightening (destinado a reduzir a inflação) na corrida até ao meio-mandato.

À medida que os efeitos da guerra se instalarem, eles trarão uma séria reação contra Bruxelas.”

Retirado do Facebook | Mural de Carlos Fino

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.