SERÁ VERDADE QUE PORTUGAL FOI OBRIGADO A PEDIR O EMPRÉSTIMO À “TROIKA” PORQUE NÃO TINHA DINHEIRO PARA PAGAR SALÁRIOS E PENSÕES? | Eugénio Rosa (economista)

A mentira e a ignorância estão cada vez mais presentes nos ataques às funções sociais do Estado pelos comentadores com acesso privilegiado aos media. É mais um exemplo concreto do pensamento único sem contraditório atualmente dominante nos grandes órgãos de comunicação social. Quem oiça esses comentadores habituais que muitas vezes revelam que não estudaram minimamente aquilo de que falam, poderá ficar com a ideia de que Portugal é um país diferente dos outros países da União Europeia onde o “Estado Social” é insustentável e está próximo da falência por ter garantido aos portugueses uma saúde, uma educação e uma proteção que inclui o sistema de pensões, mais “generosos” do que a dos outros países e que, por isso, é insustentável.

Um dos arautos mais conhecidos dessa tese, não porque seja um estudioso credível mas sim porque tem tido acesso fácil aos media, é Medina Carreira com as suas diatribes periódicas contra o “Estado Social”. Mas antes de confrontarmos o que dizem estes comentadores com os próprios dados oficiais, divulgados até recentemente pelo Eurostat, para que o leitor possa tirar as suas próprias conclusões, interessa desconstruir uma outra grande mentira que tem sido sistematicamente repetida em muitos órgãos de comunicação social sem contraditório o que tem determinado que ela passe, a nível de opinião pública, como verdadeira.

Ler mais: https://www.dropbox.com/s/m4rl4rapj7s5hbp/Eug%C3%A9nio%20Rosa%20-%20A%20quem%20serve%20a%20desinforma%C3%A7%C3%A3o.pdf

Citando José Adelino Maltez

Qualquer homem que tenha poder, tende a abusar do poder que tem. Vai sempre até onde encontra limites. Por isso é que, para cada poder tem de haver um contrapoder. Logo, a cada faculdade de estatuir deve existir um poder de veto. Só pode haver pesos se, ao mesmo tempo, houver uma adequada engenharia de contrapesos. É uma velha ideia que, felizmente, tem diminuído o absolutismo. Porque o problema da democracia não está em sabermos quem manda, mas em como se controla o poder dos que mandam…