Eugénio Lisboa – escrita lúcida, límpida e luminosa | por Onésimo Teotónio de Almeida in As Artes entre as Letras

acta est fabulaEntrei no vol. V de Acta Esta Fabula, de Eugénio Lisboa (Memórias – V – Regresso a Portugal: 1995-2015, Opera Omnia, 2015) com ânsias de o devorar num ápice, embalado que vinha pelos três anteriores (não errei nas contas; o 2.º volume ainda não foi publicado). Para um apreciador de memórias e diários, esperava-me ali de novo uma festa. Além do mais, este vinha anunciado como misturando os dois géneros. Controlei a vontade de uma leitura a eito, sem interrupções, optando por fazê-la a conta-gotas, antes de adormecer. Em regra, tive mesmo que decidir fechar o livro e enfronhar-me entre len- çóis porque ficar horas seguidas acordado a virar páginas era o que verdadeiramente apetecia. Isto bastará para que o leitor conclua do prazer que foi ter por companhia as memórias de Eugé- nio Lisboa nuns quantos serões de inverno, refastelando-me regaladamente com uma escrita lúcida, límpida e luminosa, ouvindo a voz do autor relatar-nos dias cheios, variados, preenchidos frequentemente com prolongadas e proveitosas leituras nos intervalos de agitadas ocupa- ções por esse mundo. Nos já quatro volumes publicados, a viagem pelas décadas da vida de Eugénio, desde os seus impenitentemente lembrados com saudade de uma infância e adolescência na antiga Louren- ço Marques, somos expostos a uma voz que recua no tempo a limpar o pó da recordação e a recuperar do arquivo das suas memórias o que de mais salvável contêm. Eugénio conseguiu sempre recriar ambientes nítidos, retratando cenas e personagens da sua vida com uma vitalidade e acutilância só possíveis graças a uma memória espantosamente fresca. A maior novidade neste V volume é a abertura de janelas com vista para o seu apetitoso diário inédito. Sugerindo levemente no volume IV, aqui o espaço concedido ao diário é significativamente alargado. Se na escrita memorialista Eugénio Lisboa não deixa nunca a distância derrapar em sentimentalismos ou nostalgias românticas, na escrita diarística, traçada sobre o acontecimento, ele revela o seu agudo, fulminante olhar sobre o quotidiano. Na verdade, a prosa de Eugénio é vigorosa porque enxuta, limpa de toda a adiposidade pegajosa. Ela salta em cima dos dias acompanhando penetrantes relances sobre o quotidiano, oferecendo-lhe uma expressividade que cativa o leitor e o faz testemunha de cada acontecimento.

São magníficos certos retratos desenhados por este artista do verbo, alguns deles elaborados em sucessivas revisitações, como é o caso de Eduardo Prado Coelho. José Saramago, Antó- nio Lobo Antunes também, tal como José Rodrigues dos Santos (e, entre as figuras políticas, Santana Lopes). Vergílio Ferreira surge como uma éminence grise que Eugénio Lisboa trata quase como sua nemesis, pelo menos um símbolo daquilo que ele não gostaria de ser (o autor destas linhas, amigo e admirador de Vergílio, consegue apreciar a perspectiva de Eugénio e o modo como a expressa, sem necessariamente concordar com tudo o que ele diz acerca do nosso ensaísta- -romancista). Sobre Eduardo Prado Coelho, são- -nos servidas várias entradas captando ângulos da personalidade e obra do crítico literário que durante duas décadas imperou na cena cultural portuguesa. Espreite-se esta: “[…] o EPC vive numa agitação, num saltar, numa “acumulação”, numa ausência de sossego (necessário à nutri- ção de um pensamento) – que não são o leito fecundador de algo que tenha solidez. Quer mostrar que está em todas, que tudo o interessa com minúcia, que vai a todas as exposições, a todo o teatro, a todos os concertos, conhece todas as divas, todos os actores, leu todos os livros, viu todos os filmes, papou todos os almoços importantes, sabe tudo de ciência, de filosofia, de lingerie, de cosmética, de psiquiatria, de casas de alterne, de psicopatologia, de sexo (de todas as orientações e mais que houvesse, ETC!”) (págs. 309s). Entre os seus altamente estimáveis autores, reemergem, como habitualmente acontece nos escritos do autor, Montherlant, Camus (não Sartre) e José Régio; mas também António Sérgio e Ferreira de Castro, este desinibidamente elogiado por obras injustamente esquecidas, como por exemplo A Selva (“Os intelectuais da nossa pra- ça farão boquinhas […] [p]referem acreditar que o Lobo Antunes é um génio e o Saramago outro. Quanto a mim, prefiro, folgadamente, A Selva, […] que é, fora de qualquer dúvida, um grande livro.” (pág. 302) Transparece ao longo de todas estas páginas uma coerência de pensamento e intervenção cí- vicas norteados por uma ética sólida e interiorizada, uma hombridade desenvolta e livre, mas consciente e responsável pelas posições que toma e os pontos de vista que defende e pratica na vida real, como o demonstra a obra deixada na empresa petrolífera em Lourenço Marques; na Embaixada de Portugal em Londres, onde foi Conselheiro Cultural; na presidência da Comissão Nacional da Unesco; na Universidade de Aveiro, onde foi Professor Convidado.

Tudo o acima mencionado é servido ao leitor em páginas de um português escorreito e directo, exacto e firme, lúcido e transparente, porque Eugénio ama a língua como meio de expressão que deve ser elegantemente cultivada, não para ofuscar ideias nem, na ficção, atrapalhar uma boa narrativa. Por isso Eugénio não tem rebuço em confessar abertamente as suas preferências romanescas: “A leitura dos bons romances ingleses e americanos leva-me a ter alguma impaciência com quase toda a ficção lusíada. Pergunto aos meus botões: “Esta gente terá vivido? Terá alguma coisa a dizer?” E não me venham com o sempiterno trabalho de linguagem. A linguagem serve para, não se serve a si própria, por mais que possa e deva ser trabalhada. Não vive nem deve viver no puro reino da masturbação.” (p. 262) A linguagem de Eugénio Lisboa é um exímio exemplo de como pôr em prática esse seu sentir sobre o que deve ser o lugar da língua e como devemos usá-la para fazer arte romanesca e expressar ideias, dialogar cívica e democraticamente com os nossos interlocutores. O título geral destes volumes memorialistas – Acta Est Fabula – revela um sentimento de estar feito aquilo que o autor tinha de fazer. Todavia falta-lhe ainda escrever muito. Não apenas mais esse 2.º volume sobre o seu intenso e rico passado; os leitores seus fãs esperam também que possa por muitos anos continuar a intervir na cena cultural e cívica lusitana, ajudando-nos a pensar e a ver claro, saboreando a sua bela e fresca prosa.

http://www.artesentreasletras.com.pt/uploads/versoesjornal/1322.jpg.pdf

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s