URSULA VON DER LEYEN EM PORTUGAL | por Nuno Vidal

Ursula von der Leyen, a Presidente da União Europeia, está em Portugal hoje e amanhã. Impressionou com o seu recente discurso do Estado da União. Embora proclamatório – tudo na Europa tem de ser aprovado por 27 países – destacou-se a defesa da dignidade do trabalho, designadamente pela criação de um salário mínimo europeu; o lançamento do NextGenerationEU, a prioridade ao Pacto Ecológico Europeu e a criação da Década Digital da Europa.

A determinação europeia que revelou faz-nos recordar que Van Der Leyen viveu sob proteção policial na sua juventude, tendo de ir viver para Inglaterra – onde se licenciou em Economia – devido a ameaça da RAF (grupo terrorista de extrema-esquerda) contra a sua família, tendo, depois do seu regresso à Alemanha, feito um doutoramento em Medicina em Hamburgo.

Em todos os lugares por onde tem passado (foi Ministra de três pastas na Alemanha) tem promovido a paridade, como fez agora na Comissão. Apoiou a aplicabilidade das mesmas regras fiscais a casais heterossexuais e homossexuais, bem como direitos iguais de adopção para casamentos do mesmo sexo e votou favoravelmente no Parlamento a aprovação da lei que prevê a igualdade entre casamentos homossexuais e heterossexuais, tendo combatido a pornografia infantil.

Uma democrata-cristã tolerante, aberta ao mundo e do seu tempo (em profundo contraste com os políticos bota-de-elástico que dominam a cena portuguesa).

Nuno Vidal

Retirado do Facebook | Mural de Carlos Fino

Gabriel Nascente ou a libertação da metáfora | por Adelto Gonçalves

                                                                              I

Para marcar uma trajetória literária de mais de meio século, o poeta goiano Gabriel Nascente (1950) lançou, em 2019, Galáxia dos dias, uma caixa com quatro volumes com mais de mil páginas cada um, com poemas de toda uma vida, revisados e até ampliados. Publicada pela Editora Kelps, de Goiânia, a coletânea reúne a obra do poeta em verso e prosa de 1966 até 2019, ao menos aquela publicada em livros, inclusive os primeiros que estavam esgotados e não são encontrados nem mesmo em alfarrábios, ainda que de fora tenham ficado muitos poemas esparsos que saíram em revistas, jornais e antologias.

Continuar a ler