A metamorfose do racismo que regressa (2) | Carlos Esperança

A metamorfose do racismo que regressa

Quando uma agremiação de malfeitores e marginais, instruídos ou de precária instrução, é capaz de aceitar a proposta de castração de violadores e mulheres que abortem, por mais abjetos que sejam os crimes dos primeiros, não é formada por homens e mulheres, é uma associação de homúnculos, discípulos do Dr. Josef Mengele.
Que seres desprezíveis, que falam como pessoas e pensam como selvagens, possam ter reuniões onde vomitam ódio, desprezam os direitos humanos e combatem a civilização, vemos como é frágil a democracia que, apesar disso, temos obrigação de defender, para os que a amam e para os que a querem destruir.
Os que vociferam contra a corrupção não são os que a combatem, são os que pretendem gritar a sua honestidade e acusar os que são essenciais para que a democracia sobreviva, num caso e noutro, sem sentirem a necessidade de provas.

Continuar a ler

A metamorfose do fascismo que regressa (1) | Carlos Esperança

A metamorfose do fascismo que regressa 

Desaparecida a memória dos regimes nazi/fascistas, saradas as feridas pela morte das gerações que os sofreram, regressam os demónios, com os democratas a digladiarem-se, enquanto os neofascistas avançaram.
A nível mundial tivemos, numa primeira fase, a vitória do liberalismo económico com Reagan, Tatcher e João Paulo II que, contrariados em vitórias eleitorais de regimes que consideraram hostis, apoiaram ditaduras. A de Pinochet, no Chile, foi o paradigma do regresso precoce ao fascismo.
A decadência ética de dirigentes democraticamente eleitos contribuiu para a chegada de populistas que têm na mentira a arma e na desfaçatez o método de conquista do poder. É a fase de Trump, Jonhson, Salvini e de analfabetos abrutalhados, Duterte ou Bolsonaro.

Continuar a ler

Há 480 anos – A inquisição portuguesa | Carlos Esperança

Portugal, tal como Espanha, não teve os benefícios da Reforma, e sofreu a violência da Contrarreforma.

Aos países ibéricos não chegou a Reforma, causa do atraso a que foram remetidos, mas veio a Inquisição, instrumento cruel da Contrarreforma. A piedade dos Reis Católicos, de Espanha, Fernando II de Aragão e Isabel I de Castela, que nunca tomaram banho ou faltaram a obrigações pias, e a do sr. Dom João III, com o cognome ‘Piedoso’, levou-os a exigirem o santo tribunal. O padecimento de quem não seguisse a religião verdadeira, ou de quem pecasse contra ela, assegurava-lhes o Paraíso. Os Reis Católicos, ainda não canonizados, já tinham imposto a D. Manuel I, para o acordo de casamento com a sua augusta filha, entre outras cláusulas, a criação da Inquisição.

A mercê papal estorricou bruxas, hereges, judeus, adivinhadores, feiticeiros e bígamos, com santos frades dominicanos dedicados à incineração dos vivos e à criatividade para lhes prolongar o sofrimento, para maior glória de Deus, recreio dos créus e purificação das almas dos réprobos supliciados.
O Tribunal do Santo Ofício contou com o entusiasmo de dominicanos, jesuítas e outros clérigos de mau porte, piores instintos e amplos poderes, de Ordens diferentes, durante os 285 anos que duraram as perseguições aos hereges (1536-1821). Foi o liberalismo, de que decorre o segundo centenário, esse mal que Pio IX excomungou, a pôr-lhe termo.

Foi a maçonaria, igualmente excomungada, que fez a Revolução de 1820, a responsável do Vintismo, que só os meios académicos progressistas parecem comemorar, que trouxe o liberalismo e aboliu o opróbrio de quase três séculos.
Há, talvez, na longa sequência do ADN um gene da crueldade que molda o cromossoma humano, e ninguém faz o mal com tanto entusiasmo e tamanha alegria como quem tem uma fé à prova da clemência e uma devoção que exonera a compaixão, como mostraram amplamente os santos inquisidores.
O primeiro auto de fé, em Portugal, teve lugar em Lisboa, no Ano da Graça de 1540, no dia 20 de setembro, perante o entusiasmo da Corte e do bom povo temente a Deus.

Foi há 480 anos, como a imagem documenta.

Carlos Esperança

Retirado do Facebook | Mural de Carlos Esperança

AO ENGANO | Miguel Vale de Almeida

Os partidos da extrema-direita populista mobilizam o ressentimento contra as elites políticas e culturais, mas deixam incólumes as elites económicas e financeiras.

Na realidade, agem a favor delas (veja-se a proposta fiscal do Chega) e são muitas vezes apoiados e financiados secretamente por elas.

O sentimento anti-corrupção é encaminhado para os escândalos revelados pelo escrutínio jornalístico e judicial, mas este raramente chega ao verdadeiro poder, o económico e financeiro, dado o seu poder e complexidade. E quando chega, as lideranças desses partidos evitam falar desses casos (é o BES uma causa central do Chega? Não).

Muitas vezes até trabalham para eles, como acontece com o caso português recente. A estratégia é deslegitimar a democracia e abrir mais caminho para a impunidade dos verdadeiros poderes. Em suma: a grande habilidade de Ventura é enganar os seus apoiantes, desviar o alvo da sua revolta.

Miguel Vale de Almeida

Retirado do Facebook | Mural de Miguel Vale de Almeida