Whisner Fraga: narrativas curtas e bem urdidas | por Adelto Gonçalves

                                                                          I

       Já conhecido nos meios literários mais refinados por seu estilo despojado e ousado, Whisner Fraga (1971) volta, em seu décimo-primeiro livro, às narrativas curtas, depois de experiências bem-sucedidas no gênero romance. O que devíamos ter feito (São Paulo, Editora Patuá, 2020) é essa obra constituída por 14 narrativas curtas, mas bem urdidas, todas com uma linguagem sensível e poética, em que uma personagem que não se identifica conversa, na maioria dos contos, com uma interlocutora chamada helena (assim mesmo sem maiúscula. Aliás, o autor, sem que se saiba a razão, decidiu proscrever a letra maiúscula de todos os textos deste seu livro).

            O conto que mais chama a atenção do leitor é exatamente aquele que abre e dá título ao livro, “o que devíamos ter feito”, em que um pai de família se dirige à mulher para tentar recuperar o tempo perdido e pesar se, com a filha doente, a menina bia, os passos que tinham dado teriam ou não contribuído para o desaparecimento prematuro dela. É com ela que divide o seu fluxo crítico e de consciência, como bem observa o escritor Ronaldo Cagiano no prefácio que escreveu para esta obra, para quem este conto faz recordar versos famosos de Manuel Bandeira (1886-1968), exatamente o poema “Pneumotórax”, em que o poeta rememora “a vida inteira que podia ter sido e que não foi”. Diz Cagiano: “O título do livro instiga-nos a um eterno questionamento sobre a transitoriedade e relatividade das coisas, um ponderar sobre o nosso (de)lugar num mundo coisificado, remetendo-nos ao antológico poema bandeiriano (…).

            Baseado talvez na convivência mais próxima que teve com o autor, com quem já dividiu a autoria de Moenda de silêncios: encontros & desencontros na metrópole (São Paulo, Dobra Editorial, 2021), prêmio Programa de Ação Cultural (ProAC) do Governo do Estado de São Paulo, “novela de formação e escrita a quatro mãos”, o prefaciador explica que “o ambiente narrativo desencadeado por Whisner Fraga transmuta-se num caleidoscópio de sutilezas estilísticas, em que muitas vezes prescinde da linearidade ou da coerência das histórias (pois onde há caos não há estabilidade formal, mas ruptura (…)”.

            Eis aqui uma amostra do estilo original do contista: “(…)e se voltássemos ao hospital, autorizados a encontrar bia, e exibíssemos a ela esse novo germe em ebulição dentro de você, helena?, essa nova vida efervescendo, interferindo nos meandros de seus órgãos, esse impulso que apresentaremos a bia como uma espécie de perdão?, sem nos apercebermos que a  morte é uma particularidade da existência, e ela sempre será mais forte do que nós mesmos”.

                                                           II

            Em “promessa”, o terceiro conto, não há um interlocutor silencioso como helena, mas um narrador que descreve a luta de um pai para dar a seu filho a oportunidade de se tornar um grande jogador de futebol, daqueles que se dão bem na vida e acabam fazendo fortuna no exterior. Para isso, porém, o menino júlio precisa passar por várias provas, até deixar o tejuco, pequeno arraial que remete para o núcleo bandeirante que deu origem à hoje cidade de Diamantina, no interior de Minas Gerais. Uma delas é que não basta fazer uma jogada genial, dar um passe bem medido e correr praticamente sem parar os 90 minutos do jogo, mas atender também a muitos interesses que incluem até à tara sexual de um “olheiro”, que promete levá-lo para a Europa e a um destino similar ao de Messi ou de Cristiano Ronaldo.

            Já no conto “você é mulher” quem narra é uma voz feminina que não esconde sua preferência por outras mulheres, embora seja bastante atraente diante dos olhos masculinos. E, volta e meia, é assediada por colegas de trabalho, especialmente durante uma viagem de negócios. Essa voz feminina é quem descreve um episódio que teria ocorrido, à noite, num restaurante, numa reunião em que colegas de um mesmo departamento se confraternizavam. E ela, irritada com o assédio, que algumas caipirinhas a mais estimulavam, conta como chegou aos ouvidos do assediador e espicaçou frases como: “você nunca vai me comer, eu não curto você, meu negócio é mulher, sacou? (…)”.

            Por aqui, o leitor já pode perceber o que o espera na leitura deste livro: textos permeados de uma prosa poética que, embora escritos pouco antes da eclosão da pandemia de coronavírus (covid-19), instigam muitas reflexões acerca da vida insossa que levamos neste Brasil do começo do século XXI, em que somos sobreviventes de um desastre que se avizinha cada vez mais hediondo, marcado todos os dias pela notícia do desaparecimento de familiares ou de amigos ou conhecidos.

                                                           III                 

            Nascido em Ituiutaba, Minas Gerais, Whisner Fraga é formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Uberlândia. Em Engenharia Mecânica, fez também mestrado na mesma universidade e doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Mas, atraído pelas Letras, curso que iniciou, mas não concluiu, ainda durante o mestrado, publicou o livro de contos Seres e sombras (edição de autor, 1997). Durante o doutorado, publicou o seu segundo livro de contos, Coreografia dos danados (Edições Galo Branco, 2002), título inspirado em verso de Augusto dos Anjos (1884-1914). Concluiu o doutorado em 2003 e, desde então, prestou concurso para a docência e vem lecionando para jovens e adultos. Ao mesmo tempo, atua como crítico literário em jornais impressos e sites dedicados à literatura.

            É autor também de A cidade devolvida, contos (Editora 7 Letras, 2005); As espirais de outubro, romance (Nankin, 2007), prêmio ProAC do Governo do Estado de São Paulo; Abismo poente, romance (Ficções Editora, 2009), prêmio ProAC do Governo do Estado de São Paulo; O livro da carne, poemas (Editora 7 Letras, 2010); Sol entre noites, romance (Ficções Editora, 2011), prêmio ProAC do Governo do Estado de São Paulo; Lúcifer e outros subprodutos do medo, contos (Editora Penalux, 2015), prêmio ProAC do Governo do Estado de São Paulo; A verdade é apenas uma versão dos fatos (Editora Penalux, 2017); e O privilégio dos mortos, romance (Editora Patuá, 2019).

            Participou das antologias Os cem menores contos brasileiros do século (Editora Ateliê, 2018),organizada por Marcelino Freire; e Geração zero zero: fricções em rede (Editora Língua Geral, 2011), organizada por Nelson de Oliveira. Alguns de seus contos foram traduzidos para o inglês, alemão e árabe e publicados em antologias.

______________________________

O que devíamos ter feito, de Whisner Fraga. São Paulo: Editora Patuá, 164 páginas, R$ 40,00, 2020. Site: www.editora.patua.com.br  E-mail: editorapatua@gmail.com

_______________________________

(*) Adelto Gonçalves, jornalista, mestre em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana e doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP), é autor de Gonzaga, um poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; Publisher Brasil, 2002), Bocage – o perfil perdido (Lisboa, Editorial Caminho, 2003; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo – Imesp, 2021), Tomás Antônio Gonzaga (Imesp/Academia Brasileira de Letras, 2012),  Direito e Justiça em terras d´el-rei na São Paulo Colonial (Imesp, 2015), Os vira-latas da madrugada (José Olympio Editora, 1981; Letra Selvagem, 2015) e O reino, a colônia e o poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo 1788-1797 (Imesp, 2019), entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.