Ideologia ou pragmatismo? | Major-General Carlos Branco, in Jornal Económico, 18/07/2022

Num artigo publicado em 2010, o antigo diplomata singapurense Kishore Mahbubani alertava-nos para o que diferencia, em assuntos de segurança, a cultura ocidental, leia-se norte-americana e europeia, da asiática. A primeira baseia-se em aspetos ideológicos e morais, enquanto a segunda no pragmatismo, e, consequentemente, no compromisso. Mahbubani defendia serem as decisões assentes no primado da ideologia e não no pragmatismo que tornam, muitas vezes, as abordagens ocidentais ineficazes e/ou contraproducentes.

Não terá sido por acaso que as duas guerras mundiais tiveram o seu epicentro no espaço europeu. A maioria dos decisores asiáticos prefere concentrar-se nos resultados. Isso explica, segundo Mahbubani, que as políticas europeias maniqueístas, baseadas em preconceitos ideológicos, obrigando a escolher e a tomar partido, têm-se revelado, infelizmente, pouco subtis e de reduzido efeito.

O argumento de Mahbubani pode ser testado empiricamente nos acontecimentos em curso na Ucrânia. A sua validade é por demais evidente nas escolhas que conduziram à eclosão da guerra – a obstinação do Ocidente em não respeitar durante três décadas as reiteradas preocupações securitárias da Rússia (de Gorbatchov até Putin, passando por Yeltsin), e insistir em trazer a Ucrânia para a NATO, que continua a reiterar (veja-se o conceito estratégico recentemente aprovado na cimeira de Madrid), mesmo depois dos acontecimentos na Geórgia, em agosto de 2008.

Um compromisso com a Rússia, tornando a Ucrânia num Estado geopoliticamente neutral, teria sido uma solução suportável e teria impedido a guerra. O mesmo se aplica aos acontecimentos que se seguiram a 24 de fevereiro de 2022.

Para perceber as decisões europeias, importa entender o que espera a Europa desta guerra. Aumentar a sua importância geopolítica e tornar-se num polo organizador da nova Ordem Mundial? Tememos que isso não venha a acontecer. Impedem-no duas vulnerabilidades estruturais incontornáveis. Assim, só lhe interessa encontrar rapidamente uma solução acomodatícia que reflita um compromisso, porque quanto mais tarde pior.

Privadas dos recursos oriundos das suas antigas colónias, as potências europeias tornaram-se dependentes de outros espaços geográficos para o fornecimento das commodities necessárias ao seu desenvolvimento económico: Rússia, Médio Oriente, EUA e muitas outras regiões, independentemente do regime político com quem tratavam. Esta dependência vai agravar-se com as anunciadas transições energéticas e digitais. Os principais fornecedores dos recursos de base necessários a essa transição – por exemplo, o cobre, tântalo, terras raras, cobalto, lítio, platina e grafite – não se encontram na Europa.

É bom que nos convençamos de que a transição energética não será uma panaceia libertadora de dependências, com a agravante dos “novos inputs” se encontrarem concentrados num número reduzido de fornecedores, nalguns casos com a China e a Rússia em lugares cimeiros. O Velho Continente não conseguirá ultrapassar as atuais dependências.

Ao que se adicionam as opções estratégicas erradas assumidas no passado, em matéria de modelo de desenvolvimento económico, cujos efeitos se começaram a sentir durante a crise da Covid-19, e que se agravaram com o presente conflito. As “sofisticadas” economias europeias optaram por ser economias de serviços, deixando a indústria transformadora para economias “rudimentares”, para não dizer atrasadas. Os serviços eram “cool” e “weightless”, significavam progresso e modernidade, enquanto a manufatura era relegada para as economias menos “avançadas”.

A presente guerra veio escrever direito por linhas tortas, ao demonstrar que aquilo que a Europa dava como certo (a indústria e as mercadorias-base), o lado “retrógrado” da economia, era afinal muito mais importante do que se pensava. O setor dos serviços representa cerca de 54,5% da economia chinesa, e 56,27% da russa. Nos EUA, os serviços representam cerca de 77% da economia e na União Europeia rondam os 70%.

As vulnerabilidades estruturais, que estes dois aspetos apresentam deviam ter feito a Europa pensar duas vezes antes de se lançar na cruzada das sanções contra a Federação russa – que lhe fornecia as commodities essenciais ao seu funcionamento a preços que lhe garantiam a competitividade das suas ofertas nos mercados internacionais – e apostar no compromisso.

Só fala grosso quem está na mó de cima. Será, provavelmente, sobranceria desprezar uma economia que domina o mercado mundial dos cereais e dos fertilizantes, assim como produz 45% do urânio enriquecido consumido em centrais nucleares, para não ir mais longe.

Sem entenderem o cataclismo geopolítico que se avizinha, os dirigentes europeus fazem-nos lembrar os últimos anos da dinastia Qing. O efeito bumerangue dessas decisões já se sente: inflação galopante, atingindo dois dígitos em muitos países, demissão de governos, quebra na produção industrial, o espetro da recessão e a contestação social em vários países, com os agricultores à cabeça, etc..

Como se isso não bastasse, a Europa alienou a Rússia e a China. Como alguém disse, a “guerra na Ucrânia poderá ter sido o último prego no caixão de uma relação amigável” da Europa com a Rússia e a China. O exacerbamento da competição e rivalidade com estas duas potências terá, inevitavelmente, consequências negativas para a Europa, e para o seu projeto de autonomia estratégica, ferido de morte pelas iniciativas oriundas do outro lado do Atlântico. Já não bastaram os efeitos demolidores da crise de 2008, que distanciou economicamente a combalida Europa dos EUA e da China, corremos agora o risco de esta guerra a tornar ainda mais irrelevante geopoliticamente.

Fazia, pois, todo o sentido, que a arrogância e o autismo não impedissem os dirigentes europeus de ler ou ouvir Mahbubani, para perceberem as vantagens de não alimentar o prolongamento do conflito e engrossarem as fileiras dos que defendem uma solução política, quanto antes. A não ser por outros motivos, que seja motivada pela compreensão das suas vulnerabilidades.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.