Maria Callas, La Divina | Greatest Opera Arias | Tosca, La Traviata, Norma, La Bohème… | 1h58m53s

MARIA CALLAS – OPERA ARIAS

00:00 UNA VOCE POCO FA • Gioacchino Rossini “Il Barbiere Di Siviglia” 06:48 VISSI D’ARTE • Giacomo Puccini “Tosca” 10:04 ADDIO DEL PASSATO • Giuseppe Verdi “La Traviata” 13:31 SICILIANA • Giuseppe Verdi “I Vespri Siciliani” 17:30 CASTA DIVA • Vincenzo Bellini “Norma” 24:45 SÌ, MI CHIAMANO MIMÌ • Giacomo Puccini “La Bohème” 29:32 UN BEL DÌ VEDREMO • Giacomo Puccini “Madama Butterfly” 34:02 AH, FORS’È LUI – SEMPRE LIBERA • Giuseppe Verdi “La Traviata” 42:21 PACE, PACE MIO DIO • Giuseppe Verdi “La Forza Del Destino” 48:46 QUAL FIAMMA AVEA NEL GUARDO • Ruggero Leoncavallo “I Pagliacci” 53:28 EBBEN NE ANDRÒ LONTANA • Alfredo Catalani “La Wally” 58:16 MIO BABBINO CARO • Giacomo Puccini “Gianni Schicchi” 1:00:48 MADRE MIA • Amilcare Ponchielli “La Gioconda” 1:02:41 QUANDO, RAPITO IN ESTASI • Gaetano Donizetti “Lucia Di Lammermoor” 1:07:41 TACEA LA NOTTE PLACIDA • Giuseppe Verdi “Il Trovatore” 1:13:50 SPARGI D’AMARO PIANTO • Gaetano Donizetti “Lucia di Lammermoor” 1:18:00 GIASON! DEI TUOI FIGLI LA MADRE • Luigi Cherubini “Medea” 1:25:27 SIGNORE, ASCOLTA • Giacomo Puccini “Turandot” 1:27:56 OMBRA LEGGERA • Giacomo Meyerbeer “Il Perdono Di Ploermel” 1:33:35 SUICIDIO! • Amilcare Ponchielli “La Gioconda” 1:38:11 CARO NOME • Giuseppe Verdi “Rigoletto” 1:44:56 HO VISTO IL FIGLIO SUL MATERNO SEN • Richard Wagner “Parsifal” 1:52:44 UNA MACCHIA È QUI TUTTORA • Giuseppe Verdi “Macbeth”

O mundo fragmentado caminha como sonâmbulo para a III Guerra Mundial | Pepe Escobar

As auto-proclamadas “elites” de Davos têm medo. Estão assustadas. Nas reuniões desta semana do Fórum Económico Mundial, o articulador-mor Klaus Schwab – exibindo a sua marca registada de vilão estilo Bond – insistiu reiteradamente acerca de um imperativo categórico: precisamos de “Cooperação num Mundo Fragmentado“.

Se bem que o seu diagnóstico da “mais crítica fragmentação” em que o mundo está agora afundado seja previsivelmente sombrio, Herr Schwab sustenta que “o espírito de Davos é positivo” e que, no final, todos nós poderemos viver felizes numa “economia verde sustentável”.

O que Davos tem conseguido nesta semana é inundar a opinião pública com novos mantras. Há o “O Novo Sistema” que, considerando o fracasso abjeto do Great Reset (Grande Reinicialização), agora assemelha-se a uma atualização apressada do – avariado – sistema operativo atual.

Davos precisa de novo hardware, novas capacidades de programação, até mesmo de um novo vírus. Mas por enquanto tudo o que está disponível é uma “poli-crise”: ou, na linguagem de Davos, um “cluster de riscos globais relacionados com efeitos combinados”.

Em linguagem simples: uma tempestade perfeita

Continuar a ler

POEMA DE MARIA EUGÉNIA CUNHAL, DEDICADA A SEU IRMÃO, ÁLVARO CUNHAL

QUANDO VIERES

Encontrarás tudo como quando partiste.

A mãe bordará a um canto da sala

Apenas os cabelos mais brancos

E o olhar mais cansado.

O pai fumará o cigarro depois do jantar

E lerá o jornal.

Quando vieres

Só não encontrarás aquela menina de saias curtas

E cabelos entrançados

Que deixaste um dia.

Mas os meus filhos brincarão nos teus joelhos

Como se te tivessem sempre conhecido.

Quando vieres

nenhum de nós dirá nada

mas a mãe largará o bordado

o pai largará o jornal

as crianças os brinquedos

e abriremos para ti os nossos corações.

Pois quando tu vieres

Não és só tu que vens

É todo um mundo novo que despontará lá fora

Quando vieres.

Maria Eugénia Cunhal, in “Silêncio de Vidro”