ORDEM DOS ENGENHEIROS | A REGIÃO SUL INFORMA | Lisboa 4 de Novembro de 2022

COMUNICADO

O Conselho Diretivo da Região Sul iniciou as suas funções a 1 de abril p.p., na sequência das eleições ocorridas a 12 de fevereiro, tendo 4 dos seus membros decidido apresentar a renúncia ao mandato, o que, nos termos do Estatuto da Ordem dos Engenheiros e do Regulamento de Eleições e Referendos, determina a ausência de quórum e a consequente obrigação de serem marcadas eleições extraordinárias para o Conselho Diretivo.

O Conselho Diretivo Nacional deliberou fixar o dia 2 de fevereiro de 2023 para a realização de Eleições Extraordinárias para o Conselho Diretivo da Região Sul, a eleger até ao final do presente mandato, nos termos de Edital hoje publicado.

Lisboa, 4 de novembro de 2022

Luís Machado

Presidente Conselho Diretivo da Região Sul

Engenheiros e economistas pedem decisão final sobre aeroporto | Conferência “Portugal: solução aeroportuária”

A Ordem dos Engenheiros e a Ordem dos Economistas anunciaram a 29 de setembro, por ocasião do encerramento da conferência “Portugal: solução aeroportuária”, organizada por amabas na Sede Nacional da Ordem dos Engenheiros, uma posição conjunta sobre a solução para o aeroporto que melhor servirá o País, na qual é defendida “uma solução aeroportuária estratégica e definitiva para Portugal, com uma infraestrutura desenvolvida de raiz, na região de Lisboa”.

De acordo com o documento ontem subscrito pelos Bastonários da Ordem dos Engenheiros e dos Economistas, Fernando de Almeida Santos e António Mendonça, respetivamente, nenhuma das duas associações profissionais se revê “em soluções duais que, em seu entender, comprometem o adequado desenvolvimento económico e social de Portugal”, advogando que “Portugal deve posicionar-se como um hub aeroportuário internacional, face à sua localização geográfica e histórico-estratégica, como ponte entre a Europa, a África e a América”.

Nas suas palavras iniciais, quer Fernando de Almeida Santos, quer António Mendonça, acentuaram a urgência de uma decisão, porque a demora na concretização dos vários projetos estruturantes, “que ultrapassam o imediatismo e que visam criar bases de sustentabilidade do desenvolvimento futuro do país”, resultam de atavismos nacionais, crónicos, que representam custos muito elevados para Portugal.

Tal posição foi secundada pela maioria dos oradores convidados. Carlos Matias Ramos, Bastonário dos engenheiros entre 2010 e 2016, e anterior Presidente do LNEC, defensor convicto do Novo Aeroporto de Alcochete, cujo estudo conduziu enquanto Presidente daquele Laboratório, foi um dos conferencistas principais, tendo apresentado uma história com cerca de 50 anos, feita de muitos estudos e várias soluções para a localização de um novo aeroporto na região de Lisboa que nunca saiu do papel. Matias Ramos dissecou o tema, demorando-se nos muitos prós que a solução de Alcochete, enquanto aeroporto único, reúne, em oposição aos contras que as restantes opções acarretam.  

Carlos Correia da Fonseca, economista e consultor do Banco Mundial, igualmente Keynote Speaker da conferência, colocou o foco da sua intervenção nas virtudes da constituição das chamadas aerotrópoles, ou cidades aeroportuárias. “Permitiu-se que o aeroporto da Portela ficasse espartilhado entre estradas, bairros de fracos recursos e atividades que nada têm que ver com o setor aeroportuário”, identificou Carlos Correia da Fonseca, sublinhando mesmo que “logo nos anos 60 se verificava que nunca seria possível criar uma cidade aeroportuária na Portela”. Alcochete surge, para o economista como a opção que melhor permite tal desiderato.

Para além de Carlos Matias Ramos e Carlos Correia da Fonseca, também Augusto Mateus, Ana Brochado, Ricardo Cabral, Fernando Santo, Bento Aires, Luís Machado e Rosário Macário debateram o tema numa mesa redonda conduzida pela jornalista do Expresso, Anabela Campos. As vozes, relativamente consonantes, reafirmaram a capacidade técnica de que o País dispõe para uma infraestrutura desta envergadura – apesar do êxodo técnico registado nos últimos anos –, e pediram estratégia, independência, rigor e capacidade de decisão política com qualidade em prol dos mais elevados interesses do País.

Assista à gravação da Conferência.

Ordem dos Engenheiros promove Engenharia portuguesa nos Países Árabes

mineiro aires arabeProtocolo assinado hoje entre a Ordem dos Engenheiros de Portugal e o Instituto Luso-Árabe para a Cooperação é o primeiro passo para o reconhecimento dos engenheiros nacionais em território árabe.

A Ordem dos Engenheiros de Portugal     (OE) e o Instituto Luso-Árabe para a   Cooperação (ILAC) celebraram hoje, dia  1 de setembro, a assinatura de um protocolo de cooperação com vista ao  desenvolvimento de actividades que concorram para o fortalecimento de  relações e cooperação entre a OE e as associações representativas dos engenheiros nos Países Árabes.

O ILAC promoverá todas as iniciativas consideradas adequadas de modo a facilitar o estabelecimento de relações entre a OE e as associações congéneres representativas de engenheiros nos territórios de origem árabe, nomeadamente com a Região do Médio Oriente e do Norte de África (MENA/Magreb), com vista ao reconhecimento das qualificações profissionais dos engenheiros portugueses nesses países, tendo em consideração a reciprocidade do exercício profissional.

A OE reunirá com a sua congénere em cada país, com o objetivo de estabelecer acordos que fixem as condições para a admissão de profissionais engenheiros registados, garantindo assim o livre exercício da atividade de engenheiro em ambos os países, sob as jurisdições de supervisão de cada instituição, respeitando a legislação em vigor. A reciprocidade e as condições em que as mesmas serão definidas implicam a discussão entre as partes, atendendo às legítimas expectativas que ambas mantenham sobre os direitos e deveres do uso do título de engenheiro.

A relevância deste protocolo de cooperação decorre sobretudo das oportunidades que estas geografias já hoje representam e poderão representar para as empresas e profissionais portugueses.

A Ordem dos Engenheiros prossegue, com a assunção de mais este compromisso internacional, a sua estratégia de apoio à internacionalização da Engenharia portuguesa e a afirmação da sua qualidade além-fronteiras.

1 de Setembro de 2016

http://www.ordemengenheiros.pt/pt/atualidade/noticias/ordem-dos-engenheiros-promove-engenharia-portuguesa-nos-paises-arabes/

Debate “Impacto do Código dos Contratos Públicos na Contratação e Valorização dos Serviços de Engenharia” | 11 de julho, Ordem dos Engenheiros, Lisboa

wwwNo momento em que se prevê para breve a conformação do Código dos Contratos Públicos com a transposição da Diretiva Comunitária de 2014, a Ordem dos Engenheiros (OE) e a Associação Portuguesa de Projetistas e Consultores (APPC) reconhecem a importância da realização deste Debate, não só de interesse para os profissionais e empresas de Engenharia, como para as entidades contratantes e para a economia nacional. Trata-se de um Debate de evidente oportunidade, nomeadamente na discussão que será fomentada sobre os preços anormalmente baixos para os serviços de Engenharia, tanto mais que envolve um grupo bastante representativo dos profissionais qualificados de que o País dispõe e de um setor empresarial que pode continuar a contribuir de modo muito significativo para o PIB nacional.

ORDEM DOS ENGENHEIROS | A Região Sul Informa: Conselho Diretivo promove exposição de fotografias premiadas de Adriano Neves‏

EXPOSIÇÃO  
“A VASTIDÃO NAS GRANDES PAISAGENS”
oe

A Região Sul inaugura, no dia 31 de maio, a exposição A Vastidão nas Grandes Paisagens, com fotografias de Adriano Neves, membro efetivo da Ordem dos Engenheiros (OE).

A exibição estará patente aos Membros da OE, e ao público em geral, até ao dia 30 de junho, no átrio do auditório, no horário de segunda a sexta-feira, das 09h00 às 18h00.
Saiba mais sobre esta iniciativa no  Portal da Ordem dos Engenheiros.