A Rússia está vencendo a guerra econômica, e Putin não está mais perto de retirar tropas | Larry Elliott, Editor de economia do The Guardian

Os efeitos perversos das sanções significam custos crescentes de combustível e alimentos para o resto do mundo – e crescem os temores de uma catástrofe humanitária. Mais cedo ou mais tarde, terá de se chegar a um acordo.

Já se passaram três meses desde que o Ocidente lançou sua guerra económica contra a Rússia, e não está indo conforme o planeado. Pelo contrário, as coisas estão indo muito mal.

As sanções foram impostas a Vladimir Putin não porque fossem consideradas a melhor opção, mas porque eram melhores do que os outros dois cursos de ação disponíveis: não fazer nada ou se envolver militarmente.

O primeiro conjunto de medidas económicas foi introduzido imediatamente após a invasão, quando se supôs que a Ucrânia capitularia em poucos dias. Isso não aconteceu, com o resultado de que as sanções – ainda incompletas – foram gradualmente intensificadas.

Não há, no entanto, nenhum sinal imediato de que a Rússia saia da Ucrânia e isso não é surpreendente, porque as sanções tiveram o efeito perverso de aumentar o custo das exportações de petróleo e gás da Rússia, aumentando massivamente sua balança comercial e financiando seu esforço de guerra.

Nos primeiros quatro meses de 2022, Putin pode ostentar um superávit em conta corrente de US$ 96 bilhões (£ 76 bilhões) – mais que o triplo do valor do mesmo período de 2021.

Quando a UE anunciou sua proibição parcial das exportações russas de petróleo no início desta semana, o custo do petróleo bruto nos mercados globais aumentou, proporcionando ao Kremlin outro ganho financeiro inesperado. A Rússia não está encontrando dificuldade em encontrar mercados alternativos para sua energia, com as exportações de petróleo e gás para a China em abril aumentando mais de 50% ano a ano.

Isso não quer dizer que as sanções sejam indolores para a Rússia. O Fundo Monetário Internacional estima que a economia encolherá 8,5% este ano, à medida que as importações do Ocidente entrarem em colapso. A Rússia tem reservas de bens essenciais para manter sua economia funcionando, mas com o tempo elas serão usadas.

Mas a Europa está apenas gradualmente se livrando de sua dependência da energia russa, e assim uma crise financeira imediata para Putin foi evitada. O rublo – cortesia de controles de capital e um superávit comercial saudável – é forte. O Kremlin tem tempo para encontrar fontes alternativas de peças de reposição e componentes de países dispostos a contornar as sanções ocidentais.

Quando os agitadores globais se reuniram em Davos na semana passada, a mensagem pública foi a condenação da agressão russa e o compromisso renovado de apoiar solidamente a Ucrânia. Mas, em privado, havia preocupação com os custos económicos de uma guerra prolongada.

Estas preocupações são inteiramente justificadas. A invasão da Ucrânia pela Rússia deu um impulso adicional às já fortes pressões de preços. A taxa de inflação anual do Reino Unido é de 9% – a mais alta em 40 anos – os preços da gasolina atingiram um recorde e o teto do preço da energia deve aumentar em £ 700-800 por ano em outubro. O mais recente pacote de apoio para lidar com a crise do custo de vida foi o terceiro do chanceler em quatro meses – e haverá mais no final do ano.

Como resultado da guerra, as economias ocidentais enfrentam um período de crescimento lento ou negativo e inflação crescente – um retorno à estagflação da década de 1970. Os bancos centrais – incluindo o Banco da Inglaterra – sentem que precisam responder à inflação de quase dois dígitos aumentando as taxas de juros. O desemprego deve aumentar. Outros países europeus enfrentam os mesmos problemas, se não mais, já que a maioria deles depende mais do gás russo do que o Reino Unido.

Os problemas enfrentados pelos países mais pobres do mundo são de outra ordem de magnitude. Para alguns deles, o problema não é a estagflação, mas a fome, como resultado do bloqueio do fornecimento de trigo dos portos do Mar Negro da Ucrânia.

Como disse David Beasley, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos: “Neste momento, os silos de grãos da Ucrânia estão cheios. Ao mesmo tempo, 44 ​​milhões de pessoas em todo o mundo estão marchando em direção à fome”.

Em todas as organizações multilaterais – o FMI, o Banco Mundial, a Organização Mundial do Comércio e as Nações Unidas – crescem os temores de uma catástrofe humanitária. A posição é simples: a menos que as nações em desenvolvimento sejam elas próprias exportadoras de energia, elas enfrentam um triplo golpe em que as crises de combustível e de alimentos desencadeiam crises financeiras.

Diante da escolha de alimentar suas populações ou pagar seus credores internacionais, os governos optarão pelo primeiro. O Sri Lanka foi o primeiro país desde a invasão russa a dar calote em suas dívidas, mas é improvável que seja o último. O mundo parece mais perto de uma crise de dívida total do que em qualquer momento desde a década de 1990.

Putin foi justamente condenado por “armamentar” alimentos, mas sua disposição de fazê-lo não deve ser surpresa. Desde o início, o presidente russo vem jogando um longo jogo, esperando que a coligação internacional contra ele se fragmente. O Kremlin acha que o limite da Rússia para problemas econômicos é maior do que o do Ocidente, e provavelmente está certo sobre isso.

Se fosse necessária a prova de que as sanções não estão funcionando, a decisão do presidente Joe Biden de fornecer à Ucrânia sistemas avançados de foguetes fornece isso. A esperança é que a tecnologia militar moderna dos EUA consiga o que as proibições de energia e a apreensão de ativos russos não conseguiram até agora: forçar Putin a retirar suas tropas.

A derrota completa de Putin no campo de batalha é uma maneira de a guerra terminar, embora, como as coisas estão, isso não pareça tão provável. Existem outros resultados possíveis. Um deles é que o bloqueio económico eventualmente funcione, com sanções cada vez mais duras forçando a Rússia a recuar. Outra é um acordo negociado.

Putin não vai se render incondicionalmente, e o potencial para graves danos colaterais da guerra económica é óbvio: queda dos padrões de vida nos países desenvolvidos; fome, distúrbios alimentares e uma crise da dívida no mundo em desenvolvimento.

As atrocidades cometidas pelas tropas russas significam que o compromisso com o Kremlin é difícil de engolir, mas a realidade económica sugere apenas uma coisa: mais cedo ou mais tarde um acordo será fechado.

Original, aqui: https://www.theguardian.com/…/russia-economic-war…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.