ISABEL II E SUA HERANÇA | Fonte – Washington Post

“Como herdeira aparente e depois rainha, Elizabeth talvez não estivesse a par de todos os detalhes sórdidos das operações realizadas para preservar seu império após o fim da Segunda Guerra Mundial e durante a década de 1960.

Isso inclui contra-insurreições brutais no que hoje são Malásia, Iémen, Chipre e Quênia – onde dezenas de milhares de pessoas foram detidas e torturadas pelas autoridades coloniais enquanto tentavam reprimir o movimento anticolonial Mau Mau.

Esses crimes só tardiamente levaram a um acerto de contas na Grã-Bretanha, com o governo pagando indenizações a algumas vítimas de suas políticas coloniais, enquanto ativistas pressionam pela remoção de estátuas e pela revisão dos currículos escolares que glorificam o império britânico.

Elizabeth se apresentou como a feliz administradora da Commonwealth, agora um bloco de 56 países independentes que todos, em algum momento, foram governados pela coroa britânica. Mas sua história dificilmente era benigna.

Continuar a ler