Boris Johnson, Brexit, Mentiras e Gravações Carlos Matos Gomes

(Com um apontamento ao filme Doctor Strangelove, a Peter Sellers e a Kubrick)

A internet tem também as suas vantagens — desvantagens para os aldrabões. Boris Johnson é hoje um afadigado caixeiro viajante a promover os interesses dos Estados Unidos na Ucrânia, como Blair o foi na invasão americana do Iraque.

http://www.voteleavetakecontrol.org/key_speeches_interviews_and_op_eds.html

O produto que Johnson se esfalfa por vender é a entrada da Ucrânia na União Europeia, isto tendo ele sido um dos mais entusiastas ativistas da saída do Reino Unido da UE. O que não servia para o Reino Unido serve e bem para a Ucrânia!

É evidente que a saída do Reino Unido da EU fazia parte da estratégia dos Estados Unidos de barragem de criação de um novo espaço político, económico e militar, de enfraquecimento da EU e da sabotagem de qualquer reforço da ligação da União à Rússia. É evidente que a entrada da Ucrânia na UE serve os propósitos dos Estados Unidos, que à custa dos ucranianos, enfraquecem a UE e dinamitam o estreitamento de relações desta com a Rússia.

Para cumprir a sua missão de sapador, Boris Johnson, como Blair, presta-se a todos os trabalhos sujos. Mente, desdiz-se e, tanto quanto se sabe, ainda se diverte em parties no gabinete.

Voltando à internet, uma busca sobre as afirmações de Boris Johnson sobre a UE no tempo em que ele era contra (2016) deu o resultado que aqui deixo resumido:

6 de Junho de 2016

Votar para ficar na UE é uma opção arriscada

Os perigos da continuação da adesão à UE para a economia, segurança, democracia e fronteiras do Reino Unido — posição dos deputados Michael Gove, Boris Johnson, Gisela Stuart e John Longworth.

A permanência do Reino Unido na UE “ Fecha a Grã-Bretanha num sistema que tem uma maioria permanente de votação para a zona do euro.”

Esta, a zona do euro, na opinião destes deputados, incluindo Boris Johnson, tem graves problemas económicos e está a ficar para trás na Ásia e na América. Tem alto desemprego, altas dívidas e baixo crescimento. Tem uma população que envelhece rapidamente e grandes responsabilidades com pensões não financiadas do setor público. Não conseguiu desenvolver as redes vitais entre universidades de classe mundial (das quais não tem nenhuma entre as 20 melhores), empreendedores e capital de risco, por isso não está liderando em novos campos, como inteligência de máquina, engenharia biológica e manufatura avançada.

Afirmaram os deputados:

O plano oficial da UE não é mudar de direção, é tirar ainda mais poderes da Grã-Bretanha;

A UE e o desonesto Tribunal Europeu são perigosos para a nossa segurança.

Se permanecermos, a UE planeia constituir um exército europeu.

Boris Johnson criticou as ligações entre os argumentos sobre democracia e economia:

Podemos ver em cada estágio de atuação da UE como a perda do controlo democrático se transforma num desastre econômico. O projeto europeu vai contra a corrente da História!”

8 de Junho de 2016

Michael Gove e Domique Raab, um deputado e o outro ministro da Justiça, conservadores do grupo de Johnson, ativistas do Vote Leave, o movimento que conduziu ao Brexit, afirmaram no Parlamento que a pertença à União Europeia diminui a segurança do Reino Unido e atacaram o Tribunal de Justiça Europeu. Dominic Raab, argumentou que “deixar a UE permitir-nos-ia retomar o controlo das nossas fronteiras e nossa capacidade de deportar criminosos.(É com base nesta liberdade que o governo do Reino Unido presidido por Johnson se prepara para deportar Julius Assange.)

Raab salientou que já existem problemas com os estados da UE que dificultam os controlos de fronteira e verificações de passaportes no Reino Unido, com a própria agência de fronteiras da UE, Frontex, admitindo que os documentos são falsificados de forma sistemática. Raab deu um exemplo de um jornal de agente imobiliário de Chipre que anuncia passaportes da UE: “Dado que isso já está a acontecer em grande escala, imagine o quanto esse problema será pior após a próxima onda de adesões à UE.” (Parece que esse problema terá sido resolvido, pois Boris Johnson, depois de ter conduzido a saída do Reino Unido, UE, é a gora a favor da entrada nela da Ucrânia, com a correspondente livre circulação de ucranianos (exceto no Reino Unido, presume-se. Johnson abre as portas da casa dos outros. E os outros, coma senhora Ursula Von Der Leyen à cabeça, aplaudem e incentivam a medida!)

Por sua vez, Michael Gove, então secretário da Justiça, afirmava que a adesão da Turquia é um perigo para a segurança. Sobre a Turquia, na altura, disse Gove: “O desenvolvimento democrático daquele país foi revertido sob o presidente Erdogan. Nós e a União Europeia deveríamos protestar da forma mais clara e ruidosa possível contra esta erosão das liberdades democráticas fundamentais. Mas, em vez disso, nós e a União Europeia estamos a fazer concessões atrás de concessões a Erdogan.” (atualmente a Turquia é um aliado com quem o Reino Unido negoceia concessões para a entrada da Suécia e da Finlândia na NATO)

15 de junho de 2016

Os deputados do grupo Vote Leave apresentaram no Parlamento Um novo quadro para retomar o controlo do UK e estabelecer um novo acordo Reino Unido-UE após 23 de junho, que propunha entre outras medidas:

– Projeto de lei financeiro especial: Abolir a taxa de 5% do IVA nas contas de energia doméstica. Isso será pago pelas economias das contribuições do Reino Unido para o orçamento da UE.

– Projeto de Lei do Serviço Nacional de Saúde. Transferência de 100 milhões de Libras por semana para o NHS, além dos planos atuais, a serem pagos pela poupança com as contribuições do Reino Unido para o orçamento da UE, por exemplo, não pagar os biliões que o TJE deu ordem ao Reino Unido para pagar em compensação dos benefícios fiscais concedidos às multinacionais que evitam impostos instalando-se Reino Unido. (um reconhecimento implicito de que o Reino Unido era e é um gigantesco paraíso fiscal!).

– Projeto de Controle de Asilo e Imigração. Fim do direito automático de entrada no Reino Unido de todos os cidadãos da UE. Os cidadãos da UE estarão sujeitos à lei do Reino Unido e não à legislação de imigração da UE. O projeto de lei também abolirá o controle do Tribunal Europeu sobre a política de asilo –

  • Comércio Livre. O Reino Unido abandonará a “política comercial comum” da UE.

– Lei das Comunidades Europeias. Os Tratados da UE deixarão de fazer parte da lei do Reino Unido e a jurisdição do Tribunal Europeu sobre o Reino Unido será banida. O Reino Unido deixaria de fazer contribuições para o orçamento da UE.

16 Junho 2016

Carta de deputados do Vote Leave (Boris Johnson) ao Primeiro-ministro e Ministro dos Negócios Estrangeiros contra a adesão da Turquia à UE:

(…)os eleitores vão querer saber a resposta a duas perguntas:

É política do Governo 1) vetar a adesão da Turquia à União Europeia e a continuação das negociações de adesão, e 2) impedir a extensão da isenção de visto para a Turquia, prevista para este ano?

Se o governo não puder dar essa garantia, o público chegará à conclusão razoável de que a única maneira de evitar ter fronteiras comuns com a Turquia é votar pela saída da UE e retomar o controlo do país em 23 de junho.

Finalmente, pode confirmar se é política do governo não aceitar mais reformas das leis e regulamentos de ‘livre circulação’ da UE?

Com os melhores cumprimentos, Deputado Michael Gove; Deputado Boris Johnson; Deputada Gisela Stuart.

23 de Julho de 2019

Boris Johnson: What is his Brexit plan? By Reality Check team BBC News

O ex-ministro das Relações Exteriores (B. Johnson) prometeu que o Reino Unido deixará a UE em 31 de outubro, “ou o faz, ou morra”, aceitando que um Brexit sem acordo acontecerá se um acordo não puder ser alcançado até lá. Ele considerou morto o acordo de saída negociado pela primeira-ministra Therese May, mas diz que vai “pegar os pedaços” que mereçam ser considerados de interesse — como garantir os direitos de 3,2 milhões de cidadãos da UE no Reino Unido — (que asseguram serviços essenciais)

Termino com o final do discurso de Chris Grayling, deputado conservador do Movimento Vote Leave, a que pertencia Boris Johnson, proferido a 31 de Maio de 2016: “Devemos votar a saída do Reino Unido da União Europeia para proteger nossa soberania e democracia. (agora Johnson propõe a entrada da Ucrânia para esta defender a sua soberania e a sua democracia!)

O deputado Chris Grayling, líder da Câmara dos Comuns, terminou o discurso resumindo-o com a resposta à sua pergunta: Então qual é o problema?

O problema é este: Já estamos fora do Euro e do Espaço Schengen, mas em todo o resto estamos sujeitos a todas as leis introduzidas pela UE e na Zona Euro: Sobre serviços bancários e financeiros; sobre a regulamentação empresarial; sobre política social da UE, na chamada Europa Social. Assim, quando houver novas regras da UE sobre pensões, competências e saúde, elas também se aplicarão a nós. Sem Brexit (opt-out) mais milhões de pessoas podem aceder aos nossos serviços gratuitos à medida que países como Albânia, Sérvia e Turquia se juntam à UE.

O que acontecerá connosco se permanecermos na UE?

A nossa influência diminuirá. A nossa soberania diminuirá. A nossa capacidade de definir o nosso próprio interesse nacional diminuirá. (…)

O deputado do Vote Leave, correligionário de Boris Johnson terminou o seu patriótico discurso afirmando:

Senhoras e senhores, isso (a UE) não é para nós! Quero que vivamos num país independente e soberano!

Para os militantes do Brexit, à cabeça dos quais estava Boris Johnson em 2016 a U E não era para os ingleses, mas para o mesmo Johnson, depois de ter saído da UE, que não servia a independência e a soberania do Reino Unido, já é uma excelente e indispensável organização para a Ucrânia defender a sua independência e soberania!

Em resumo, o racismo inglês no seu melhor. Para quem é (a Ucrânia), bacalhau (a UE) basta!

Uma nave de loucos? O doutor Strangelove está na ponte de comando?

Os líderes da UE, presidentes de Comissão, do Conselho, o Borrell, os chefes de governo ficam muito contentes e honrados com este tratamento de democratas de segunda com que Boris Jonhson os trata. Ele é visita frequente de Zelenski.

É a personalidades como esta, como Boris Johnson, que está entregue a condução da política europeia, do destino de milhões de cidadãos. O Stanley Kubrick bem nos avisou que eles existiam!

Carlos Matos Gomes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.