O Mundo virado da cabeça para os pés | por Carlos Matos Gomes

O jornal inglês The Guardian titulava um artigo de opinião a propósito da reunião do G/ na Alemanha do seguinte modo: “G7 com agenda cheia num mundo virado de cabeça para baixo” — Em inglês:” G7 grapples with packed agenda of world turned upside down”.

“A agenda da reunião do G7 revela como o mundo virou de cabeça para baixo desde que os líderes dos estados industrializados se encontraram pela última vez na Cornualha, há um ano, numa cimeira presidida pela Grã-Bretanha, em grande parte para se concentrar na ameaça representada pela China.

Antes da cimeira na Alemanha, Boris Johnson emitiu um alerta para que o Ocidente não demonstre fadiga de guerra, um ponto que será ecoado quando o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, discursar na reunião por videoconferência. Espera-se que ele saliente as dificuldades que as suas tropas enfrentam no leste da Ucrânia, bem como a necessidade de armas mais pesadas de longo alcance.”

Entretanto, a 27 de Junho, decorrerá em Lisboa a Conferência dos Oceanos. “As Nações Unidas, com o apoio dos Governos de Portugal e do Quénia, acolhem a Conferência dos Oceanos, em Lisboa, de 27 de junho a 1 de julho de 2022. A Conferência é um apelo à ação pelos oceanos — exortando os líderes mundiais e todos os decisores a aumentarem a ambição, a mobilizarem parcerias e aumentarem o investimento em abordagens científicas e inovadoras, bem como a empregar soluções baseadas na natureza para reverter o declínio na saúde dos oceanos. A Conferência dos Oceanos acontece num momento crítico, pois o mundo procura resolver muitos dos problemas profundamente enraizados nas nossas sociedades e evidenciados pela pandemia da covid-19. Para mobilizar a ação, a Conferência procurará impulsionar as muito necessárias soluções inovadoras baseadas na ciência, destinadas a iniciar um novo capítulo na ação global pelos oceanos.” (do site da ONU)

Nenhum dos participantes da cimeira do G/ estará presente na Conferência dos Oceanos, embora estes representem 70% da superfície do planeta!

De 29 a 30 de Junho decorrerá em Madrid mais uma cimeira da NATO, onde estarão presentes os mesmos ilustres queridos líderes, com exceção do primeiro-ministro japonês, para, segundo nota do governo português: “analisar as consequências da invasão da Ucrânia pela Rússia e aprovar o novo Conceito Estratégico da Aliança, o qual indicará o rumo para a adaptação da NATO aos exigentes desafios que o mundo em mudança acelerada coloca à segurança e defesa dos países Aliados.”

Segundo o site Ukrinform, do governo ucraniano, Zelensky falará aos trinta chefes de governo da NATO na primeira sessão da cimeira de Madrid, como habitualmente através de videoconferência.

As prioridades dos líderes dos 7 países mais industrializados do mundo, os líderes dos trinta países membros à maior aliança militar do mundo vão, como se comprova, fornecer armas à Ucrânia e ouvir mais uma vez Vladimir Zelenski pedir mais armas.

Nenhum dos líderes dos países do G7 referiu uma só vez a palavra paz, nem oceanos, nem planeta. Pelo contrário, prestaram-se à bravata de brigões de rua de desafiar Putin com a frase de rufias a que só faltou cuspir para o chão: “ Vamos mostrar os nossos músculos do peito ao gajo!” — (‘Show them our pecs’: G7 leaders mock Putin’s bare-chested horse-riding) acompanhado, segundo o The Guardian, por um início de streaptese de Boris Johnson e Trudeau depois da sessão oficial de fotografias em que surgem de camisa. Cenas de Big Brother de TV para espetadores adeptos de intimidades e jogos de espelhos.

Tudo na boa, malta! — dizem-nos os lideres, também exibicionistas. Queridos lideres. Tão queridos (pelo menos) quanto o moço da Coreia do Norte. Que, tendo o mesmo sentido democrático de Zelenski, pelo menos não faz figura de bebé chorão e trata de se defender com os seus meios do destino que os G 7 deram ao Saddam Hussein e ao Khadafi, sem dar passos maiores que as pernas.

É neste Titanic e com esta tripulação na ponte que estamos embarcados. Passageiros de terceira classe, encafuados nos porões. Entretanto há música para os que se vão afundar, desde o Rock em Rio, em Lisboa, ao Glastonbury Festival (o segundo maior festival de música ao ar livre no mundo) em Somerset, Inglaterra, onde a pobreza e a fome já chegaram à comunicação social.

https://www.theguardian.com/world/2022/jun/27/show-them-our-pecs-g7-leaders-mock-putins-bare-chested-horse-riding

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.