“O que o Ocidente vê como ‘universal’, o não-Ocidente vê como ‘Ocidental’.” Penso que este ponto é o calcanhar de Aquiles da estratégia de Biden | Shigesaburo Okumura Editor-chefe, Nikkei Asia

A nossa Grande História desta semana centra-se no Quad, o agrupamento dos EUA, Japão, Austrália e Índia, e a provável defesa de Taiwan no futuro dos avanços da China. O nosso correspondente diplomático Ken Moriyasu salienta que, do ponto de vista norte-americano, o envolvimento da Índia é de extrema importância para conter a China e que a visita do Presidente norte-americano Joe Biden a Tóquio foi bem sucedida nesse sentido.
 
Pessoalmente, estou impressionado com uma citação do livro do cientista político Samuel Huntington “O Choque das Civilizações e a Reprodução da Ordem Mundial”, em que escreve: “O que o Ocidente vê como ‘universal’, o não-Ocidente vê como ‘Ocidental’.” Penso que este ponto é o calcanhar de Aquiles da estratégia de Biden.
 
Concordo com a opinião de Bilahari Kausikan, antigo secretário permanente do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Singapura. Ele diz: “Nem todos os países desta região acham todos os aspetos da democracia ocidental universalmente atraentes, nem acha todos os aspetos do autoritarismo chinês universalmente abomináveis.” Como Bilahari observou: “O mundo é um lugar muito mais complexo.”

Continuar a ler

RÚSSIA E CHINA MANDAM RECADO A BIDEN

Voo perto da Coreia do Sul e do Japão foi primeira ação do tipo desde Guerra da Ucrânia | Igor Gielow

FOLHA DE SÃO PAULO

China e Rússia deram um recado militar ostensivo aos EUA ao longo desta terça (24), enquanto o presidente Joe Biden se reunia no Japão com aliados contrários a Pequim na região do Indo-Pacfíco.

Ao menos dois Tu-95 russos e dois H-6K chineses, ambos bombardeiros com capacidade de emprego nuclear, foram escoltados por dois caças Su-30SM russos em um voo de 13 horas sobre o mar do Japão, passando pela Zona de Identificação de Defesa Aérea de outro aliado americano, a Coreia do Sul, que foi visitada por Biden no fim de semana.

A zona não é o espaço aéreo, mas uma área em que aviões se identificam para evitar mal-entendidos de intenções. O grupo seguiu de lá para perto das fronteiras japonesas. Tanto Seul quanto Tóquio enviaram caças F-2 e F-15, respectivamente, para acompanhar o movimento. Não houve incidentes, mas o ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi, considerou o episódio “grave”.

Continuar a ler