Somos uma tragédia? Tem dias | Francisco Louçã | in Jornal Expresso

Não sei se o pânico instalado com o coronavírus alterará a agenda do segundo congresso de um pomposo Movimento Europa e Liberdade, que se propõe nada menos do que refundar a direita na Culturgest, hoje mesmo. Seria pena, essa refundação faz tanta falta. Ao que informa o Expresso, a promoção do evento invoca as questões fundamentais da nossa existência coletiva: “Estará Portugal condenado? As novas desigualdades são superáveis? Somos uma tragédia? O Estado de Direito foi capturado pelos interesses? A ditadura do politicamente correto está a destruir-nos? Há saídas?”. O MEL não se limita a questionar, quer abrir soluções e, por isso, lança ainda a pergunta tremenda: “E quem é que protagoniza a alternativa à extrema-esquerda e ao socialismo radical?” Quem se oferece parece que tem que picar o ponto no congresso.
Candidatáveis, são bastantes. Diz-se que Portas, Júdice, Ventura, Cotrim de Figueiredo, o novel líder do CDS, Paulo Mota Pinto e Poiares Maduro abrilhantarão o evento, que os organizadores chamam de “primárias da direita”, sabe-se lá porquê. Mesmo que não conste que vão a votos, ou que apresentem currículos ou sequer propostas, os oradores passear-se-ão por estas “primárias”, que serão pelo menos um evento social, coisa grande quando se pergunta com inquietação se “somos uma tragédia”, claro que tudo por causa da “ditadura do politicamente correto”.
Candidamente, a convocatória repete os refrões brasileiros, nos termos exatos dos bolsominions, desta vez com “Portugal condenado”, a penar uma feroz “ditadura” sob um “socialismo radical”, que até foi ovacionado no dia anterior pelas associações patronais por se dispor a facilitar o lay off no contexto da epidemia. Ora, são linguagens dos dias que correm, quem ligaria a estas “primárias” se elas não prometessem sangue, Europa e liberalismo?


Há, no entanto, um sintoma curioso neste congresso, que nos diz muito sobre a falta do tal guru que deve “protagonizar a alternativa à extrema-esquerda e ao socialismo radical”. É que não são os partidos que juntam a congregação, aliás seriam incapazes de o fazer, mas sim personalidades ilustres do mundo dos negócios. Neste caso, é Jorge Marrão, nada menos do que o Real Estate Sector Leader Head of Clients & Markets, Head of Innovation and Head of Marketing, Communications and Business Development da Deloitte. A consultora até sugere que criou uma associação para preparar propostas deste tipo: “O Jorge Marrão lidera o setor de Real Estate em Portugal. Além dos segmentos tradicionais de Real Estate, tem ainda a responsabilidade de Mergers & Acquisitions (fusões e aquisições) em Hotelaria. Ainda a seu cargo está a área de Marketing, Communications and Business Development. Adicionalmente, representa a Deloitte Portugal na rede global, pela área de Clients & Industries. É presidente da Associação Projeto Farol, uma iniciativa lançada pelo think tank, Deloitte Circle, focada em apresentar um conjunto de propostas sobre a economia portuguesa, na próxima década.” Pois eis as propostas, numa sala de congressos perto de si.
Noutras encarnações, já houve tentativas deste tipo, a mais nobre tendo sido o Compromisso Portugal, que juntou centenas de empresários, a nata do capital, para lançar o que então foi anunciado como “uma nova geração” de decisores. Apregoava-se que produziriam um modelo económico para sair da “cauda da Europa” em dez anos. Passaram dezasseis e continuamos instalados na cauda da Europa, mesmo que os compromissórios tivessem tido todo o poder, uma maioria absoluta com Durão Barroso e depois Santana Lopes, um governo afável aos grandes projetos com a maioria absoluta do PS e, depois, o poder mais absoluto com a troika e a maioria PSD-CDS. Não lhes faltou nada, mas o melhor resultado do Compromisso Portugal foi António Mexia passar da presidência da GALP para a da EDP, a Somague de Diogo Vaz Guedes ser integrada na Sacyr e o resto ter ido à sua vida. Até ao dia em que o Real Estate Sector Leader Head of Clients & Markets, Head of Innovation and Head of Marketing, Communications and Business Development da Deloitte retoma a candeia e lança as suas “primárias”. Espero que os barões não faltem, seria um desgosto.
(no Expresso)

Francisco Louçã

Retirado do facebook | Mural de Francisco Louçã

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.