A nossa perigosa aliança por causa do Donbass | por Doug Bandow* / in American Conservative | “As advertências de George Washington”

A classe diplomática (dos EUA) esqueceu completamente as advertências de “George Washington” sobre relações especiais com nações estrangeiras.

O governo Biden está apostando tudo na Ucrânia. As autoridades (americanas) estão abandonando cada vez mais a cautela necessária para evitar que os Estados Unidos se tornem co-beligerantes contra a Rússia.

Sucedem-se carregamentos de armas para Kiev e as entregas já se fazem abertamente. É importante ressaltar que o governo mudou seus objetivos de “ajudar a Ucrânia” para “enfraquecer a Rússia”.

Tanto o presidente George Washington quanto o secretário de Estado John Quincy Adams alertaram os americanos sobre este tipo de comportamento. No entanto, já não é a primeira vez nos últimos anos que isto acontece nos EUA. Os funcionários parece que se esquecem de qual o país que deveriam representar.

Em agosto de 2008, os EUA aproximaram-se do limite com a Rússia sobre a república da Geórgia. Depois de tirar vantagem da fraqueza de Moscovo no pós-Guerra Fria, empurrando a OTAN cada vez mais para o leste e desmantelando a Iugoslávia no conflito sobre Kosovo, o governo George W. Bush prometeu adicionar a Ucrânia e a Geórgia à aliança “transatlântica”.

Moscovo respondeu apoiando os separatistas na Geórgia, que há muito resistiam ao governo de Tbilisi. O sempre imprudente presidente dessa nação, Mikheil Saakashvili, estava convencido de que os EUA o apoiariam e bombardeou as tropas russas que protegiam o estado da Ossétia do Sul. Moscovo retaliou.

Sempre se exibindo para as câmeras, o candidato presidencial John McCain, um dos primeiros defensores de guerras sem fim, insistiu que “hoje somos todos georgianos”. Pior ainda, funcionários do governo Bush, demonstrando arrogância tingida de insanidade, debateram o ataque às forças russas. Tendo já lançado um conflito eterno no Afeganistão e desencadeado conflitos sectários ruinosos no Iraque, eles ponderaram criar um impasse nuclear comparável à crise dos mísseis cubanos.

E em nome de quê? Não em defesa da independência, liberdade ou segurança americanas. Mas envolvendo-se numa luta geopolítica trágica, mas irrelevante, que dura há séculos, como tantas outras que existem pelo globo. Embora fosse fácil simpatizar com a situação da Geórgia, não havia nada no Cáucaso que justificasse ir para a guerra, especialmente com uma potência com armas nucleares.

Pior ainda, Saakashvili procurou manipular a América em um conflito potencialmente perigoso para recuperar um território que há muito resiste ao controle georgiano.

Há mais de dois séculos atrás, o primeiro presidente dos Estados Unidos, George Washington, previu esse tipo de subserviência obsequiosa a outras nações. Talvez essa tendência não fosse surpreendente na época. As colónias conquistaram sua independência com o apoio da França e da Espanha. Os Estados Unidos da América mal estavam unidos. A nova nação era um mero contrapeso nos assuntos internacionais. Traçar um curso independente não foi fácil.

No entanto, mesmo depois que os E.U.A. tornou-se uma superpotência e o estado mais poderoso do mundo, ainda acabou escravizado por outras nações e escravo de outros governos. Países tão variados como Grã-Bretanha, Arábia Saudita, Israel, Taiwan, Emirados Árabes Unidos, Geórgia e vários na Europa Oriental influenciaram os EUA com políticas a seu favor. Normalmente, obtiam favores especiais como “aliados”, fazendo com que os Estados Unidos tratassem seus adversários como inimigos, ou ambos. Hoje, um fenômeno semelhante está ocorrendo com a Ucrânia.

Em seu famoso “Discurso de Despedida”, Washington escreveu em um momento em que a França buscava o apoio da nova nação contra a Grã-Bretanha.

Ele advertiu seus compatriotas que “nada é mais essencial evitar do que antipatias permanentes e inveteradas contra certas nações e ligações apaixonadas por outras; em vez disso, que se cultivem sentimentos justos e amigáveis com todos. Toda a nação que encara outra com ódio ou cultiva por uma outra afeição particular é, em algum grau, uma escrava. É escrava de sua animosidade ou de sua afeição, o que é suficiente para desviá-la de seu dever e do seu interesse”.

Ambas as emoções tiveram impactos negativos. Por exemplo, “o apego apaixonado de uma nação por outra produz uma variedade de males. A simpatia pela nação favorita, facilitando a ilusão de um interesse comum imaginário nos casos em que não existe nenhum interesse comum real, e infundindo em uma as inimizades da outra, trai a primeira para uma participação nas brigas e guerras da segunda sem a devida indução ou justificação”.

O outro lado da moeda também era perigoso. Disse Washington: “A antipatia de uma nação contra outra dispõe cada uma mais prontamente a oferecer insultos e injúrias, a se apoderar de pequenas causas de ressentimento e a ser arrogante e intratável, quando ocorrem ocasiões de disputa acidentais ou insignificantes. Daí as colisões frequentes, as disputas obstinadas, envenenadas e sangrentas. A nação, movida por má vontade e ressentimento, às vezes impele à guerra contra o governo, contrariando os melhores cálculos da política”.

A guerra Ucrânia-Rússia se encaixa cada vez mais na análise de Washington. Kiev merece a simpatia e o apoio da América. Embora a intransigência aliada tenha ajudado a levar ao conflito, a invasão foi injustificada, e Moscovo tem total responsabilidade por sua decisão de atacar seu vizinho. No entanto, E.U.A. o apoio deve ser temperado pelo reconhecimento de que a Ucrânia não é importante, muito menos vital para a segurança americana. Portanto, qualquer assistência deve ser adaptada para evitar conflitos com a Rússia. Uma guerra convencional com aquele país seria ruim; um embate nuclear seria uma catástrofe.

Ainda assim, as autoridades dos E.U.A. estão aumentando seu apoio à Ucrânia, aparentemente sem se importar com os riscos. Antony Blinken e Lloyd Austin, secretários de Estado e de Defesa, respectivamente, visitaram Kiev em uma ostensiva demonstração de apoio. O governo aprovou recentemente outra rodada de carregamentos de armas, sob medida para os combates no leste.

Além disso, os homens de Biden acentua, cada vez mais seu foco na Rússia. Antes da invasão de Moscovo, o governo americano recusou-se a tratar seriamente as preocupações de segurança que o presidente russo, Vladimir Putin, havia articulado por mais de uma década.

Ora a verdade é que os E.U.A. nunca teria tolerado que outra grande potência, seja a Rússia, a China ou qualquer outra, fizesse no Hemisfério Ocidental o que os EUA se permitem fazer na Europa.

No entanto, duas semanas após o início do conflito, o presidente Joe Biden insistiu que “o confronto direto entre a OTAN e a Rússia é a Terceira Guerra Mundial, algo que devemos nos esforçar para evitar”. No entanto, isso parece estar mudando. Por exemplo, o presidente se declarou a favor da mudança de regime, tentando de forma pouco persuasiva devolver sua declaração como uma opinião pessoal. Agora Austin diz que o objetivo do governo – sem nenhuma tentativa de camuflar sua posição como uma explosão emocional – é uma Rússia “enfraquecida”. Isso chega muito perto de declarar Moscovo como um inimigo.

No geral, os objetivos de Biden parecem cada vez mais anti-Moscovo e pró-Kiev. Notou David E. Sanger do New York Times: “Austin e outros no governo Biden estão se tornando mais explícitos sobre o futuro que veem: anos de contínua disputa por poder e influência com Moscovo, o que de certa forma se assemelha ao que o presidente John F. Kennedy chamou de ‘longa luta crepuscular’ da Guerra Fria”.

Muito pior é a possibilidade de uma guerra quente. Sem dúvida, o presidente é sincero em seu desejo de evitar um conflito nuclear com a Rússia. No entanto, muitas guerras começam inadvertidamente e descuidadamente. Quanto mais aberta e extensivamente os E.U.A. intervém, maior a probabilidade de que Moscovo retalie, com possível escalada de ambos os lados.

A Rússia já elevou a temperatura retórica, alertando “os Estados Unidos e seus aliados para deter a militarização irresponsável da Ucrânia, que implica consequências imprevisíveis para a segurança regional e internacional”.

Mais ameaçadoramente, na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, declarou: “A OTAN, em essência, está engajada em uma guerra com a Rússia por meio de um procurador e está armando esse procurador. Guerra significa guerra.” Ele reiterou a ameaça, enfatizando que “eu não gostaria de elevar esses riscos artificialmente. Muitos gostariam disso. O perigo é sério, real. E não devemos subestimá-lo.”

Aqueles inclinados a descartar o perigo devem lembrar que praticamente ninguém imaginou que Putin ordenaria uma invasão em larga escala da Ucrânia. O conflito é muito mais importante para a Rússia do que para os EUA; o primeiro vai gastar e arriscar muito mais do que a América para ter sucesso.

Além disso, se a ofensiva de Moscovo a leste for detida, o regime provavelmente contemplará o uso completo de seu maior poder de fogo, potencialmente incluindo armas nucleares táticas. Na medida em que Putin acredita que os EUA e a assistência militar aliada for a culpada pelas perdas da Rússia, ele estará mais inclinado a atacar esses carregamentos, um alvo militar legítimo, mesmo que isso possa desencadear uma escalada.

George Washington previu outra consequência de uma atitude de tudo ou nada, “all in”, em relação aos governos estrangeiros.

“Quantas oportunidades [as ligações estrangeiras] oferecem para adulterar facções domésticas, praticar as artes da sedução, enganar a opinião pública, influenciar ou temer o conselho público.”

Jornalistas e grupos de reflexão se transformaram em operações de relações públicas em nome de Kiev. Pior ainda, a campanha dos gigantes jornalísticos e das redes sociais contra as “notícias falsas” tornou-se uma proibição de visões opostas. Embora a Ucrânia tenha melhores argumentos do que a Rússia, isso não é motivo para impedir que os críticos defendam as posições de Moscovo.

Algumas décadas após a palestra de Washington, John Quincy Adams, então secretário de Estado e depois presidente, acrescentou seu aviso:

“Onde quer que o padrão de liberdade e independência tenha sido ou venha a ser desfraldado, ali estará seu coração, suas bênçãos e suas orações. Mas ela não vai para o exterior, em busca de monstros para destruir. Ela é a defensora da liberdade e independência de todos. Ela é a campeã e defensora apenas dela mesma. Ela elogiará a causa geral pelo semblante de sua voz e pela simpatia benigna de seu exemplo. Ela sabe muito bem que, uma vez se alistando sob outras bandeiras que não as suas, mesmo que fossem as bandeiras da independência estrangeira, ela se envolveria além do poder de desencarceramento, em todas as guerras de interesse e intriga, de avareza individual, inveja e ambição. , que assumem as cores e usurpam o padrão de liberdade.”

Embora os E.U.A. ainda afirmem ser a “terra dos livres”, há muito tempo deixaram de ser uma potência republicana para se tornarem uma potência imperial. Os custos resultantes nas últimas duas décadas foram altos. Entrar agora, desnecessariamente, em guerra com a Rússia,seria muito pior.

Ao ajudar a Ucrânia, as autoridades americanas devem lembrar que sua responsabilidade é com os EUA. primeiro. Na verdade, eles deveriam reler o discurso de despedida de Washington. Sim para ajudar estados amigos sob ataque. Não para se tornar escravo de interesses estrangeiros. Infelizmente, os formuladores de políticas dos EUA falham cada vez mais em distinguir as duas coisas.

*Doug Bandow é membro sénior do Cato Institute. Ex-assistente especial do presidente Ronald Reagan, ele é autor de Foreign Follies: America’s New Global Empire.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.