Deunice Maria Andrade | Gigantes de nós mesmos

Perséfone Diana

Plantar a cântaros

amiúde renovar a terra,

esvaziar a sobra

purificar recantos,

expatriar o nativo bárbaro.

Colher a palavra grave,

pausar o silêncio,

cantar a brandura,

ouvir a paroxítona,

entender o teor enclaustrado.

Retorquido e vencido,

acabara a fala.

O filho da palavra despido,

abandonado de pé, erguido…

O livro aberto o colóquio mudo.

Aquebrantado, vazio de tudo,

dor lancinante que sangra.

Roga ao mestre,

que devolva-lhe a língua.

Bebe-se do fel, fugitivo do mundo.

Dois cântaros, duas celas

a visão aponta pequeno consenso.

A sobriedade em seu íntimo calado…

O intelecto mostra a união a todos.

O deus da noite e do dia…

Mais limpo do que o cântaro lavado

do que a cela limpa…

O espaço não inibe a ação dos atos…

A mudez está na acomodação.

A constante violência

aniquilando o nosso “eu pequeno”…

Fará nascer a cada despedida um nascimento

gigantes,de nós mesmos.

Mata-se ódio…

Mata-se o preconceito…

Mata-se a ignorância…

Nascentes de palavras

brotam-se pela boca,

fazendo redemoinhos somos a renúncia solitária.

Em celeiros o feno armazenado…

É a parábola que alimenta o homem.

Viventes as palavras sobrevivem

a longitude das heras.

Não matará a construção das letras…

Tempo que nos leva, que nos mata…

No seu inverso só aumenta o universo,

da mente sã, sem clausura

que aprendeu a gritar com o monge do tempo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.