O OCIDENTE TENTOU ISOLAR A RÚSSIA – MAS NÃO FUNCIONOU | Por Anton Troianovski, Lauren Leatherby, Weiyi Cai e Josh Holder | New York Times

Depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, o Ocidente formou o que parecia ser uma coligação global esmagadora: 141 países apoiaram uma moção das Nações Unidas exigindo que a Rússia se retirasse incondicionalmente.

Em contraste, a Rússia parecia isolada. A Coreia do Norte foi um dos quatro únicos países que apoiaram a Rússia e rejeitaram a medida.

Mas o Ocidente nunca conquistou tanto o mundo quanto parecia inicialmente. Outros 47 países se abstiveram ou perderam a votação, incluindo Índia e China. Muitas dessas nações “neutras” desde então forneceram apoio económico ou diplomático crucial à Rússia.

E mesmo algumas das nações que inicialmente concordaram em denunciar a Rússia veem a guerra como um problema que não é seu – e desde então começaram a orientar-se para uma posição mais neutra.

Um ano depois, está ficando mais claro: embora a coligação central do Ocidente permaneça notavelmente sólida, ela nunca convenceu o resto do mundo a isolar a Rússia.

Continuar a ler

10 “estratégias de manipulação” através dos média | NOAM CHOMSKY

NOAM CHOMSKY: “A MAIORIA DAS PESSOAS NÃO SE DÃO CONTA DO QUE ESTÁ ACONTECENDO DE FATO E SEQUER SABEM QUE SÃO IGNORANTES A ESSE RESPEITO”

Em sua obra necessária e contundente, o filósofo estadunidense Noam Chomsky elaborou a lista das “10 estratégias de manipulação” através dos média:

1- A ESTRATÉGIA DA DISTRACÇÃO

O elemento primordial do controle social é a estratégia da distracção que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e económicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distracções e de informações insignificantes. A estratégia da distracção é igualmente indispensável para impedir ao público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neuro-biologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais (citação do texto ‘Armas silenciosas para guerras tranquilas’)”.

2- CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES

Continuar a ler

Conceções do Mundo | Carlos Matos Gomes

Qualquer entendimento do mundo deve partir de reconhecimentos basilares: o homem é um ser vivo que se encontra determinado pela natureza e esta engloba o seu próprio corpo como o mundo exterior.

A dependência, ou existência do seu corpo, com os impulsos animais que o governam, determinam o seu sentimento vital de sobrevivência e a sua consciência dota-o de uma conceção do mundo. O mundo é o meio onde o homem existe. Meios distintos originam diferentes conceções do mundo. «Na fome, no impulso sexual, na velhice e na morte, o homem vê-se sujeito aos poderes da vida natural. É natureza.» Os tipos de conceção do mundo, Wilhelm Dilthey

Perceber a realidade exige conhecer as conceções do mundo dos homens e das sociedades em presença. Nós, os portugueses e os europeus em geral como membros da civilização que mais se difundiu pelo planeta devíamos ter aprendido a indispensabilidade de conhecermos as conceções dos outros para nos relacionarmos de forma vantajosa. A realidade da história, de hoje, demonstra que nada aprendemos, ou então que mantemos a convicção de que é o confronto e a imposição da nossa conceção a atitude que mais nos convém e que a arrogância supremacista é a marca da nossa civilização.

Continuar a ler