As Fúrias da Televisão — Oresteia e as Erínias | Carlos Matos Gomes

Vejo pouca televisão. A televisão interessa-me mais enquanto meio de manipulação de opinião (a sua verdadeira função) do que como meio de informação ou de entretenimento. Já vi menos. Agora mais, por efeito colateral do cofinamento. Vou percorrendo as estações. Há menos anúncios, logo, menos dinheiro, mais luta interna, mais espaço para cada estação mostrar os seus interiores, a sua alma, a natureza do seu produto e dos seus vendedores. A verdadeira face. Os anúncios são do melhor que as televisões apresentam, juntamente com alguns documentários. Sem anúncios, com poucos documentários, sem a peixeirada à volta do futebol, resta a televisão propriamente dita, sem maquilhagem, entregue ao seu elenco residente e aos seus guiões descarnados como os chifres de um touro que está na arena, às lutas de bastidores que são sempre o recheio mais interessante das peças, sejam farsas sejam comédias, sejam tragédias.

Tenho andado à procura nos clássicos — há tempo para os clássicos em tempos de confinamento, e eles disseram o que havia a dizer de essencial sobre a natureza humana — de referências para o que vai passando pelo palco liso dos ecrãs e imaginando o reboliço nos camarins, nos corredores. As mensagens explícitas e as sublimares. Descobri que todas as estações de televisão exibem perante nós, mais ou menos condenados à assistência, versões da Oresteia, a Triologia de Orestes, peças do dramaturgo grego Ésquilo, que o CCB apresentou em 2018.

Os repórteres e os apresentadores (m/f) colocam nos ecrãs vinganças, mortes e sangue que ocorrem nas famílias do país e nós imaginamos através da agressividade dos “televisivos”, os mesmos Agamémnones das tragédias, assasinados pelas esposas, conluiadas com os amantes, que matam os/as filhos/as. Imaginamos as lutas pelo poder de aparecer de pivô a julgar, a condenar, a perororar, a manchar uma reputação, seja a de um vizinho de bairro, seja a de um vizinho de carteira na redação do estúdio.

Nas ‘Coéforas’, Orestes, filho de Agamémnon e Clitemnestra, vinga a morte do pai, assassinando a sua mãe e também Egisto. Orestes tem o apoio da irmã Electra e do deus Apolo, mas é imediatamente atacado pelas Erínias e enlouquece. O principio das televisões, é o de Ésquilo, “A Justiça (a nossa) lutará contra a Justiça, (a dos outros) e sou eu (o televisivo) que julgo.»
Para os deuses da televisão, como para os do Olimpo, o destino dos homens está nas suas mãos. Os que aparecem no ecrã perguntam-se: Seremos deuses? Se não são tudo farão pare serem. Este é o espetáculo das TVs: homens e mulheres em luta para serem os deuses que aparecem aos comuns mortais a imporem a sua lei, a sua visão do mundo, a julgar, a condenar!

Confrontar-nos com um mundo destes — o dos deuses que conseguem um lugar no ecrã — é sermos convocados a fazer parte dele, a assumir a esquizofrenia dos estúdios e das reportagens no exterior. Mas há aqueles que não podem escapar a prestarem-se ao papel de aparecerem, de darem a cara, sob pena de serem acusados de cobardia ou de falsos inocentes com um crime no bolso. Os “televisivos” têm de atirar carne ao fosso dos leões!
As televisões e os seus deuses da justiça são o tribunal, os juízes e os carrascos que, como nas Euménides, julgam os mortais. Na obra de Ésquilo, todos os que caíam nas mãos das Erínias eram, por princípio, culpados e tinham de expiar culpas. Os deuses e as deusas da informação e da investigação são as Erínias modernas e cada um os/as identificará como melhor entender. As Erínias, as mais alucinadas, aparecem entre as oito da noite e as onze da noite. Quando alguém vai à televisão, vai para fazer o contraponto à atuação de uma Erínia, é um punching ball, um saco para socos do boxe. Está condenado à partida, porque o “apresentador”, tal como as Erínias, tem de o matar para sobreviver, garantir o seu lugar diante da câmara. O deus diretor, após uma entrevista, avalia o seu executor elogiando-o: “deste cabo do gajo!” Tens direito a mais tempo de antena. Ou, pelo contrário, critica-o: “Não tens espírito assassino!”, passas aos programas infantis”.

As Erínias, na mitologia grega, personificavam a vingança. Na mitologia romana, eram chamadas Fúrias. Na mitologia audiovisual nacional podem atribuir aos furiosos e às furiosas os nomes que considerarem apropriados, em masculino e feminino. Pavorosas, possuíam asas de morcego e cabelo em forma de serpente. Hoje estão nos estúdios e parecem seres normais, pelo menos quando em trabalhos encantatórios de aliciamento de vítimas.

Os furiosos e as furiosas das TVs são numerosos, mas na peça de Ésquilo foram reduzidas a três, que representam as variedades representativas da espécie: Alecto, a implacável, eternamente encolerizada. Encarrega-se de castigar delitos morais. Seguia a vítima sem parar, ameaçando-o com fachos acesos, não o deixando dormir em paz. Lembro-me às vezes da Alecto. E também da Megera, a rancorosa, que personifica o ódio, a inveja, a cobiça e o ciúme. Persegue com a maior sanha, fazendo o seu alvo fugir eternamente. Por fim, Tisífone, a vingadora, a terceira das fúrias de Ésquilo, grita ininterruptamente aos ouvidos do seu prisioneiro até o enlouquecer.

As Erínias de hoje aparecem desorbitados/as a anunciar investigações sobre fantásticos escândalos, a debitar infalíveis e perspicazes comentários catastróficos, a fazer entrevistas à cabeçada, mas estão apenas a lutar pela sua sobrevivência. Se apreciarmos os “televisivos “ como representações das Erínias, podemos retirar do tempo diante da televisão o proveito de uma tragédia clássica, adaptada aos nossos tempos, sob a forma de farsa, ou de comédia de enganos. Não se perde tudo.

Recordo um velho camarada que numa altercação com uma mulher de linguarejar vicentino, e já quase vencido, a calou chamando-lhe lamelibrânquia. Silenciada a popular, virou-se para a assistência e comentou, impante: Estão a ver as vantagens da cultura?

Born 1946; retired military, historian

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.