Os sinos dobram em Kiev-2 | Carlos Esperança

Os sinos dobram em Kiev e ninguém apareceu no funeral de um país que comprometeu o futuro das democracias europeias e o bem-estar dos europeus. Os que lhe prometeram apoio temeram Putin e o espetro da guerra nuclear arrepiou a Europa.

A Nato, depois da extinção do pacto de Varsóvia, apesar do acordo de cavalheiros para não se expandir para os países dominados pela ex-URSS, não parou de cercar a Rússia e aumentar a zona de influência, acabando por sofrer um revés na Geórgia, com a Ossétia do Sul e a Abcásia amputadas.

Agora, com a credível suspeita da futura adesão da Ucrânia à Nato, o neonazi Putin, que se autointitulou libertador da Ucrânia neonazi, voltou a repetir aí a criação da república fantoche de Donbass depois de ter usado o mesmo expediente na Crimeia, em 2014.

O que há de novo e intolerável é a invasão da Ucrânia para tornar o próprio país em uma república fantoche, apelando aos militares para tomarem o poder que já conquistou. Não lhe faltarão apoiantes. É a sorte dos fortes contra os fracos.

Os sinos dobram em Kiev e ouve-se o choro e a raiva da impotência das democracias da Europa, cujas sanções à Rússia são também sansões contra si próprias.

Putin é o czar nacionalista com um pouco de todos os criminosos que o precederam no séc. XX, de Hitler, Franco e Mussolini a Mao, Estaline e Enver Hoxha. É o ditador frio e calculista que tem na Rússia imperial e nos czares o seu modelo, um perigo para a Rússia, a Europa e o Mundo como previu Mário Soares.

A Ucrânia não era um modelo de democracia, onde o autoritarismo era a tradição, onde o Batalhão Azov, milícia neonazi ultranacionalista e xenófoba, aterrorizava as regiões russófonas e as minorias russas, sem que o regime a desarmasse, mas, comparada com a Rússia era uma democracia.

Os sinos dobram em Kiev, e, com a Ucrânia, foram derrotados os democratas russos que se opõem a Putin, as democracias europeias onde os neofascistas se sentem encorajados, a defesa dos direitos humanos na Hungria e Polónia, a UE, devastada economicamente e a tentar ultrapassar os danos da guerra onde ninguém quis morrer, mas que a debilitou, e, finalmente, os EUA com a vitória da China que esteve ausente.

Não é por acaso que Bolsonaro, Marine Le Pen e Trump expressaram simpatia pelo czar da Rússia. Dos dois lados do conflito venceu o pior, o agressor. Peço a Saramago as suas palavras em relação a Cuba, “até aqui cheguei”, Putin, agora e sempre, nunca.

Não há o direito de acirrar ódios, aprofundar clivagens e desintegrar nações em nome de ideologias passadas, de memórias mal enterradas ou dos negócios do gás e armamento. Todos sabemos das deportações em massa de Estaline e das alterações étnicas que estão na base de numerosos conflitos nos territórios da Ex-URSS, mas temos de procurar que as diferenças não se tornem divergências e conduzam à guerra.

Podiam os terroristas de sofá, os atiradores de palavras pelo cano dos media, sentir o coice da culatra da arma que usam e lembrarem-se do que fizeram à Jugoslávia quando o Vaticano e a Alemanha reconheceram a Croácia independente e iniciaram o processo de desmembramento de um país, que provocou centenas de milhares de mortos numa orgia de sangue, ódio e ressentimento. E, finalmente, à Sérvia, com a criação de um país pária, o Kosovo.

É justo, enquanto aguardamos os efeitos devastadores da guerra e assistimos à anexação de um grande país, homenagear o comportamento do Governo português, a quem cabe a exclusiva responsabilidade da política externa, pela conduta sóbria e sábia que manteve.

Depois da peste e da seca, a guerra. Tudo nos corre mal.

Retirado do Facebook | Mural de Carlos Esperança

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.