The Russell-Einstein Manifesto | Issued in London, 9 July 1955

Retirado do facebook | Mural de Ana Filgueiras

“Apelamos enquanto seres humanos para seres humanos:

Lembrem-se da vossa humanidade e esqueçam o resto” ❤️

A Diana Andringa, em tempo infelizmente oportuno, tem vindo a lembrar o Manifesto Russell-Einstein, lançado em Londres , por Russell e Einstein, a 9 de julho de 1955, em plena Guerra Fria. Um apelo humanista ao fim da guerra, e do fabrico e uso de armas de destruição maciça, assinado por onze importantes cientistas e intelectuais . Alertavam então a comunidade internacional para os perigos da proliferação de armamento nuclear, e aos líderes das principais potencias nucleares para a urgência de soluções pacíficas para os conflitos internacionais. É hora de o relembrar…

—— /// ——

Albert Einstein e Bertrand Russel:

“Here, then, is the problem which we present to you, stark and dreadful and inescapable: Shall we put an end to the human race or shall mankind renounce war?”

In the tragic situation which confronts humanity, we feel that scientists should assemble in conference to appraise the perils that have arisen as a result of the development of weapons of mass destruction, and to discuss a resolution in the spirit of the appended draft.
We are speaking on this occasion, not as members of this or that nation, continent, or creed, but as human beings, members of the species Man, whose continued existence is in doubt. The world is full of conflicts; and, overshadowing all minor conflicts, the titanic struggle between Communism and anti- Communism.
Almost everybody who is politically conscious has strong feelings about one or more of these issues; but we want you, if you can, to set aside such feelings and consider yourselves only as members of a biological species which has had a remarkable history, and whose disappearance none of us can desire.
We shall try to say no single word which should appeal to one group rather than to another. All, equally, are in peril, and, if the peril is understood, there is hope that they may collectively avert it.


We have to learn to think in a new way. We have to learn to ask ourselves, not what steps can be taken to give military victory to whatever group we prefer, for there no longer are such steps; the question we have to ask ourselves is: what steps can be taken to prevent a military contest of which the issue must be disastrous to all parties?
The general public, and even many men in positions of authority, have not realized what would be involved in a war with nuclear bombs. The general public still thinks in terms of the obliteration of cities. It is understood that the new bombs are more powerful than the old, and that, while one A-bomb could obliterate Hiroshima, one H-bomb could obliterate the largest cities, such as London, New York, and Moscow.
No doubt in an H-bomb war great cities would be obliterated. But this is one of the minor disasters that would have to be faced. If everybody in London, New York, and Moscow were exterminated, the world might, in the course of a few centuries, recover from the blow. But we now know, especially since the Bikini test, that nuclear bombs can gradually spread destruction over a very much wider area than had been supposed.
It is stated on very good authority that a bomb can now be manufactured which will be 2,500 times as powerful as that which destroyed Hiroshima. Such a bomb, if exploded near the ground or under water, sends radio-active particles into the upper air. They sink gradually and reach the surface of the earth in the form of a deadly dust or rain. It was this dust which infected the Japanese fishermen and their catch of fish.
No one knows how widely such lethal radioactive particles might be diffused, but the best authorities are unanimous in saying that a war with H-bombs might possibly put an end to the human race. It is feared that if many H-bombs are used there will be universal death, sudden only for a minority, but for the majority a slow torture of disease and disintegration.
Many warnings have been uttered by eminent men of science and by authorities in military strategy. None of them will say that the worst results are certain. What they do say is that these results are possible, and no one can be sure that they will not be realized. We have not yet found that the views of experts on this question depend in any degree upon their politics or prejudices. They depend only, so far as our researches have revealed, upon the extent of the particular expert’s knowledge. We have found that the men who know most are the most gloomy.
Here, then, is the problem which we present to you, stark and dreadful and inescapable: Shall we put an end to the human race; or shall mankind renounce war? People will not face this alternative because it is so difficult to abolish war.
The abolition of war will demand distasteful limitations of national sovereignty. But what perhaps impedes understanding of the situation more than anything else is that the term “mankind” feels vague and abstract. People scarcely realize in imagination that the danger is to themselves and their children and their grandchildren, and not only to a dimly apprehended humanity. They can scarcely bring themselves to grasp that they, individually, and those whom they love are in imminent danger of perishing agonizingly. And so they hope that perhaps war may be allowed to continue provided modern weapons are prohibited.


This hope is illusory.

Whatever agreements not to use H-bombs had been reached in time of peace, they would no longer be considered binding in time of war, and both sides would set to work to manufacture H-bombs as soon as war broke out, for, if one side manufactured the bombs and the other did not, the side that manufactured them would inevitably be victorious.
Although an agreement to renounce nuclear weapons as part of a general reduction of armaments would not afford an ultimate solution, it would serve certain important purposes. First: any agreement between East and West is to the good in so far as it tends to diminish tension. Second: the abolition of thermo-nuclear weapons, if each side believed that the other had carried it out sincerely, would lessen the fear of a sudden attack in the style of Pearl Harbour, which at present keeps both sides in a state of nervous apprehension. We should, therefore, welcome such an agreement though only as a first step. Most of us are not neutral in feeling, but, as human beings, we have to remember that, if the issues between East and West are to be decided in any manner that can give any possible satisfaction to anybody, whether Communist or anti-Communist, whether Asian or European or American, whether White or Black, then these issues must not be decided by war. We should wish this to be understood, both in the East andin the West. There lies before us, if we choose, continual progress in happiness, knowledge, and wisdom. Shall we, instead, choose death, because we cannot forget our quarrels? We appeal, as human beings, to human beings: Remember your humanity, and forget the rest. If you can do so, the way lies open to a new Paradise; if you cannot, there lies before you the risk of universal death.


Resolution
We invite this Congress, and through it the scientists of the world and the general public, to subscribe to the following resolution:
“In view of the fact that in any future world war nuclear weapons will certainly be employed, and that such weapons threaten the continued existence of mankind, we urge the Governments of the world to realize, and to acknowledge publicly, that their purpose cannot be furthered by a world war, and we urge them, consequently, to find peaceful means for the settlement of all matters of dispute between them.”

————-
Signatories / Signatários


Albert Einstein
Bertrand Russell
Max Born
Percy W. Bridgman
Leopold Infeld
Frédéric Joliot-Curie
Hermann J. Muller
Linus Pauling
Cecil F. Powell
Joseph Rotblat
Hideki Yukawa

—— /// ——

TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS DIRECTAMENTE DO GOOGLE TRANSLATION

(pedimos desculpa por eventuais erros)

Na trágica situação que a humanidade enfrenta, sentimos que os cientistas deveriam se reunir em conferência para avaliar os perigos que surgiram como resultado do desenvolvimento de armas de destruição em massa e discutir uma resolução no espírito do projeto anexo. Estamos falando nesta ocasião, não como membros desta ou daquela nação, continente ou credo, mas como seres humanos, membros da espécie Homem, cuja existência continua em dúvida. O mundo está cheio de conflitos; e, ofuscando todos os conflitos menores, a luta titânica entre o comunismo e o anticomunismo. Quase todo mundo politicamente consciente tem fortes sentimentos sobre uma ou mais dessas questões; mas queremos que vocês, se puderem, deixem esses sentimentos de lado e se considerem apenas membros de uma espécie biológica que teve uma história notável e cujo desaparecimento nenhum de nós pode desejar. Tentaremos não dizer uma única palavra que deva apelar a um grupo e não a outro. Todos, igualmente, estão em perigo e, se o perigo for entendido, há esperança de que eles possam evitá-lo coletivamente. Temos que aprender a pensar de uma maneira nova. Temos que aprender a nos perguntar, não quais passos podem ser dados para dar vitória militar a qualquer grupo que preferirmos, pois não existem mais tais passos; a pergunta que temos que nos fazer é: que medidas podem ser tomadas para evitar uma disputa militar cuja questão deve ser desastrosa para todas as partes? O público em geral, e mesmo muitos homens em posições de autoridade, não perceberam o que estaria envolvido em uma guerra com bombas nucleares. O público em geral ainda pensa em termos de obliteração das cidades. Entende-se que as novas bombas são mais poderosas que as antigas, e que, enquanto uma bomba atômica poderia destruir Hiroshima, uma bomba H poderia destruir as maiores cidades, como Londres, Nova York e Moscou. Sem dúvida, em uma guerra com bomba H, as grandes cidades seriam obliteradas. Mas este é um dos pequenos desastres que teriam de ser enfrentados. Se todos em Londres, Nova York e Moscou fossem exterminados, o mundo poderia, no decorrer de alguns séculos, se recuperar do golpe. Mas agora sabemos, especialmente desde o teste de Bikini, que as bombas nucleares podem gradualmente espalhar a destruição por uma área muito mais ampla do que se supunha. Afirma-se com muito boa autoridade que agora pode ser fabricada uma bomba que será 2.500 vezes mais poderosa que a que destruiu Hiroshima. Tal bomba, se explodida perto do solo ou debaixo d’água, envia partículas radioativas para o ar superior. Eles afundam gradualmente e atingem a superfície da terra na forma de poeira ou chuva mortal. Foi essa poeira que infectou os pescadores japoneses e suas capturas de peixes. Ninguém sabe até que ponto essas partículas radioativas letais podem ser difundidas, mas as melhores autoridades são unânimes em dizer que uma guerra com bombas H poderia acabar com a raça humana. Teme-se que se muitas bombas H forem usadas haverá morte universal, repentina apenas para uma minoria, mas para a maioria uma lenta tortura de doença e desintegração. Muitas advertências foram proferidas por eminentes homens da ciência e por autoridades em estratégia militar. Nenhum deles dirá que os piores resultados são certos. O que eles dizem é que esses resultados são possíveis, e ninguém pode ter certeza de que eles não serão realizados. Ainda não descobrimos que as opiniões dos especialistas sobre essa questão dependam em algum grau de suas políticas ou preconceitos. Eles dependem apenas, até onde nossas pesquisas revelaram, da extensão do conhecimento do especialista em particular. Descobrimos que os homens que mais sabem são os mais sombrios. Aqui, então, está o problema que apresentamos a você, severo, terrível e inescapável: Devemos pôr fim à raça humana; ou a humanidade deve renunciar à guerra? As pessoas não enfrentarão essa alternativa porque é muito difícil abolir a guerra. A abolição da guerra exigirá limitações desagradáveis ​​da soberania nacional. Mas o que talvez impeça a compreensão da situação mais do que qualquer outra coisa é que o termo “humanidade” parece vago e abstrato. As pessoas mal percebem na imaginação que o perigo é para elas mesmas, seus filhos e netos, e não apenas para uma humanidade vagamente apreendida. Eles mal conseguem compreender que eles, individualmente, e aqueles a quem amam estão em perigo iminente de perecer agonizantemente. E assim eles esperam que talvez a guerra possa continuar desde que as armas modernas sejam proibidas.

Essa esperança é ilusória.

Quaisquer que fossem os acordos para não usar bombas H em tempo de paz, eles não seriam mais considerados obrigatórios em tempo de guerra, e ambos os lados começariam a trabalhar para fabricar bombas H assim que a guerra eclodisse, pois, se um lado fabricava as bombas e o outro não, o lado que as fabricava sairia inevitavelmente vitorioso.<br>Embora um acordo para renunciar às armas nucleares como parte de uma redução geral de armamentos não oferecesse uma solução definitiva, serviria para certas propósitos importantes. Primeiro: qualquer acordo entre Oriente e Ocidente é bom na medida em que tende a diminuir a tensão. Segundo: a abolição das armas termonucleares, se cada lado acreditasse que o outro o tinha feito com sinceridade, diminuiria o medo de um ataque repentino ao estilo de Pearl Harbor, que atualmente mantém ambos os lados em estado de apreensão nervosa . Devemos, portanto, saudar tal acordo, embora apenas como um primeiro passo. A maioria de nós não é neutra em sentimentos, mas, como seres humanos, temos que lembrar que, se as questões entre Oriente e Ocidente devem ser decididas de uma maneira que possa dar qualquer satisfação possível a qualquer pessoa, seja comunista ou anticomunista, , sejam asiáticos ou europeus ou americanos, sejam brancos ou negros, então essas questões não devem ser decididas pela guerra. Devemos desejar que isso seja entendido, tanto no Oriente como no Ocidente. Está diante de nós, se quisermos, um progresso contínuo em felicidade, conhecimento e sabedoria. Devemos, em vez disso, escolher a morte, porque não podemos esquecer nossas brigas? Apelamos, como seres humanos, aos seres humanos: Lembre-se de sua humanidade e esqueça o resto. Se você puder fazer isso, o caminho estará aberto para um novo Paraíso; se não puder, está diante de você o risco da morte universal.

Resolução:

Convidamos este Congresso, e através dele os cientistas do mundo e o público em geral, a subscrever a seguinte resolução:<br>”Tendo em vista que em qualquer futura guerra mundial armas nucleares certamente serão empregadas, e que tais armas ameaçam a existência continuada da humanidade, instamos os governos do mundo a perceber e reconhecer publicamente que seu propósito não pode ser promovido por uma guerra mundial, e os instamos, consequentemente, a encontrar meios pacíficos para a resolução de todos questões de disputa entre eles.”

—————————-

Signatories / Signatários


Albert Einstein
Bertrand Russell
Max Born
Percy W. Bridgman
Leopold Infeld
Frédéric Joliot-Curie
Hermann J. Muller
Linus Pauling
Cecil F. Powell
Joseph Rotblat
Hideki Yukawa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.