Julian Assange | Saúde do fundador da Wikileaks é tão frágil que pode morrer na prisão, defendem 60 médicos

GettyImages

Numa carta aberta a alertar para o frágil estado de saúde do fundador da Wikileaks, mais de 60 médicos defenderam que, caso Assange não receba tratamento adequado, poderá mesmo vir a morrer.

Mais de 60 médicos de diferentes nacionalidades escreveram uma carta aberta ao secretário de Estado britânico para os assuntos internos defendendo a transferência de Julian Assange da prisão de Belmarsh, no sul de Londres, para um hospital universitário devido ao seu estado de saúde. Na opinião dos especialistas, a saúde do fundador da Wikileaks é tão frágil que Assange poderá morrer.

“Escrevemos esta carta aberta, enquanto médicos, para expressar as nossas sérias preocupações em relação à saúde mental e física de Julian Assange”, declararam os especialistas, que basearam as suas conclusões nos relatos de Nils Melzer, relator especial da ONU sobre tortura e tratamentos cruéis, das audições de Assange de 21 de outubro e 1 de novembro, em Londres, no Reino Unido.

Na opinião dos mais de 60 médicos, oriundos de países como Estados Unidos da América, Itália, Alemanha ou Sri Lanka, Assange “precisa de avaliação médica urgente do seu estado físico e metal” e “qualquer tratamento médico indicado deve ser administrado num hospital universitário adequadamente equipado e com uma equipa especializada”. Estes temem que o fundador da Wikileaks não seja capaz de passar pelo processo de extradição pedido pelos Estados Unidos da América. Este está marcado para 25 de fevereiro. Até lá, continuará detido em Inglaterra por existir risco de fuga.

“Se uma avaliação e tratamento tão urgentes não aconteceram, temos preocupações sérias, baseadas nas evidências atualmente disponíveis, de que o sr. Assange possa morrer na prisão. A situação médica é, assim, urgente. Não há tempo a perder”, afirmaram os médicos, citados pela France-Presse.

Acção transnacional do DiEM25 para o 50º aniversário de Julian Assange a 3 de Julho

Há quase 10 anos que Julian Assange expia com a sua liberdade os seus actos como jornalista. O dia 3 de Julho marca o seu 50º aniversário e o DiEM25 não quer deixar passar a data em branco.

Numa acção coordenada com diferentes cidades europeias, membros do DiEM25 reúnem-se em frente à embaixada do Reino Unido com cartazes que exibem obras de arte (pinturas, imagens gráficas, etc) criadas por artistas de toda a Europa e do mundo! 

Nós levamos os cartazes! 

Convidamos-te a participar nesta iniciativa, mostrando ao mundo que Julian Assange e o seu sacrifício pessoal pela nossa liberdade de expressão, não foram esquecidos.  

Esta acção observará todas as regras impostas pela pandemia, pelo que não te esqueças de levar máscara, cumprir com o distanciamento social e seguir as indicações da organização.

Data e hora: 3 de Julho, 11:00h

Local:   em frente à embaixada do Reino Unido 
             (R. de São Bernardo 33, 1249-082 Lisboa)

Contamos contigo!
DiEM25 Portugal