Aristóteles à la minute resume a guerra da Ucrânia! | por Carlos Matos Gomes

A Odisseia de Homero vista por um agente de viagens. Há um invadido e um invasor. Um Mau e um Bom! Mas onde raio está o cavalo de Troia?

No século VIII a.C., Homero escreveu a Ilíada, apontada como o livro inicial da literatura ocidental, onde versava sobre a Guerra de Troia. O segundo livro, Odisseia, dava conta do que aconteceu depois da batalha, quando Ulisses tentava regressar.

Um dos seus aspetos mais notáveis da epopeia é o modo como está construída, com um início in media res, que foi reproduzido em inúmeras obras posteriores. Uma sofisticada técnica literária que permite entrar na metade da história, revelando os eventos que aconteceram antes através de memórias e flashbacks.

A Odisseia é uma narrativa política e histórica complexa, que que trata entre outros temas do papel da mulher na sociedade — Penélope; fantástico e que versa sobre a descoberta de outros mundos — Poseidon; do poder, do encantamento, da vingança — Ulisses.

A Odisseia coloca a eterna questão da complexidade da luta entre o destino ditado pelos deuses e o livre-arbítrio dos personagens humanos. Na versão original, em grego antigo, a palavra que inaugura a obra é “homem”.

A Odisseia, de Homero, foi sujeita a muitas criticas dos poderosos sacerdotes que defendiam o determinismo e a fé na verdade dos deus. Os manipuladores da opinião, na antiguidade como hoje, contestavam a humanidade de Ulisses, as suas dúvidas, as fraquezas. Eles tinham uma verdade e a verdade era a que Ulisses tinha realizado uma viagem de barco no Mediterrâneo. Os sacerdotes, donos da verdade, queriam que a Ilíada e a Odisseia se resumissem a uma viagem de um grego no Mediterrâneo. Um cruzeiro!

Há dois mil e trezentos anos, Aristóteles glosou essa interpretação manipuladora dos sacerdotes e dos poderosos fazendo o seguinte resumo da Odisseia, aquilo que os anglo-saxónicos designam por storyline: “Certo homem anda errante muitos anos fora do seu país, vigiado por Poseidon, entretanto em sua casa, os seus bens são desbaratados por pretendentes que conspiram também contra o seu filho. Então ele chega a casa, depois de sofrer uma tempestade e, dando-se a conhecer a alguns, ataca e salva-se matando os seus inimigos.

Quando leio resumos do que se está a passar na Ucrânia, efetuados por escritores e por críticos literários, por pessoas que por dever de ofício deviam estar habilitadas a fazer uma interpretação de um acontecimento histórico complexo, não posso deixar de me recordar do que escreveria um Aristóteles à “la minuta” a fazer a sinopse da guerra da Ucrânia: “Um malvado imperador da Rússia acordou mal disposto no dia 23 de Fevereiro de 2022 e foi ao seu Palácio. Gritou para os seus generais: Vamos invadir a Ucrânia, que me está a dar mau dormir!

Aristóteles desnudou os que acreditam que a História é feita de reações pessoais a más alvoradas (como os compreendo!). A Ilíada passa-se durante a guerra de Troia e trata da ira de Aquiles causada por uma disputa entre ele e Agamemnon, comandante dos exércitos gregos em Troia, e consumada com a morte do herói troiano Heitor. Uma questão de poder, como parecia evidente a Aristóteles, mas não aos seus émulos à la minuta, os do seu tempo e os atuais que enxameiam televisões e jornais. A Odisseia é a história de um homem que viu cidades e conheceu costumes de muitos homens e que no mar padeceu mil tormentos. É uma história de descoberta e conhecimento. Da complexidade das relações entre seres e sociedades com visões do mundo que lhes são próprias. A Odisseia, como a Ilíada, são obras da inteligência, do senso, da cultura.

A questão da Ucrânia, para os aprendizes de Aristóteles à la minuta — os do pensamento dominante, está resolvida: Há um mau agressivo que invade o território de um bom pacífico. O Aristóteles tinha toda a razão: a Odisseia é a viagem do senhor Ulisses pelo Mediterrâneo organizada por uma agência de viagens.

Retirado do Facebook | Mural de Carlos Matos Gomes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.