A GUERRA NATO-RÚSSIA | CONTEXTO ACTUAL | Editorial in Foicebook, 16/09/2022 via Estátua de Sal

Conforme dissemos anteriormente, a ofensiva Nato/Ucrânia, parou, tentativas de retomar têm sido anuladas. O próprio Stoltenberg o reconhece: “o contra ataque da Ucrânia foi muito eficaz, mas isto não é o fim da guerra, temos de estar preparados para um longo caminho.”

Desde o fim de fevereiro um total de mais de 47 mil toneladas de material foram entregues para a Ucrânia. O exército ucraniano é na realidade um exército Nato composto por ucranianos, mercenários e “conselheiros” Nato. A organização e os equipamentos são Nato, que tem proporcionado milhares de milhões de dólares em equipamento e treino. Dezenas de milhares de efetivos foram e estão a ser treinados pela Nato.

Neste contexto, a guerra prosseguirá até a Ucrânia esgotar a sua vontade de lutar e morrer, a Nato esgotar a sua capacidade de continuar a fornecer material e dinheiro ou a Rússia esgotar a sua disposição de combater um conflito inconclusivo na Ucrânia. O resultado são mais forças ucranianas e russas mortas, mais civis mortos e mais equipamentos destruídos.

As baixas que a Ucrânia sofreu e sofre são insustentáveis. A Ucrânia está a esgotar as suas reservas estratégicas, e eles terão que ser reconstituídos se a Ucrânia tiver alguma aspiração de continuar a guerra. A Rússia, por sua vez, perdeu nada mais do que um espaço indefensável. As baixas russas foram mínimas e as perdas de equipamentos foram prontamente substituídas.

De acordo com um documento assinado pelo Comandante das Forças Armadas da Ucrânia, general Zaluzhny, até o início de julho de 2022, 76 640 soldados ucranianos tinam sido mortos (dez semanas depois, devem ser quase 100 000). Com os feridos graves geralmente numa proporção de 1 para 1, isso significa que até 200 000 tropas de Kiev podem ter sido postos fora de ação permanentemente. E isso não inclui desertores, capturados e desaparecidos em ação, o que poderia fazer outros 50 000.

Isto confirma relatos anteriores de que o total de vítimas de Kiev, aqueles que estão permanentemente fora dos combates, são uns horríveis 250 000. Os hospitais ucranianos estão transbordando. Muitos feridos foram enviados para hospitais na Polónia, que também estão lotados, pelo menos no leste.

Por outro lado, a Rússia e aliados parecem ter perdido desde o início cerca de 10 000 mortos, incluindo milícias Donbass. Isso pode significar até 25 000 fora da luta do seu lado, Isto é, um décimo das baixas de Kiev. Com perdas tão grandes em Kiev, muitos acham que Zelensky e seus patrões em Washington e Londres são de fato culpados de crimes de guerra.

Ref. – A Turning-Point Once Every 500 Years | The Vineyard of the Saker

Estima-se que 17,7 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária na Ucrânia, (quase 60% da população atual) incluindo 6,6 milhões que tiveram que fugir de suas casas e agora estão em outras partes do país. Muitos sofrem de traumas, enquanto a guerra continua a destruir vidas. Milhões de outros deixaram a Ucrânia para encontrar segurança em países vizinhos – 6,4 milhões de pessoas buscaram proteção na Europa. A maioria das pessoas que fugiram são mulheres, crianças e idosos, enquanto homens capazes são obrigados a permanecer no país.

Mulheres e meninas enfrentam taxas altas de violência, incluindo sexual perpetrada por soldados, tendo acesso limitado aos cuidados de saúde e apoio psicológico que precisam. As crianças, estão particularmente em risco de tráfico e exploração. Os preços de habitação vertiginosos e os custos crescentes da energia estão a levar as pessoas a questionarem-se se pode manter esta situação.

O apoio a ucranianos diminuí em muitos lugares – na Polónia, por exemplo, em 1 de julho, o governo encerrou em grande parte seu esquema de assistência que fornecia para famílias que hospedavam refugiados. Muitos refugiados e pessoas deslocadas na Ucrânia enfrentam preocupações sobre como continuar suas vidas – encontrar dinheiro para pagar bens essenciais como comida e medicamentos, fornecer educação para seus filhos e manter-se aquecido quando chegar o inverno.

Ref. – Ukraine crisis: six months on the impacts of war continue to devastate lives | Oxfam International

Compare-se o que atrás se disse com as políticas da UE: von der Leyen quer sanções cada vez mais drásticas à Rússia, levando à ameaça de uma grave crise energética europeia neste inverno. Pediu a rápida adesão à UE para a Ucrânia, notoriamente o país mais corrupto da Europa e longe de atender aos padrões da UE; proclamou que “a Rússia entrará em decadência económica, financeira e tecnológica, enquanto a Ucrânia está marchando em direção a um futuro europeu”. A Ucrânia está “combatendo nossa guerra”.

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, quer também “arruinar a Rússia”. “As pessoas vão para a rua e dizem que não podemos pagar os preços de energia, e eu digo: ‘Sim, eu sei, então vamos ajudá-lo com medidas sociais. […] Ficaremos ao lado da Ucrânia e isso significa que as sanções também permanecerão, mesmo que seja muito difícil.” Numa sondagem recente 77% dos alemães são a favor de esforços diplomáticos para acabar com a guerra – o que deveria ser da responsabilidade de Baerbock, mas ela não mostra interesse em diplomacia, apenas em “fracasso estratégico” para a Rússia – não importa quanto tempo leve.

Ref. – DIANA JOHNSTONE: The Specter of Germany Is Rising – Consortium News

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.