Devia morrer-se de outra maneira | José Gomes Ferreira

Devia morrer-se de outra maneira.

Transformarmo-nos em fumo, por exemplo.

Ou em nuvens.

Quando nos sentíssemos cansados, fartos do mesmo sol

a fingir de novo todas as manhãs, convocaríamos

os amigos mais íntimos com um cartão de convite

para o ritual do Grande Desfazer: “Fulano de tal comunica

a V. Exa. que vai transformar-se em nuvem hoje

às 9 horas. Traje de passeio”.

E então, solenemente, com passos de reter tempo, fatos

escuros, olhos de lua de cerimônia, viríamos todos assistir

a despedida.

Apertos de mãos quentes. Ternura de calafrio.

“Adeus! Adeus!”

E, pouco a pouco, devagarinho, sem sofrimento,

numa lassidão de arrancar raízes…

(primeiro, os olhos… em seguida, os lábios… depois os cabelos… )

a carne, em vez de apodrecer, começaria a transfigurar-se

em fumo… tão leve… tão sutil… tão pólen…

como aquela nuvem além (veem?) — nesta tarde de outono

ainda tocada por um vento de lábios azuis…

José Gomes Ferreira

Retirado do Facebook | Mural de Maria Cantinho

Todo o canto deste poema para Maram al Massri | Maria Cantinho

Un poème que j’ai écrit pour la grande poétesse syrienne Maram Al Masri, mon amie très chére, après une des prémières fois que je l’ai vu et entendu, en lisant sa poésie douloureuse et tragique, en parlant de son bien aimé pays: la Syria. Ici je laisse les deux versions, la portugaise et la traduction.
 

 

TODO O CANTO DESTE POEMA

para Maram al Massri

Continuar a ler