Feminismo | Ruth Bader Ginsburg | Maria João Pessoa

Quando a Ruth Bader Ginsburg era a única e a primeira mulher em tanta coisa. Quando a Ruth sabia que outras mulheres existiam anonimamente a serem a primeira e única em coisas tão simples como serem as pioneiras a fazerem um relatório financeiro na sua empresa, digno de merecer uma promoção, um aumento, um respeito. Quando a Ginsburg tinha em mente que jovens raparigas eram violentadas no seu corpo e na sua mente, ela sabia que tinha que chegar primeiro que homens aos lugares de decisão.

“Women belong in all places where decisions are being made. It shouldn’t be that women are the exception.”

A América, o mundo e eu acordamos com a sensação que morreu uma das feministas mais poderosas da sociedade contemporânea. Que é uma perda trágica. Que dadas as circunstâncias, estamos perdidas. A morte de Ruth Bader Ginsburg, a corda que parecia segurar a agora frágil democracia americana, parece abrir caminho a uma maioria conservadora que pode fazer recuar anos de progresso e engavetar o trabalho e mudanças e leis que, tanto a Ginsburg como milhares de mulheres americanas, lutaram para ser realidade e constância.

Continuar a ler