GUERRA NA UCRÂNIA | É POSSÍVEL UM ACORDO? EM QUE BASES? | in Washington Post

Com as tropas russas atoladas na luta contra a desafiadora, mas derrotada Ucrânia, tanto Moscou quanto Kiev dizem que a perspectiva de um acordo negociado está crescendo. No entanto, com o Kremlin buscando o fim da Ucrânia como uma nação soberana, e a Ucrânia ainda reivindicando terras perdidas para forças pró-Rússia quase uma década atrás, pode realmente haver um meio-termo?

A resposta curta é: é possível.

Abundam as suspeitas sobre as intenções do presidente russo, Vladimir Putin, com temores consideráveis ​​de que uma abertura diplomática russa seja um ardil para ganhar tempo para reunir reforços para um ataque de segunda fase. Putin certamente não está falando como um homem de paz. Esta semana, ele chamou os russos que se opuseram à invasão de “traidores” e “escória”, enquanto procurava retratar a guerra como nada menos que uma luta pela sobrevivência da Rússia.

Mas com a tenaz resistência ucraniana superando as expectativas diante de uma força russa muito superior – e com as sanções ocidentais atingindo a economia russa – há uma chance de que o novo cálculo do campo de batalha faça o Kremlin pescar um prêmio de consolação. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, falou nesta semana de “esperança de chegar a um compromisso”. O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse em um discurso em vídeo que os russos estão sendo “mais realistas” na mesa de negociações.

Com os dois lados distantes, como poderia ser um acordo?

Os principais pontos de atrito

1. Neutralidade: Para a Rússia, a insistência na neutralidade da Ucrânia é provavelmente a exigência mais importante. A guerra está enraizada no desejo da Ucrânia de se juntar ao Ocidente, aspirando à prosperidade e à autodeterminação através da adesão à OTAN e à União Europeia. Uma democracia próspera na fronteira da Rússia ligada ao Ocidente – especialmente uma repleta de tantos falantes de russo quanto a Ucrânia – poderia servir como um modelo tentador para o povo russo, colocando em risco o domínio autocrático de Putin. Publicamente, porém, Putin afirma que a guinada de Kiev em direção ao Ocidente equivale a uma ameaça à segurança de Moscou, embora Washington e seus aliados tenham colocado a adesão ucraniana a esses clubes no caminho lento.

2. Garantias de segurança ocidentais: para a Ucrânia, qualquer promessa de neutralidade enquanto ainda estiver se mantendo no campo de batalha provavelmente precisaria vir com uma promessa, reconhecida pela Rússia, de que as potências ocidentais viriam em seu auxílio se Kiev fosse ameaçada novamente. Este é talvez o ponto mais difícil para Moscou, pois equivale a alguma aceitação das potências aliadas, se não da própria OTAN, envolvidas na futura defesa da Ucrânia. Uma maneira de tornar isso mais palatável para os russos poderia ser uma cláusula limitando os tipos de armas mantidas dentro da fronteira da Ucrânia.

3. Crimeia, Luhansk e Donetsk: A guerra na Ucrânia realmente começou há quase uma década, quando, após uma revolta pública que expulsou um presidente em exercício, a Ucrânia assinou um acordo de associação com a União Europeia e rejeitou um acordo de empréstimo com a Rússia. Um furioso Kremlin respondeu invadindo e anexando a Península da Crimeia, enquanto patrocinava e enviava representantes para assumir Luhansk e Donetsk na região leste de Donbass, na Ucrânia.

Como prelúdio para a invasão, Putin reconheceu oficialmente a independência dessas duas províncias separatistas. Como condição para um acordo, a Rússia pode exigir o reconhecimento de Kiev e da comunidade internacional de sua anexação da Crimeia, bem como o controle russo de fato sobre Donbas – coisas que os ucranianos prometeram que nunca fariam.

Como a Ucrânia poderia comprar a paz

Os acadêmicos Arvid Bell e Dana Wolf argumentam no site Russia Matters da Universidade de Harvard que a Ucrânia poderia aquiescer em pontos importantes, mantendo a soberania. Primeiro, precisaria concordar com a neutralidade autoimposta – desistindo oficialmente de seu sonho da OTAN, consagrado em sua constituição. Zelensky já sugeriu que está disposto a ceder neste ponto-chave, admitindo publicamente esta semana que a adesão à OTAN não está nos planos. Os russos vão querer isso por escrito e podem exigir uma emenda constitucional para atingir as ambições da OTAN de Kiev.

Na pior das hipóteses, argumentam Bell e Wolf, a Ucrânia também pode precisar reconhecer a Crimeia como parte da Rússia e a independência de Luhansk e Donetsk. Os “pacificadores” russos podem ser obrigados a permanecer em Donbas, contrariando a insistência de Kiev de que a Rússia deve retirar todos os soldados de suas fronteiras. Apesar de sua oposição declarada, alguns observadores veem a Ucrânia como potencialmente disposta a fechar um acordo sobre a Crimeia e o leste, desde que isso signifique uma retirada mais ampla das tropas russas e garantias de segurança internacional.

Tal acordo pode ser difícil de digerir para o povo ucraniano. Mas Zelensky – que passou a ser visto como um herói na Ucrânia e além – tem a estatura de vender um acordo intragável. Se os russos estivessem dispostos a reconhecer o direito da Ucrânia de existir e permitir garantias de segurança ocidentais, ele estaria recebendo uma nova concessão sobre o futuro de seu país.

Benjamin Haddad, diretor sênior do Centro Europeu do Conselho Atlântico, disse ao Today’s WorldView que um bônus importante que a Ucrânia poderia pedir é fechar a porta para a OTAN em troca de uma abertura para a União Europeia. O principal negociador de Moscou, Vladimir Medinsky, disse que Moscou citou a Áustria e a Suécia nesta semana como exemplos para a Ucrânia. Países neutros fora da OTAN, ambos são membros prósperos da União Europeia. Mas ainda não está claro se Putin, o tomador de decisões na Rússia que expressou uma linha maximalista, consideraria seriamente permitir que uma democracia florescente existisse na porta da Rússia.

“A Rússia disse não aos blocos, tanto a UE como a UE. e OTAN. Mas se você fosse capaz de dissociar isso e dizer que eles não vão se juntar à OTAN – então você não tem a dimensão militar, em troca – você poderia iniciar um processo para a UE”, disse Haddad. “Não acho que isso fosse aceitável para a Rússia antes da guerra, mas acho que estamos em uma situação talvez mais dinâmica agora.”

O Financial Times informou na quarta-feira sobre um acordo de 15 pontos sendo mediado em grande parte pelo primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett. Ele incluía cláusulas de que a Ucrânia não se juntaria à OTAN ou permitiria tropas estrangeiras em seu solo, mas ainda seria capaz de manter suas forças armadas. Os ucranianos, no entanto, minimizaram o documento como “um rascunho” que representa as demandas russas. Autoridades dos EUA receberam sinais diplomáticos positivos, mas dizem que não viram indicações de que Putin esteja levando a sério a mudança de rumo.

O pesadelo de Putin

O pior cenário da Rússia é aquele em que Putin deve efetivamente aceitar a derrota. Isso pode significar, argumentam Bell e Wolf, um acordo que concorda com a retirada da Rússia de todas as tropas da Ucrânia, incluindo as de Donbas, e um retrocesso do reconhecimento de Moscou de Donetsk e Luhansk como independentes. A Crimeia continuaria a fazer parte da Rússia, mas seria desmilitarizada. A Ucrânia seria autorizada a perseguir a UE. adesão, mas não aderiria à OTAN – o que, mesmo derrotado, Putin provavelmente verá como uma linha vermelha.

Em troca, o Ocidente suspenderia todas as sanções contra a Rússia e concordaria com conversas de segurança com Moscou sobre o futuro da segurança e defesa na Europa. Muitos observadores, no entanto, consideram improvável que Putin conceda tanto, dado como isso afetaria sua estatura em casa. O que é um homem forte, afinal, se ele não é mais forte? Ele defendeu uma linha extrema – pedindo uma mudança de regime e insistindo que Kiev é governada por nazistas, apesar do fato de Zelensky ser judeu e ter familiares mortos no Holocausto.

Mas se você ler as folhas de chá das palavras de Putin, pode haver um sinal sutil de mudança.

Rose Gottemoeller, uma diplomata americana que atuou como vice-secretária-geral da OTAN de 2016 a 2019, disse ao podcast Rachman Review do Financial Times nesta semana que Putin se absteve notavelmente de reafirmar as exigências de mudança de regime ucraniano nos últimos dias.

“O Kremlin não está admitindo, mas agora eles começaram a modificar algumas de suas demandas”, disse Gottemoeller. “Não ouvimos Putin dizer, por exemplo, ‘desnazificação’ na última semana.”

Por que um acordo pode não acontecer

A perspectiva de qualquer acordo de paz baseia-se no entendimento de Putin de que ele mordeu mais do que pode mastigar, e isso é um grande se agora. Alguns argumentaram que ele até se voltaria para armas nucleares de baixo grau antes de arriscar a derrota na Ucrânia.

John Herbst, ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, me disse que está cético, observando que, embora Lavrov tenha sugerido uma abertura, Putin não. Mas ele não descarta um acordo, especialmente se os russos forem levados ao limite no campo de batalha, e se o Ocidente mantiver a determinação das sanções e aumentar a aposta em equipamentos militares para a Ucrânia.

“Tudo se resume a isso, Putin ainda pensa que esta é uma invasão que ele pode de alguma forma vencer no campo de batalha”, disse Herbst. “Se ele for capaz de chegar ao ponto em que entenda que isso não é possível, então talvez eles comecem a negociar seriamente.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.