Para quem acha que, por mau que seja, só há um culpado | Análise de Jaime Nogueira Pinto in (Observador)

Em 1815, no Congresso de Viena, os vencedores da guerra contra o Império napoleónico tiveram o cuidado de não humilhar a França, de fazer de conta que a Revolução e Napoleão eram os únicos culpados dos 25 anos de guerra na Europa, que esses anos de guerra e sofrimento não tinham nada a ver com o povo francês e que a restauração dos Bourbon curava as feridas passadas.

Cem anos depois, os vencedores da Grande Guerra fizeram do Tratado de Versalhes uma paz punitiva para a Alemanha e para o povo alemão, pondo a primeira pedra para o que seria a vertiginosa ascensão de Adolf Hitler.

Em 1945, as políticas seguidas com a Alemanha e o Japão vencidos foram diferentes. A Alemanha ficou dividida, mas como a Guerra Fria começou logo a seguir, soviéticos e ocidentais, depois dos primeiros tempos de brutal ocupação, tiveram o cuidado de tratar bem os “seus” alemães.

A vitória do Ocidente na Guerra Fria resultou da aliança de uma tríade – Reagan, Thatcher, João Paulo II – que, alimentando a resistência polaca, rearmando militarmente e usando o bluff da SDI-Guerra das Estrelas, forçou Gorbachev a “reformar” o sistema, retirando-lhe aquilo que o sustentava – o medo.

Assim, as Repúblicas Soviéticas, usando as suas constituições “independentes”, abandonaram uma estrutura que era mantida pela hegemonia do Partido Comunista e pelo sistema securitário. Porém, uma das preocupações nas negociações finais entre americanos e soviéticos foi a salvaguarda de um certo espaço livre entre as fronteiras da NATO e da Rússia.

O Presidente George H. Bush e os seus colaboradores, especialmente o Conselheiro Nacional de Segurança, general Brent Scowcroft, homens de formação realista, avessos a paixões ideológicas e conhecedores da História e da mentalidade russas, prepararam com toda a cautela o soft landing da URSS, percebendo que um Estado com semelhante poder militar e nuclear tinha de ser respeitado e bem tratado para não dar origem a fenómenos de ressentimento nacional de tipo hitleriano.

Fenómenos que não estiveram longe de vingar. No princípio dos anos 90, o líder do Partido Liberal Democrático da Rússia (PLDR), Vladimir Zhirinovski, um radical populista que prometia nos seus discursos dar “um homem a cada mulher e uma garrafa de vodka a cada homem”, lançou-se numa corrida ao poder, apelando aos sentimentos de frustração e vingança do povo russo.

Entretanto, Bill Clinton, na euforia da vitória da Guerra Fria, de que fora herdeiro e não artífice, e daquilo que então foi chamado pelos otimistas “o fim da História” (a Era em que o capitalismo e a democracia iam estender-se urbi et orbe) estimulou a avançada para Leste da NATO e da influência americana, numa espécie de grande cruzada democrática.

Mas, na América, nem todos ficaram eufóricos.

Em 1998, numa entrevista a George Friedman para o New York Times, George Kennan, o grande inspirador da estratégia de contenção dos Estados Unidos face à URSS durante a primeira Guerra Fria, foi claro no aviso, quanto à política da Administração Clinton de expansão da NATO para Leste:

“Penso que é o princípio de uma nova Guerra Fria. Os russos vão reagir, gradualmente, de modo hostil, porque esta expansão vai afetá-los. Penso que é um erro trágico. Ninguém agora ameaça ninguém. E este nosso expansionismo faria os nossos Founding Fathers revirarem-se nas sepulturas. Comprometemo-nos a proteger uma série de países, embora não tenhamos nem os recursos nem a intenção de o fazer de um modo sério. A expansão da NATO foi uma decisão tomada de ânimo leve por um Senado que não se interessa particularmente por política externa.”

Kennan acrescentava que o que mais o irritava era a manifesta “superficialidade” e “falta de informação” da discussão no Senado. Com lucidez e liberdade, o autor do “Longo Telegrama”, que tinha sido embaixador em Moscovo, lembrava que a política de expansão para Leste mostrava falta de conhecimento e compreensão da História da Rússia. Kennan estava certo de que, quando confrontados com a reação de Moscovo no futuro, os responsáveis ocidentais iriam dizer que a culpa era dos russos, que eram assim, maus e imperialistas, mas que a provocação vinha dos “ocidentais”.

Infelizmente o seu aviso não foi seguido. No mesmo sentido, mas em relação à Ucrânia, escreveu Henry Kissinger em 2014:

“O Ocidente deve perceber que, para a Rússia, a Ucrânia nunca pode ser apenas um país estrangeiro. A História da Rússia começou no que foi a chamada Rússia de Kiev. A religião russa disseminou-se dali. A Ucrânia fez parte da Rússia durante séculos e as duas histórias estiveram entrelaçadas desde então. Algumas das mais importantes batalhas pela liberdade da Rússia, a começar pela batalha de Poltava, em 1709, foram travadas em solo ucraniano. A frota do Mar Negro, o instrumento de projeção do poder russo no Mediterrâneo, está baseada, por um aluguer de longo prazo, em Sebastopol, na Ucrânia. Mesmo dissidentes famosos, como Alexandre Soljenitsin e Jozeph Brodski, insistiram que a Ucrânia é parte integrante da História da Rússia e, na verdade, da Rússia.”

Nos últimos vinte anos, as guerras da América no Médio Oriente, da invasão do Iraque à guerra do Afeganistão e sua humilhante conclusão, deviam servir de lição para presentes e futuros entusiasmos e pretextos ideológicos, sobretudo em conflitos que podem, pela primeira vez na História, envolver potências nucleares. O realismo não é de esquerda nem de direita e, neste momento, faz muita falta. Perante alguém como Putin, um jogador de xadrez, com sentido estratégico, os apelos à retórica nunca iriam contar muito. Vladimir Putin tem – ou, pelo menos, tinha – um retrato de Nicolau I na antecâmara do seu gabinete e há, por isso, quem sublinhe o seu perfil nacional-autoritário e de defensor do cristianismo ortodoxo para o comparar com o Czar que reprimiu os Dezembristas, defendeu a autocracia e foi para a guerra da Crimeia contra turcos, ingleses e franceses. É também conhecida a sua afirmação de que o desmantelamento da União Soviética foi o maior desastre geopolítico do séc XX. E apesar de a Rússia de hoje não ter nada que ver com a ideologia marxista-leninista, persiste em Putin, como noutros contemporâneos e servidores da URSS, a nostalgia do que era também um grande Império. Os dados estavam todos lá.

O pôr de parte, à cabeça, a dissuasão militar (embora não se visse na Europa nem nos Estados Unidos grande vontade popular em morrer por Kiev) foi uma espécie de garantia de imunidade. Para as sanções económicas, Putin está preparado, com a quarta maior reserva financeira do mundo, parte em ouro e uma “opinião pública”  autocraticamente controlada.

Na crise de Cuba, John Kennedy foi firme mas foi também inteligente e subtil, metendo-se na pele de Kruschev e pondo-se no lugar dos russos. No fim, trocaram-se os mísseis de Cuba pelos mísseis americanos na Turquia. Kennedy percebera bem a recomendação de B. H. Liddell Hart, outro realista e um dos grandes historiadores militares e mestres de Estratégia do século XX, sobre a atitude que um líder político na idade nuclear deveria ter; recomendação que o Presidente citaria no Saturday Review of Literature:

“Keep strong if possible. In any case, keep cool. Have unlimited patience. Never corner an opponent and always assist him to save his face. Put yourself in his shoes – so as to see the thing through his eyes. Avoid self-righteousness like the devil – nothing is so self-blinding.”

Os conselheiros do Presidente Biden deviam ter-lhe recomendado a leitura deste texto. Agora, é tarde, mas pode sempre vir a servir para o futuro.”

Jaime Nogueira Pinto – (Observador)

Retirado do Facebook | Mural de Rodrigo Sousa Castro

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.